FITOSSOCIOLOGIA DO COMPONENTE ARBORESCENTE-ARBÓREO DE UMA FLORESTA ESTACIONAL NO VALE DO RIO URUGUAI, BRASIL

Daniel Grasel, Manueli Blatt Spezia, Adriano Dias de Oliveira

Resumo


O estado de degradação dos remanescentes florestais do oeste catarinense repercute em um número reduzido de áreas conservadas que possibilitem estudos sobre estrutura comunitária florestal, a fim de criar aporte teórico para eventuais estratégias de conservação, manejo e restauração ecossistêmica. O objetivo do presente estudo foi descrever a estrutura de um remanescente de Floresta Estacional Decidual Submontana, no município de São João do Oeste - SC. Para o inventário foram demarcadas 102 unidades amostrais de 10 × 10 m, dispostas em uma grade contínua de 6 × 17 parcelas, nas quais foram amostradas todas as plantas da sinúsia arborescente-arbórea com PAP ≥ 15 cm. Ocorreram 1441,18 árvores vivas e 93,14 plantas mortas em pé/ha. As 79 espécies encontradas pertencem a 61 gêneros distribuídos em 33 famílias, sendo os maiores IVIs de Sorocea bonplandii, Nectandra megapotamica, Inga marginata, Ocotea diospyrifolia e Trichilia claussenii. O índice de diversidade de Shannon (H’) foi de 3,21 e o índice de equabilidade de Pielou (J’) foi de 0,735. A estrutura vertical da vegetação amostrada foi dividida em arvoretas (2-11 m), dossel (12-17 m) e emergentes (18-25 m). O remanescente florestal estudado constitui um importante ecossistema de referência para futuras estratégias de conservação, manejo e restauração de florestas na região. 


Palavras-chave


estrutura florestal; subformação submontana; Floresta Estacional Decidual.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVARES, C. A. et al. Köppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, Berlin, v. 22, n. 6, p. 711-728, 2014.

ANGIOSPERM PHYLOGENY GROUP. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society, London, v. 161, p. 105-121, 2009.

ARONSON, J.; DHILLION, S.; LE FLOC’H., E. On the need to select on ecosystem of reference, however imperfect: a reply to Pickett e Parker. Restoration Ecology, Malden, v. 3, n. 1, p. 1-3, 1995.

ATHAYDE, E. A. et al. Fenologia de espécies arbóreas em uma floresta ribeirinha em Santa Maria, sul do Brasil. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 7, n. 1, p. 43-51, 2009.

BROWER, J. E.; ZAR, J. H. Field and laboratory methods for general ecology. Duduque: W.M.C. Brow Publishers, 1984. 84 p.

BROWN, W. H. Vegetation of the Philippine Mountains: the relation between the environment and physical types at different altitudes. Manila: Bureau of Science, 1919. 434 p.

BRUCE, D.; SCHUMACHER, F. X. Forest mensuration. New York: McGraw-Hill, 1950. 483 p.

BUDKE, J. C. et al. Florística e fitossociologia do componente arbóreo de uma floresta ribeirinha, arroio Passo das Tropas, Santa Maria, RS, Brasil. Acta Botanica Brasilica, Belo Horizonte, v. 18, n. 3, p. 581-589, 2004.

BUDKE, J. C.; JARENKOW, J. A.; OLIVEIRA-FILHO, A. T. Relationships between tree component structure, topography and soil of a riverside forest, rio Botucaraí, southern Brazil. Plant Ecology, Dordrecht, v. 189, n. 2, p. 187-200, 2007.

BURKART, A. Leguminosas. In: REITZ, R. (Ed.). Flora Ilustrada Catarinense. Itajaí: Herbário Barbosa Rodrigues, 1979. 299 p.

CHAPMAN, H. H.; MEYER, W. H. Forest mensuration. New York: McGraw-Hill, 1949. 522 p.

CENTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA FLORA. Centro Nacional de Conservação da Flora. 2013. Disponível em: . Acesso em: 11 jun. 2015.

DELAMÔNICA, P.; LAURANCE, W. F.; LAURANCE, S. G. A fragmentação da paisagem. In: VARELLA, D. (Coord.). Florestas do Rio Negro. São Paulo: Companhia das Letras, UNIP, 2001. p. 283-301.

DURIGAN, G. Métodos para análise de vegetação arbórea. In: CULLEN JUNIOR, L.; RUDRAN, R.; VALLADARES-PADUA, C. (Orgs.). Métodos de estudos em biologia da conservação e manejo da vida silvestre. Curitiba: Editora UFPR, 2006. p. 455-479.

JUNIOR, L.; RUDRAN, R.; VALLADARES-PADUA, C. Estrutura e diversidade de comunidades florestais. In: MARTINS, S. V. (Ed.). Ecologia de florestas tropicais do Brasil. Viçosa: Editora UFV, 2012. p. 294-325.

DURIGAN, G. et al. Estrutura e diversidade do componente arbóreo da floresta na Estação Ecológica dos Caetetus, Gália, SP. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 23, n. 4, p. 371-383, 2000.

DURIGAN, G.; RODRIGUES, R. R.; SCHIAVINI, I. A heterogeneidade ambiental definindo a metodologia de amostragem da floresta ciliar. In: RODRIGUES, R. R.; LEITÃO-FILHO, H. F. (Eds.). Matas ciliares: conservação e recuperação. São Paulo: Edusp; Fapesp, 2001. p. 159-167.

FELFILI, J. M. et al. Procedimentos e métodos de amostragem de vegetação. In: ______ et al. (Orgs.). Fitossociologia no Brasil: métodos e estudos de caso. Viçosa: Editora UFV, 2011. p. 86-121.

FELFILI, J. M.; CARVALHO, F. A.; HAIDAR, R. F. Manual para o monitoramento de parcelas permanentes nos biomas Cerrado e Pantanal. Brazília: Editora UnB, 2005. 51 p.

FERREIRA, L. V.; LAURANCE, W. F. Effects of forest fragmentation on mortality and damage of selected tree in central Amazonia. Conservation Biology, Boston, v. 20, p. 243-246, 1997.

GIEHL, E. L. H. et al. Espectro e distribuição vertical das estratégias de dispersão de diásporos do componente arbóreo em uma floresta estacional no sul do Brasil. Acta Botanica Brasilica, Belo Horizonte, v. 21, n. 1, p. 137-145, 2007.

GIEHL, E. L. H.; JARENKOW, J. A. Gradiente estrutural do componente arbóreo e relação com inundações em uma floresta ribeirinha, rio Uruguai, sul do Brasil. Acta Botanica Brasilica, Belo Horizonte, v. 22, n. 3, p. 741-753, 2008.

GRUBB, P. J. et al. A comparison of montane and lowland rain forest in Ecuador. I. The forest structure, physiognomy, and floristics. Journal of Ecology, Oxford, v. 51, n. 3, p. 567-601, 1963.

GUREVITCH, J.; SCHEINER, S. M.; FOX, G. A. Propriedades e mecanismos das comunidades. In: ______; ______; ______ (Orgs.). Ecologia vegetal. Porto Alegre: Artmed, 2009. p. 205-223.

HALLÉ, F.; OLDEMAN, R. A. A.; TOMLINSON, P. B. Tropical trees and forests: an architectural analysis. Berlin: Springer-Verlang, 1978. 441 p.

IBGE. Manual técnico da vegetação brasileira. Rio de Janeiro: Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2012. 274 p.

IUSS WORKING GROUP WRB. World reference base for soil resources 2014: international soil classification system for naming soils and creating legends for soil maps. Rome: FAO, 2014. 106 p. (World Soil Resources Reports, 106).

JARENKOW, J. A.; BUDKE, J. C. Padrões florísticos e análise estrutural de remanescentes de Florestas com Araucária no Brasil. In: FONSECA, C. R. et al. (Eds.). Floresta com araucária: ecologia, conservação e desenvolvimento sustentável. Ribeirão Preto: Holos, 2009. p. 113-125.

JARENKOW, J. A.; BUDKE, J. C.; WAECHTER, J. L. Composição, estrutura e relações florísticas do componente arbóreo de uma floresta estacional no Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 24, n. 3, p. 263-272, 2001.

KLEIN, R. M. Árvores nativas da Floresta Subtropical do Alto Uruguai. Sellowia, Itajaí, v. 24, p. 9-62, 1972.

KLEIN, R. M.. Mapa fitogeográfico de Santa Catarina. In: REITZ, R. (Ed.). Flora Ilustrada Catarinense. Itajaí: Herbário Barbosa Rodrigues, 1978. 24 p.

KLEIN, R. M. Aspectos dinâmicos da vegetação do sul do Brasil. Sellowia, Itajaí, v. 36, p. 5-54, 1984a.

KLEIN, R. M. Meliáceas. In: REITZ, R. (Ed.). Flora Ilustrada Catarinense. Itajaí: Herbário Barbosa Rodrigues, 1984b. 138 p.

LAMPRECHT, H. Ensayo sobre unos metodos para el análisis estructural de los bosques tropicales. Acta Cientifica Venezolana, Caracas, v. 13, n. 2, p. 57-65, 1962.

LAURANCE, W. F. Hyper-disturbed parks: edge effects and the ecology of isolated rain forest reserves in tropical Australia. In: ______; BIERREGAARD, R. O. (Eds.). Tropical forest remnants: ecology, management, and conservation of fragmented landscape. Chicago: University of Chicago Press, 1997. p. 71-83.

BIERREGAARD, R. O. et al. Rain forest fragmentation and the dynamics of Amazonian tree communities. Ecology, Brooklyn, v. 79, n. 6, p. 2032-2040, 1998.

BIERREGAARD, R. O. et al. Rainforest fragmentation kills big trees. Nature, London, v. 404, p. 836, 2000.

LEITE, P. F. Contribuição ao conhecimento fitogeográfico do sul do Brasil. Ciência & Ambiente, Santa Maria, n. 24, p. 51-73, 2002.

LEYSER, G. et al. Espectro de dispersão em um fragmento de transição entre Floresta Ombrófila Mista e Floresta Estacional na região do Alto Uruguai, Rio Grande do Sul, Brasil. Pesquisas, Série Botânica, São Leopoldo, n. 60, p. 355-366, 2009.

LINDENMAIER, D. S.; BUDKE, J. C. Florística, diversidade e distribuição espacial das espécies arbóreas em uma floresta estacional na bacia do rio Jacuí, sul do Brasil. Pesquisas, Série Botânica, São Leopoldo, n. 57, p. 193-216, 2006.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil. 5 ed. Nova Odessa: Editora Plantarum, 2009a. v. 1, 384 p.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil. 3 ed. Nova Odessa: Editora Plantarum, 2009b. v. 2, 384 p.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil. 1 ed. Nova Odessa: Editora Plantarum, 2009c. v. 3, 384 p.

MARCHIORI, J. N. C. Dendrologia das angiospermas: leguminosas. Santa Maria: Editora UFSM, 1997. 200 p.

MARCHIORI, J. N. C. Dendrologia das angiospermas: das bixáceas às rosáceas. Santa Maria: Editora UFSM, 2000. 240 p.

MARTINS, S. V. Técnicas de restauração florestal de áreas degradadas. In: ______ (Org.). Recuperação de áreas degradadas: ações em áreas de preservação permanente, voçorocas, taludes rodoviários e de mineração. Viçosa: Aprenda Fácil, 2009. p. 63-121.

MARTINS, S. V.; NETO, A. M.; RIBEIRO, T. M. Uma abordagem sobre diversidade e técnicas de restauração ecológica. In: ______ (Ed.). Restauração ecológica de ecossistemas degradados. Viçosa: Editora UFV, 2012. p. 17-40.

MULLER-DOMBOIS, D.; ELLENBERG, H. Aims and of vegetation ecology. New York: John Wiley & Sons, 1974. 547 p.

ODA-SOUZA, M. et al. Influência do tamanho e forma da unidade amostral sobre a estrutura de dependência espacial em quatro formações florestais do estado de São Paulo. Floresta, Curitiba, v. 40, n. 4, p. 849-860, 2010.

PANDOLFO, C. et al. Atlas climatológico do estado de Santa Catarina. Florianópolis: Epagri, 2002.

PEDRALLI, G. Lauráceas 6. Nectandra. In: REITZ, R. (Ed.). Flora Ilustrada Catarinense. Itajaí: Herbário Barbosa Rodrigues, 1987. 93 p.

PINTO, E. J. A. (Coord.). Atlas pluviométrico do Brasil: isoietas anuais médias. Brasília: CPRM, 2011. RAMBO, B. Migration routes of the South Brazilian rain forest. Pesquisas, Série Botânica, São Leopoldo, v. 12, p. 1-54, 1961.

REITZ, R.; KLEIN, R. M.; REIS, A. Projeto Madeira de Santa Catarina. Sellowia, Itajaí, v. 28, 1978.

REITZ, R.; KLEIN, R. M.; REIS, A. Projeto madeira do Rio Grande do Sul. Itajaí: Herbário Barbosa Rodrigues, 1988. 525 p.

RICHARDS, P. W. The tropical rain forest: an ecological study. Cambridge: Cambridge University Press, 1996. 600 p.

RUSCHEL, A. R. et al. Evolução do uso e valorização das espécies madeiráveis da Floresta Estacional Decidual do Alto-Uruguai, SC. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 13, n. 1, p. 153-166, 2003.

RUSCHEL, A. R. et al. Valuation and characterization of the timber species in remnants of the Alto Uruguay river ecosystem, southern Brazil. Forest Ecology and Management, Amsterdam, v. 217, p. 103-116, 2005.

RUSCHEL, A. R.; GUERRA, M. P.; NODARI, R. O. Estrutura e composição florística de dois fragmentos da Floresta Estacional Decidual do Alto-uruguai, SC. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 19, n. 2, p. 225-236, 2009.

SANQUETTA, C. R. et al. Estrutura vertical de um fragmento de Floresta Ombrófila Mista no centro-sul do Paraná. Ciências Exatas e Naturais, Guarapuava, v. 3, n. 1, p. 59-73, 2001.

SCHNEIDER, G.; ROCHA, F. S. Levantamento florístico e fitossociológico do componente arbóreo de um fragmento de Floresta Estacional Decidual em São Miguel do Oeste, Santa Catarina. Biotemas, Florianópolis, v. 27, n. 2, p. 43-55, 2014.

SCIPIONI, M. C. et al. Fitossociologia em fragmento florestal no noroeste do estado do Rio Grande do Sul. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 21, n. 3, p. 409-419, 2011.

SOCIETY FOR ECOLOGICAL RESTORATION. The SER International primer on ecological restoration. Tucson: Society for Ecological Restoration International, Sciense & Policy Working Group, 2004. Disponível em: . Acesso em: 27 ago. 2013.

SMITH, L. B.; DOWNS, R. J.; KLEIN, R. M. Euforbiáceas. In: REITZ, R. (Ed.). Flora Ilustrada Catarinense. Itajaí: Herbário Barbosa Rodrigues, 1988. 408 p.

SOUZA, J. M. et al. Sistema de mapas para a web do Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina. Epagri/Ciram, 2012. Disponível em: . Acesso em: 21 ago. 2013.

SÜHS, R. B.; BUDKE, J. C. Spatial distribution, association patterns and richness of tree species in a seasonal forest from Serra Geral formation, southern Brazil. Acta Botanica Brasilica, Belo Horizonte, v. 25, n. 3, p. 605-617, 2011.

VELOSO, H. P.; RANGEL FILHO, A. L. R.; LIMA, J. C. A. Classificação da vegetação brasileira, adaptada a um sistema universal. Rio de Janeiro: IBGE, 1991.

VIBRANS, A. C. et al. (Eds.). Inventário florístico florestal de Santa Catarina: Floresta Estacional Decidual. Blumenau: Edifurb, 2012a. v. 2, 336 p.

VIBRANS, A. C. et al. Extensão original e remanescentes da Floresta Estacional Decidual em Santa Catarina. In: ______ et al. (Eds.). Inventário florístico florestal de Santa Catarina: Floresta Estacional Decidual. Blumenau: Edifurb, 2012b. v. 2, p. 25-32.

VIBRANS, A. C. et al. Extensão original e remanescentes da Floresta Ombrófila Mista em Santa Catarina. In: ______ et al. (Eds.). Inventário florístico florestal de Santa Catarina: Floresta Ombrófila Mista. Blumenau: Edifurb, 2012c. v. 3, p. 25-32.

VIBRANS, A. C. et al. Extensão original e remanescentes da Floresta Ombrófila Densa em Santa Catarina. In: ______ et al. (Eds.). Inventário florístico florestal de Santa Catarina: Floresta Ombrófila Densa. Blumenau: Edifurb, 2012d. v. 4, p. 25-36.

VIBRANS, A. C. et al. Using satellite image-based maps and ground inventory data to estimate the area of the remaining Atlantic forest in the Brazilian state of Santa Catarina. Remote Sensing of Environment, New York, v. 130, p. 87-95, 2013.

VIBRANS, A. C.; GASPER, A. L.; MÜLLER, J. J. V. Para que inventariar florestas? Reflexões sobre a finalidade do inventário florístico florestal de Santa Catarina. Estudos Ambientais, Blumenau, v. 14, n. 1 esp., p. 6-13, 2012.

WILLIAMS-LIMERA, G. Vegetative structure and environmental conditions of forest edges in Panama. Journal of Ecology, Londres, v. 78, p. 356-373, 1990.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509826455

Licença Creative Commons