Efeitos da arborização urbana na redução do escoamento pluvial superficial e no atraso do pico de vazão

Patrícia Layne Alves, Klebber Teodomiro Martins Formiga

Resumo


A impermeabilização do solo e ausência de cobertura arbórea produz maior volume de escoamento superficial, amplia o pico de vazão e reduz o tempo de retardo. A busca por alternativas para diminuição do volume de escoamento superficial em áreas urbanas é importante para obter respostas hidrológicas aos problemas ocasionados pelo processo de urbanização e, com isso, amenizar o risco de inundação. Este estudo se propôs a estimar a redução do escoamento superficial e o atraso no pico de vazão ocasionados pela presença das árvores de três espécies (Mangifera indica, Tabebuia ochracea e Licania tomentosa) no meio urbano, o que permitiu a quantificação e análise do desempenho de espécies arbóreas na redução do escoamento urbano; correlacionou os parâmetros arbóreos com a capacidade de redução do escoamento; bem como averiguou se há redução e atraso nos picos de vazão. Os benefícios provenientes da interceptação das águas pluviais pelas árvores precisam ser ponderados e garantidos nos planos diretores de arborização e de drenagem urbana, de modo a alcançar a mitigação dos prejuízos provocados pelo descaso com as águas urbanas. Para isso, foram utilizados sensores de nível (linígrafos) para a quantificação do escoamento superficial em áreas com e sem a presença da cobertura arbórea, e em estruturas experimentais instaladas sobre solo impermeabilizado, semipermeável e permeável. Em eventos cujo valor mediano de precipitação bruta foi de 17.1 mm, a presença dos indivíduos arbóreos ocasionou um atraso mediano no tempo ao pico de vazão de 3 minutos, uma redução do pico de vazão de 0.8 mm/min e do escoamento superficial de 4.7 mm/min.


Palavras-chave


Árvores urbanas; Benefícios arbóreos; Escoamento pluvial

Texto completo:

PDF

Referências


AHIABLAME, L. M.; ENGEL, B. A.; CHAUBEY, I. Effectiveness of low impact development practices: literature review and suggestions for future research. Water, Air, & Soil Pollution, [S.l.], v. 223, n. 7, p. 4253-4273, jun. 2012.

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS (Brasil). HidroWeb: sistemas de informações hidrológicas. [2016]. Disponível em: . Acesso em: 23 nov. 2016.

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS (Brasil). Orientações para operação de estações hidrométricas.

Brasília: Agência Nacional de Águas; Superintendência de Gestão da Rede Hidrometeorológica, 2012. 52

p.

ALVES, P. L. Capacidade de interceptação pelas árvores e suas influências no escoamento superfcial urbano. 2015. 100 f. Tese (Doutorado em Ciências Ambientais) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2015.

ALVES, P. L. et al. Estudo de modelo metodológico para estimativa da área foliar do Oiti (Licania Tomentosa (Benth.) Fritsch). In: CONGRESSO DE PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO – CONPEEX, 10., 2013, Goiânia. Anais... Goiânia: CONPEEX, 2013. p. 11063.

ALVES, P. L.; FORMIGA, K. T. M. ; TRALDI, M. A. B. Rainfall interception capacity of tree species used in urban afforestation. Urban Ecosystems, [S.l.], p. 1-10, 2018.

AMPE, E. M. et al. Impact of urban land-cover classifcation on groundwater recharge uncertainty. IEEE Journal of Selected Topics in Applied Earth Observations and Remote Sensing, Mississippi, v. 5, n. 6, p. 1859-1867, aug. 2012.

BALBINOT, R. et al. O papel da floresta no ciclo hidrológico em bacias hidrográfcas. Ambiência, Guarapuava, v. 4, n. 1, p. 131-149, abr. 2008.

BEREZOWSKI, T. et al. Impact of remotely sensed land-cover proportions on urban runoff prediction. International Journal of Applied Earth Observation and Geoinformation, Enschede,

v. 16, p. 54-65, jun. 2012.

BERLAND, A.; HOPTON, M. E. Comparing street tree assemblages and associated stormwater benefts among communities in metropolitan Cincinnati, Ohio, USA. Urban Forestry & Urban Greening, Canada, v. 13, n. 4, p. 734-741, aug. 2014.

BRABEC, E. A. Imperviousness and land-use policy: toward an effective approach to watershed planning. Journal of Hydrologic Engineering, Amsterdam, v. 14, n. 4, p. 425-433, apr. 2009.

DAY, S. D.; DICKINSON, S. B. Managing stormwater for urban sustainability using trees and structural soils. In: USE neat asphalt binder modifed with an elastomeric polymer to produce a binder meeting the requirements of PG. Blacksburg: Virginia Polytechnic Institute and State University, 2008. p. 76-22.

GALLET, D. The Value of green infrastructure: a guide to recognizing its economic, environmental and social benefts. Proceedings of the Water Environment Federation, [S.l.], v. 20, n. 17, p. 924-928, jan. 2011.

GAO, C. et al. Review of current research on urban low-impact development practices. Research Journal of Chemistry and Environment, Agra, v. 17, n. S1, p. 209-214, sept. 2013.

GUMINDOGA, W. et al. Hydrological impacts of urbanization of two catchments in Harare, Zimbabwe. Remote Sensing, Basel, v. 6, n. 12, p. 12544-12574, dec. 2014.

HU, W. X. et al. Review of urban storm water simulation techniques. Advances in Water Science, [S.l.], v. 21, n. 1, p. 137-144, feb. 2010.

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (Brasil). BDMEP, Banco de Dados Meteorológicos para Ensino e Pesquisa. [2016]. Disponível em . Acesso em: 23 nov. 2016.

LEAL, L.; BIONDI, D.; BATISTA, A. C. Influência das florestas urbanas na variação termo-higrométrica da área intraurbana de Curitiba–PR. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 24, n. 4, p. 807-820, out./dez. 2014.

LIVESLEY, S. J.; BAUDINETTE, B.; GLOVER, D. Rainfall interception and stemflow by eucalypt street trees - The impacts of canopy density and bark type. Urban Forestry e Urban Greening, Canada, v. 13, p. 192-197, aug. 2014.

MCPHERSON, E. G. et al. Million trees Los Angeles canopy cover and benefit assessment. Landscape and Urban Planning, Michigan, v. 99, n. 1, p. 40-50, sept. 2011.

PAUL, M. J.; MEYER, J. L. Streams in the urban landscape. Urban ecology, Amsterdam, v. 32, p. 207-231, nov. 2008.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA ALIMENTAÇÃO E AGRICULTURA. Monitorização e avaliação de recursos florestais nacionais de angola - guia para recolha de dados. Rome:

National Forest Monitoring and Assessment, 2009.

PONCE, V. M.; HAWKINS, R. H. Runoff curve number: has it reached maturity? Journal of Hydrologic Engineering, Amsterdam, v. 1, n. 1, p. 11-19, jan. 1996.

ROY, S.; BYRNE, J.; PICKERING, C. A systematic quantitative review of urban tree benefits, costs, and assessment methods across cities in different climatic zones. Urban Forestry & Urban Greening, Canada, v. 11, n. 4, p. 351-363, jun. 2012.

SCHUELER, T. R.; FRALEY-MCNEAL, L.; CAPPIELLA, K. Is impervious cover still important? Review of recent research. Journal of Hydrologic Engineering, Amsterdam, v. 14, n. 4, p. 309-315, apr. 2009.

SEITZ, J.; ESCOBEDO, F. Urban forests in Florida: trees control stormwater runoff and improve water quality. City, Florida, v. 393, p. 6, may 2011.

SETZER, J.; PORTO, R. L. L. Tentativa de Avaliação do Escoamento Superficial de acordo com o solo e o seu recobrimento vegetal nas condições do Estado de São Paulo. Boletim Técnico DAEE, São Paulo, v. 2, n. 2, p. 81-104, ago. 1979.

SILVA, G. F. D. et al. Evaluation of height measurement methods in natural forests. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 36, n. 2, p. 341-348, 2012.

VERBEIREN, B. et al. Assessing urbanisation effects on rainfall-runoff using a remote sensing supported modelling strategy. International Journal of Applied Earth Observation and Geoinformation, Enschede, v. 21, p. 92-102, aug. 2013.

WANG, J.; ENDRENY, T. A.; NOWAK, D. J. Mechanistic simulation of treee ffects in an urban water balance model. Journal of the American Water Resources Association, Middleburg, v. 44, p. 74-85, jan. 2008.

XIAO, Q.; MCPHERSON, E. G. Rainfall interception of three trees in Oakland, California. Urban Ecosystems, Duluth, v. 14, n. 4, p. 755-769, jun. 2011.

XIAO, Q.; MCPHERSON, E. G. Surface water storage capacity of twenty tree species in Davis, California. Journal of environmental quality, Madison, v. 45, n. 1, p. 188-198, aug. 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509825820

Licença Creative Commons