REGENERAÇÃO NATURAL DE Ocotea odorifera (VELL.) ROHWER (LAURACEAE) EM FLORESTA OMBRÓFILA MISTA, PARANÁ, BRASIL

Larissa Amanda Bett, Dayane May

Resumo


A limitação do conhecimento sobre a autoecologia de Ocotea odorifera (Lauraceae) nos remanescentes conservados indica a necessidade do desenvolvimento de pesquisas que forneçam subsídios para a implantação de programas de conservação. Nesse contexto, a presente pesquisa teve como objetivo avaliar a regeneração natural de Ocotea odorifera (Lauraceae), espécie ameaçada de extinção, característica da fitofisionomia Floresta Ombrófila Mista (FOM) ocorrente na Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Uru, Lapa, Paraná, Brasil. A distribuição nacional dessa espécie foi levantada a partir de dados museológicos disponíveis em acervos online, e no Museu Botânico de Curitiba (MBM). Para análise da regeneração natural foram definidas 10 parcelas circulares com 40 m de diâmetro, contendo uma matriz de sementes no centro, totalizando 12.560 m² de área amostral. Todos os indivíduos regenerantes de Ocotea odorifera contidos nas parcelas foram georreferenciados e mensurados em altura e Diâmetro a Altura do Solo (DAS). Foi medida também a espessura de serapilheira e intensidade luminosa em cada parcela. As análises foram baseadas nos parâmetros fitossociológicos e o grau de dispersão da espécie foi avaliado por meio do Índice de Morisita (Id). O levantamento museológico revelou 867 registros de Ocotea odorifera, compilados em 47 coleções, com ocorrência em 16 estados brasileiros. A densidade da regeneração natural foi de 77,6 ind.ha-1 e o padrão de crescimento da regeneração natural demonstrou tendência para J-invertido, com maior abundância de indivíduos (44,7%) com altura até 0,50 m. A presença das árvores-matrizes na RPPN Uru esteve restrita às áreas de FOM em estágio avançado de sucessão, sendo que as unidades amostrais com serapilheira mais espessa foram aquelas com maior número de indivíduos mensurados. O reconhecimento das potencialidades ecológicas, especialmente quanto à capacidade regenerativa e os fatores que a influenciam em ambiente natural, atuam como base para ações conservacionistas que garantem a perpetuação da Ocotea odorifera.


Palavras-chave


autoecologia; conservação; distribuição espacial; canela-sassafrás.

Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, P. L. C.; MACHADO, S. A. Aplicação de índices de dispersão em espécies de florestas tropicais da Amazônia brasileira. Curitiba: FUPEF, 1984. 44 p. (Série Científica I).

BOTREL, R. T. et al. Influência do solo e topografia sobre as variações da composição florística e estrutura da comunidade arbóreo-arbustiva de uma floresta estacional semidecidual em Ingaí, MG. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 25, n. 2, p. 195-213, 2002.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Corredores ecológicos: experiências em planejamento e implementação. Brasília: MMA, 2007. 58 p.

BRASIL. Ministério Do Meio Ambiente. Lista oficial das espécies da flora brasileira ameaçadas de extinção. 2014. Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2014.

BROCARDO, C. R.; CÂNDIDO JÚNIOR, J. F. Persistência de mamíferos de médio e grande porte em fragmentos de Floresta Ombrófila Mista no Estado do Paraná, Brasil. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 36, p. 301-310, 2012.

BROTTO, M. L.; CERVI, A. C.; SANTOS, E. P. O gênero Ocotea (Lauraceae) no estado do Paraná, Brasil. Rodriguésia, Rio de Janeiro, v. 64, n. 3, 2013.

CALDATO, S.; LONGHI, S. J.; FLOSS, P. A. Estrutura populacional de Ocotea porosa (Lauraceae) em uma Floresta Ombrófila Mista, em Caçador (SC). Ciência Florestal, Santa Maria, v. 9, n. 1, p. 89-101, 1999.

CARVALHO, P. E. R. Canela-sassafrás. 2005. Disponível em: . Acesso em: 16 nov. 2014. (Circular Técnica).

CASTELLA, P. R.; BRITEZ, R. M. A. A floresta com araucária no Paraná: conservação e diagnóstico dos remanescentes florestais: Projeto de Conservação e Utilização Sustentável da Diversidade Biológica Brasileira – PROBIO. Brasília: MMA, 2004. 236 p.

CASTELLANI, D. C. et al. Produção de óleo essencial em canela (Ocotea odorifera Vell.) e guaçatonga (Casearia sylvestris Swartz) em função da época de colheita. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Paulínia, v. 8, n. 4, p. 104-107, 2006.

CETNARSKI-FILHO, R.; NOGUEIRA, A. C. Influência da temperatura na germinação de diásporos de Ocotea odorifera (Vellozo) Rohwer (Canela-sassafrás). Ciência Florestal, Santa Maria, v. 15, n. 2, p. 191-198, 2005.

CETNARSKI-FILHO, R.; NOGUEIRA, A. C. Regeneração natural de Ocotea odorifera (Vell.) Rohwer (canela-sassafrás). Revista Acadêmica: ciências agrárias e ambientais, Curitiba, v. 2, n. 3, p. 61-68, 2004.

CENTRO DE REFERÊNCIA EM INFORMAÇÃO AMBIENTAL. Ocotea odorifera. Disponível em: . Acesso em: 02 ago. 2014.

DALMASO, C. A. et al. Padrões espaciais na regeneração de Ocotea odorifera na Floresta Nacional de Irati, PR. Floresta, Curitiba, v. 43, n. 2, p. 301-312, 2013.

FRANKE, C. R. et al. Mata Atlântica e biodiversidade. Salvador: EDUFBA, 2005.

GALINDO-LEAL, C.; CÂMARA, I. G. Mata Atlântica: biodiversidade, ameaças e perspectivas. São Paulo: Fundação SOS Mata Atlântica, 2005. 20 p.

IBGE. Manual técnico da vegetação brasileira. 2. ed. Rio de Janeiro: IBGE, 2012.

INSTITUTO AMBIENTAL DO PARANÁ. Lista Oficial de espécies da flora ameaçadas de extinção no Estado do Paraná. 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2014.

INSTITUTO BRASILEIRO DE FLORESTAS. Mata Atlântica, 2014. Disponível em: . Acesso em: 15 set. 2014.

INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. Plano de Manejo da Reserva Particular do Patrimônio Natural Uru. Curitiba: ICMBIO, 2014. 320 p.

JANZEN, D. H. Herbivores and the number of tree species in tropical forests. The American Naturalist, Chicago, v. 104, n. 940, p. 501-528, 1970.

KOZERA, C. et al. Espécies vasculares de uma área de campos naturais do sul do Brasil em diferentes unidades pedológicas e regimes hídricos. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 10, n. 3, p. 267-274, 2012.

LEITE, P. F.; KLEIN, R. M. Vegetação. In: IBGE. Geografia do Brasil: Região Sul. Rio de Janeiro: IBGE, 1990. p. 113-150.

LINGNER, D. V. et al. Caracterização da estrutura e da dinâmica de um remanescente de Floresta com Araucária no Planalto Catarinense. Pesquisa Florestal Brasileira, Colombo, n. 55, 2007.

LORENZI, H. Árvores Brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 5. ed. São Paulo: Instituto Plantarum, 2008. v. 1.

LORENZI, H.; MATOS, F. J. A. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. São Paulo: Instituto Plantarum, 2002.

MACHADO, E. L. M. et al. Flutuações temporais nos padrões de distribuição diamétrica da comunidade arbóreo-arbustivo e de 15 populações em um fragmento florestal. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 34, n. 4, p. 723-732, 2010.

MULLER-DOMBOIS, D.; ELLENBERG, H. Aims and methods of vegetation ecology. New York: John Wiley & Sons, 1974.

MYERS, N. et al. Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature, London, v. 403, p. 853-858, 2000.

NASCIMENTO, A. R. T.; LONGHI, S. J.; BRENA, D. A. Estrutura e padrões de distribuição espacial de espécies arbóreas em uma amostra de Floresta Ombrófila Mista em Nova Prata, RS. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 11, n. 1, p. 105-119, 2001.

NASCIMENTO, N. A.; CARVALHO, J. O. P.; LEÃO, N. V. M. Distribuição espacial de espécies arbóreas relacionadas ao manejo de florestas naturais. Revista Ciência Agrária, Belém, n. 37, p. 1-20, 2002.

OBRZUT, V. V.; CARVALHO, R. I. N. Utilização do óleo essencial de sassafrás para o manejo da mariposa oriental em pessegueiro. Revista Acadêmica de Ciências Agrárias, Curitiba, v. 9, n. 1, p. 65-71, 2011.

ODUM, E. P. Fundamentos de ecologia. 4. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1988. 927 p.

PALUDO, G. F.; MANTOVANI, A.; REIS, M. S. Regeneração de uma população natural de Araucaria angustifolia (Araucariaceae). Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 35, n. 5, p. 1107-1119, 2011.

PEREIRA, J. N. et al. Relationships between microbial activity and soil physical and chemical properties in native and reforested Araucaria angustifolia forest in the state of São Paulo, Brazil. Revista Brasileira de Ciências do Solo, Viçosa, MG, v. 37, p. 672-686, 2013.

QUINET, A. et al. Lauraceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: . Acesso em: 8 dez. 2014.

QUINET, A.; ANDREATA, R. H. P. Lauraceae Jussieu na Resera Ecológica de Macaé de Cima, Município de Nova Friburgo, Rio de Janeiro, Brasil. Rodriguésia, Rio de Janeiro, v. 53, p. 59-121, 2002.

RESENDE, I. L. M. et al. Estrutura etária de populações de Mauritia flexuosa L. F. (Arecaceae) de veredas da região central de Goiás, Brasil. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 36, n. 1, p. 103-112, 2012.

RIBEIRO, T. M. et al. Fitossociologia de uma Floresta Secundária com Araucaria angustifolia (Bertol.) O. Kuntze na Estação Ecológica de Bananal, Bananal-SP. Floresta e Ambiente, Seropédica, v. 2, n. 20, p. 159-172, 2013.

RODE, R. et al. Estrutura horizontal da comunidade arbórea sob um povoamento com Araucaria angustifolia e uma Floresta Ombrófila Mista. Pesquisa Florestal Brasileira, Colombo, v. 30, n. 64, p. 347-361, 2010.

SALM, R. Arborescent palm seed morphology and seedling distribution. Brazilian Journal of Biology, São Carlos, v. 4, n. 65, p. 711-716, 2005.

SANTA-CATARINA, C.; MACIEL, S. C.; PEDROTTI, E. Germinação in vitro e embriogênese somática a partir de embriões imaturos de canela sassafrás (Ocotea odorifera Mez). Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 24, n. 4, p. 501-510, 2001.

SANTOS, M. M. G. et al. Chuva de sementes de espécies lenhosas florestais em mosaico de floresta com Araucária e campos no Sul do Brasil. Acta Botanica Brasilica, Belo Horizonte, v. 1, n. 25, p. 160-167, 2011.

SILVA, W. C. et al. Estudo da regeneração natural de espécies arbóreas em fragmento de Floresta Ombrófila Densa, Mata das Galinhas, no Município de Catende, Zona da Mata Sul de Pernambuco. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 17, n. 4, p. 321-331, 2007.

SOUZA, P. B.; SOUZA, A; L.; MEIRA NETO, J. A. A. Estrutura diamétrica dos estratos e grupos ecológicos de uma área de Floresta Estacional Semidecidual, em Dionísio, MG. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 36, n. 1, p. 151-160, 2012.

VAN GROENENDAEL, J. M.; BULLOCK, S. H.; PEREZ-JIMENEZ, L. A. Aspects of the population biology of the gregarious tree Cordia elaegnoides in Mexican Tropical Deciduous Forest. Journal of Tropical Ecology, Cambridge, v. 12, n. 1, p. 11-24, 1996.

VENTUROLI, F.; FELFILI, J. M.; FAGG, C. W. Avaliação temporal da regeneração natural em uma Floresta Estacional Semidecídua Secundária, em Pirenópolis, Goiás. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 35, n. 3, p. 473-483, 2011.

ZAÚ, A. S. Fragmentação da Mata Atlântica: aspectos teóricos. Floresta e Ambiente, Seropédica, v. 5, n. 1, p. 160-170, 1998.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509827756

Licença Creative Commons