EQUAÇÕES PARA ESTIMAR ESTOQUE DE CARBONO POR HECTARE NOS FUSTES DAS ÁRVORES DE FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL

Carlos Pedro Boechat Soares, Marcio Leles Romarco de Oliveira, Fabrina Bolzan Martins, Lívia Thais Moreira de Figueiredo

Resumo


Este trabalho teve por objetivo ajustar equações para estimar o estoque de carbono por hectare nos fustes das árvores, em função de variáveis da floresta obtidas por meio da amostragem por ponto horizontal (método de Bitterlich). Foram amostrados 55 pontos, com um fator de área basal igual a 1, em fragmentos de floresta estacional semidecidual, no município de Viçosa, Minas Gerais. Após o ajuste e a avaliação de diferentes modelos de regressão lineares e não lineares, verificou-se que as equações referentes ao modelo 8 (não linear) foram as mais precisas para estimar o estoque de carbono por hectare nos fustes das árvores.

 


Palavras-chave


Sequestro de carbono; método de Bitterlich; Floresta Atlântica.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARO, M. A. Quantificação do estoque volumétrico, de biomassa e de carbono em uma floresta estacional semidecidual no município de viçosa-MG. 2010. 168 f. Tese (Doutorado em Ciência Florestal) –Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2010.

BROWN, S.; LUGO, A. E. Biomass of tropical Forest: a new estimate based on Forest volumes. Science, Washington, v. 233, n. 4642, p. 1290-1293, 1984.

BROWN, S. et al. Biomass estimation methods for tropical forests with applications to Forest inventory data. Forest Science, Washington, v. 35, n. 4, p. 881-902, 1989.

CAMPOS, A. L. A. S. Desenvolvimento de um sistema compatível de crescimento e produção para manejo de Eucalyptus grandis (Hill ex. Maiden). 1986. 73f. Dissertação (Mestrado em Ciência Florestal) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 1986.

CARRON, L. T.; CROMER, D. A. N. Stand volume tables with particular reference to Pinus radiata in the A.C.T. Camberra. Forestry and Timber Bureau Bulletim, n. 35, 1956.

COELHO, D. J. S.; SOUZA, A. Modelo de gestão florestal sustentável para a microrregião de Viçosa, Minas Gerais. Revista Árvore, Viçosa, v. 26, n. 2, p. 135-144, 2002.

COLE, D. M. A cubic-foot stand volume equation for Lodgepole pine in montana and Idaho. United States Department of Agriculture Forest Service Research Note, n. 150, p. 8, 1971.

CORRÊA, G. F. Modelo de evolução e mineralogia da fração argila de solos do planalto de Viçosa - MG. 1984. 187 f. Dissertação (Mestrado em Ciência Florestal) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 1984.

DISME. Normais climatológicas (1961 – 1990). Brasília: Departamento Nacional de Meteorologia, 1992.

EMPRAPA. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 2. ed. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2006.

FIGUEIREDO FILHO, A. Estudos de modelos matemáticos para estimar o volume por unidade de área em uma floresta tropical úmida na Amazônia brasileira. 1983. 150f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1983.

FLORES, E. J. M. Potencial produtivo e alternativas de manejo sustentável de um fragmento de Mata Atlântica Secundária, município de Viçosa, Minas Gerais. 1993. 165 f. Tese (Doutorado em Ciência Florestal) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 1993.

HUSH, B.; MILLER, C. I.; BEERS, T. W. Forest mensuration. 2. ed. New York: The Ronald Press Company, 1972.

KVALSETH, T. O. Cautionary note about R2. The American Statistician, Alexandria, v. 39, n. 4, p. 279-285, 1985.

MACHADO, S. A. et al. Comparação entre métodos para avaliação de volume total de madeira por unidade de área, para o pinheiro do Paraná, na região sul do Brasil. Curitiba. Cerne, Lavras, v. 6, n. 2, p. 55-66, 2000.

MACHADO, S. A.; PIZATTO, W. Tabela de volume de povoamento para florestas nativas de Araucaria angustifolia nos estados da região sul do Brasil. Curitiba. Revista Floresta, v. 26, n. 1-2, p. 11-26, 1998.

MIRANDA, D. L. C. Modelos matemáticos de estoque de biomassa e carbono em áreas de restauração florestal no sudoeste paulista. 2008. 114 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2008.

OLIVEIRA, M. L. R. Tabelas de volume de povoamento para fragmentos florestais nativos do município de Viçosa, Minas Gerais. 2003. 80 f. Dissertação (Mestrado em Ciência Florestal) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2003.

OLIVEIRA, M. L. R. et al. Equações de volume de povoamento para fragmentos florestais naturais do município de Viçosa, Minas Gerais. Revista Árvore, Viçosa, v. 29, n. 2, p. 213-225, 2005.

PAULA NETO, F. Tabelas volumétricas com e sem casca para Eucalyptus saligna. Revista Árvore, Viçosa, v. 1, n. 1, p. 31-54, 1977.

PÉLLICO NETO, S.; BRENA, D. A. Inventário Florestal. Curitiba: Editorado pelos autores, 1997.

PEREIRA, R. A. Mapeamento e caracterização de fragmentos de vegetação arbórea e alocação de áreas preferências para sua interligação no município de Viçosa, MG. 1999. 250f. Tese (Doutorado em Ciência Florestal) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 1999.

REZENDE, A. V. et al. Comparação de modelos matemáticos para estimativa do volume, biomassa e estoque de carbono da vegetação lenhosa de um cerrado sensu stricto em Brasília, DF. Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 71, n. 1, p. 65-76, 2006.

SCHUMACHER, F. X.; HALL, F. S. Logarithmic expression of timber-tree volume. Journal of Agricultural Research, Washington, v. 47, n. 9, p. 719-734, 1933.

SCHNEIDER, P. R. Análise de regressão aplicada a engenharia florestal. Santa Maria: UFSM, 1998.

SCOLFORO, J. R. S. et al. (Ed.) Inventário florestal de Minas Gerais: equações de volume, peso de matéria seca e carbono para diferentes fitofisinomias da flora nativa. Lavras: Editora da UFLA, 2008.

SOARES, C. P. B. et al. Dendrometria e inventário florestal. 2. ed. Viçosa: UFV, 2011.

SOARES, C. P. B. et al. Equações para estimar o estoque de carbono no fuste de árvores individuais e em plantios comerciais de eucalipto. Revista Árvore, Viçosa, v. 29, n. 5, p. 711-718, 2005.

SOARES, C. P. B.; OLIVEIRA, M. L. R. Equações para estimar a quantidade de carbono na parte aérea de árvores de eucalipto em Viçosa, Minas Gerais. Revista Árvore, Viçosa, v. 26, n. 5, p. 533-539, 2002.

SPURR, S. H. Forest inventory. New York: The Ronald Press: 1952.

STATSOFT INSTITUTE CORPORATION. Statistica for Windows: Version 8. Tulsa: OK, 2008.

THOMPSON, R. M. Estimativas de volume, biomassa e carbono para o carvoeiro (Sclerolobium paniculatum Vog. var. subvelutinum Benth.). 2009. 64 f. Dissertação (Mestrado em Ciência Florestal) – Universidade de Brasília, Brasília, 2009.

UNG, C. H., QUELLET, D. Stand volume tables. Application to black spruce of Lebel-sur-Quevillon. Forestry Chronicle, Mattawa, v. 67, n. 6, p. 712-715, 1991.

URBANO, E. et al. Equações para estimar o peso de carbono fixado em árvores de Mimosa scabrella Bentham (bracatinga) em povoamentos nativos. Cerne, Lavras, v. 14, n. 3, p. 194-203, 2008.

VANN, D. R. et al. Allometric equations for two South American conifers: Test of a non-destructive method. Forest Ecology and Management, Amsterdam, v. 106, n. 2-3, p. 55-71, 1998.

VELLOSO, H. P. et al. Classificação da vegetação brasileira, adaptada a um sistema universal. Rio de Janeiro: IBGE, 1991.

VIANELLO, R. L.; ALVES, A. R. Meteorologia básica e aplicações. 2. ed. Viçosa: Imprensa Universitária. 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509822758

Licença Creative Commons