Avaliação da arborização viária da cidade de São Tomé, Paraná

Otavio Henrique da Silva, João Karlos Locastro, Suely da Penha Sanches, Generoso De Angelis Neto, Bruno Luiz Domingos De Angelis, Marcelo Galeazzi Caxambu

Resumo


Com o desenvolvimento das cidades, é cada vez maior a preocupação quanto à manutenção da qualidade de vida nestes centros urbanos, tendo a arborização urbana importância na melhoria de aspectos sanitários, sociais e estéticos. Nesse prisma, o estudo da problemática da existência de características indesejáveis às plantas e da compatibilização do espaço com os equipamentos públicos tem significativa relevância. Este trabalho tem por objetivo geral avaliar a arborização viária da cidade de São Tomé, Paraná, o qual corresponde a um centro urbano de pequeno porte. Para isto, foi conduzido o censo de todos os exemplares de porte arbóreo, ou conduzidos para isso, com altura acima de 1,0 metro presentes ao longo das vias públicas da cidade, e posterior análise das espécies encontradas quanto ao atendimento às normas técnicas em aspectos qualitativos: procedência, a existência de frutos grandes e carnosos e princípio tóxico e a presença de espinhos ou acúleos, respectivamente, e posterior quantificação e classificação quanto aos danos das raízes e copas aos equipamentos públicos. Foram verificadas 63 espécies vegetais distintas, com 3.085 indivíduos no total, com a predominância de Licania tomentosa (Chrysobalanaceae) (n = 1120). Após análise dos parâmetros indicados, sugeriu-se a substituição de 635 exemplares de 41 espécies (20,58% da ocorrência total) por espécies vegetais adequadas às normas técnicas e à legislação. Dentre as 22 espécies apropriadas ao uso na arborização de vias públicas encontradas na urbe, destacam-se Handroanthus chrysotrichus (Mart. ex DC.) Mattos (Bignoniaceae), Handroanthus heptaphyllus Mattos (Bignoniaceae) e Tabebuia roseoalba (Ridl.) Sandwith (Bignoniaceae), considerando os benefícios proporcionados aos citadinos.


Palavras-chave


Levantamento qualiquantitativo; Análise florística; Arborização urbana

Texto completo:

PDF

Referências


ANGIOSPERM PHYLOGENY GROUP – APG. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG IV. Botanical Journal of the Linnean Society, Londres, v. 181, 2016. p. 1-20.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9050: acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Rio de Janeiro, 2015.

BIONDI, D.; LEAL, L.; SCHAFFER, M. Aspectos importantes das plantas ornamentais em escolas públicas estaduais da cidade de Curitiba, PR. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, Recife, v.3, p. 267-275, 2008.

BRUN, F. G. K. et al. Legislações Municipais do Rio Grande do Sul Referentes à Arborização Urbana – Estudo de Casos. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, Piracicaba, v.3, n.3, p. 44-64, 2008.

CARIÑANOS, P.; CASARES-PORCEL, M. Urban green zones and related pollen allergy: A review. Some guidelines for designing spaces with low allergy impact. Landscape and Urban Planning, Amsterdam, v. 101, p. 205-214, 2011.

DE ANGELIS, B. L. D. et al. Rede de distribuição de energia elétrica e arborização viária: o caso da cidade de Maringá, Estado do Paraná. Acta Scientiarum. Technology, Maringá, v. 33, n. 4, p. 365-370, 2011.

ESALQ – Escola Superior de Agricultura Luís de Queiroz. Plantas tóxicas. Piracicaba: Universidade de São Paulo, 2013.

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ – FIOCRUZ. Sistema Nacional de Informações Toxico Farmacológicas: Dados Nacionais. 2014. Disponível em: Acesso em 02 dez. 2017.

GREY, G. M.; DENEKE, F. J. Urban Forestry. New York: John Wizey, 1978.

HOERNER, W. S. América Latina e os recursos biológicos amazônicos: pesquisas e patentes sobre plantas medicinais da Amazônia. 2007. 163 f. Dissertação (Mestrado em sociedade, economia e estado). Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

INSTITUTO AMBIENTAL DO PARANÁ - IAP. Portaria no 059, de 15 de abril de 2015. Reconhece a Lista Oficial de Espécies Exóticas Invasoras para o Estado do Paraná, estabelece normas de controle e dá outras providências. Diário Oficial do Estado do Paraná. Curitiba, PR, 07 mai. 2015.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Base Cartográfica Digital Integrada ao Milionésimo – bCIMd. 2012.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. IBGE Cidades, São Tomé - PR. 2010. Disponível em: Acesso em 02 dez. 2017.

INSTITUTO DE TERRAS, CARTOGRAFIA E GEOCIÊNCIAS - ITCG. Divisão político-administrativa do Paraná. 2010.

INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - IPARDES. Leituras Regionais: Mesorregião Geográfica Noroeste Paranaense / Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social. Curitiba: IPARDES: BRDE, 2004. 141 p.

JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO. Lista de espécies da Flora do Brasil. 2017. Disponível em: Acesso em 02 dez. 2017.

LOPES, R. K.; RITTER, M. R.; RATES, S. M. K. Revisão das atividades biológicas e toxicidade das plantas ornamentais mais utilizadas no Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 7, p. 305–315, 2009.

LORENZI, H. Árvores Brasileiras: Manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil. v. 1, 5 ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2008.

LORENZI, H. et al. Árvores Exóticas no Brasil: madeireiras, ornamentais e exóticas. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2003.

MARTINS, C. B. G.; ANDRADE, S. M.; PAIVA, P. A. B. Envenenamentos acidentais entre menores de 15 anos em município da Região Sul do Brasil. Caderno Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 22, p. 407-414, 2006.

MILANO, M. S. Avaliação quali-quantitativa e manejo da arborização urbana: exemplo de Maringá. 1988. 120f. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1988.

MILANO, M. S.; DALCIN, E. C. Arborização de vias públicas. Rio de Janeiro: Light, 2000.

MISSOURI BOTANICAL GARDEN. Tropicos. 2017. Disponível em: Acesso em 02 dez. 2017.

NORTH, E. A.; JOHNSON; G. R.; BURK, T. E. Trunk flare diameter predictions as an infrastructure planning tool to reduce tree and sidewalk conflicts. Urban Forestry & Urban Greening, n. 1, v. 14, p. 65-71, 2015.

OZTURK, M. et al. Ethnoecology of poisonous plants of Turkey and Northern Cyprus. Pakistan Journal of Botany, n. 40, v. 4, p. 1359-1386, 2008.

PARANÁ. Lei no 15953, de 24 de setembro de 2008. Proíbe o plantio, comércio, transporte e produção da planta Murta (Murraya paniculata), por ser vegetal hospedeiro da bactéria Candidatus liberibacter ssp., disseminada pelo inseto vetor Diaphorina citri, transmissor da praga denominada Huanglongbing (HLB - Greening). Diário Oficial do Estado do Paraná. Curitiba, PR, 24 set. 2008.

PIVETTA, K. F. L.; SILVA FILHO, D. F. Arborização Urbana. Boletim acadêmico: Série Arborização Urbana. Jaboticabal, 2002.

ROSSATTO, D. R.; TSUBOY, M., S. F.; FREI, Fernando. Arborização urbana na cidade de Assis-SP: uma abordagem quantitativa. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, Piracicaba, v.3, n.3, p.1-16, 2008.

SAMPAIO, A. C. F.; DE ANGELIS, B. L. D. Inventário e análise da arborização de vias públicas de Maringá-PR. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, Piracicaba, v.3, n.1, p. 37-57, 2008.

SÃO TOMÉ. Lei no 004, de 13 de março de 2007. Autoriza o Poder Executivo Municipal a retirar espécies de árvores e proíbe o plantio da mesma espécie, que especifica e dá outras providências. Diário Oficial Eletrônico. São Tomé, PR, 13 mar. 2007.

SÃO TOMÉ. Lei no 014, de 18 de março de 1997. Dispõe sobre o Plano de Arborização Urbana do Município de São Tomé, e dá outras providências. Diário Oficial Eletrônico. São Tomé, PR, 14 mar. 1997.

SÃO TOMÉ. Prefeitura Municipal - Secretaria de Planejamento. Planta Geral da Cidade. 2013.

SILVA, L. C. Plantas ornamentais tóxicas presentes no shopping Riverside Walk em Teresina – PI. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, Piracicaba, v. 4, n. 3, p. 69-85, 2009.

STASI, L. C.; HIRUMA-LIMA, C. A. 2002. Plantas medicinais na Amazônia e na Mata Atlântica. 2.ed. São Paulo: UNESP. 604p.

VELASCO, G. D. N.; LIMA, A. M. L. P.; COUTO, H. T. Z. Análise comparativa dos custos de diferentes redes de distribuição de energia elétrica no contexto da arborização urbana. Revista Árvore, Viçosa, v. 30, n.4, p.679-686, Ago 2006.

WINTERS, G. H. M.; Plantas ornamentais tóxicas. Holambra, SP: Centro Paisagístico, 2000. 36p.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509824889

Licença Creative Commons