Tratamentos pré-germinativos em sementes de cajá (Spondias mombin L.)

Cibele Chalita Martins, Givanildo Zildo da Silva, Laís Dezen Durigan, Roberval Daiton Vieira

Resumo


As sementes de cajá apresentam germinação lenta e desuniforme, pois o processo normalmente tem duração de seis meses e dois anos. Tal característica constitui-se em entrave para os viveiristas, pois onera os custos de produção e resulta em mudas com tamanhos diversos. O objetivo deste trabalho foi estabelecer técnicas e estratégias de seleção de sementes de cajá (Spondias mombin L.) que promovam ou acelerem a germinação. Para tanto, foram realizados dois experimentos. No primeiro, foram avaliadas sementes (nuculânios) de duas cores (bege e marrom) e quatro classes de tamanho (pequena, média-pequena, média-grande e grande) caracterizadas por meio do comprimento, largura e massa. No segundo experimento, as sementes classificadas quanto à cor (bege e marrom) foram submetidas ou não à aplicação de fungicida e à escarificação mecânica do endocarpo (base, ápice, lateral e sem escarificação mecânica). Os experimentos foram instalados em delineamento inteiramente casualizado com quatro repetições de 20 sementes, nos seguintes arranjos fatoriais: 4 x 2 (tamanho x cor) e 4 x 2 x 2 (escarificação x cor x fungicida). Avaliou-se a emergência de plântulas em areia, primeira contagem e o tempo médio da emergência. Em ambos os estudos, a emergência foi avaliada semanalmente, até os 730 dias. Concluiu-se que a seleção de sementes marrons e média-grandes (31 x 18 cm e 2,16 g) constituiu-se em uma estratégia eficiente para aumentar e acelerar a emergência de plântulas. O tratamento das sementes com fungicida (metalaxil-M+fludioxonil) foi prejudicial ao processo germinativo. A utilização de sementes marrons e escarificadas na lateral possibilitou a aceleração da germinação (tempo médio de 489 para 336 dias).

Palavras-chave


Dormência; Escarificação mecânica; Propagação

Texto completo:

PDF (English)

Referências


ALMEIDA, M. S. et al. Massa de sementes e profundidades de semeadura no desenvolvimento de mudas

de tamarindeiro. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 32, n. 2, p. 591-598, 2010.

ANTUNES, L. E. C. et al. Influência do substrato, tamanho de sementes e maturação de frutos na formação

de mudas de pitangueira. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 34, n. 4, p. 1216-1223, 2012.

AZEVEDO, D. M.; MENDES, A. M. S.; FIGUEIREDO, A. F. Característica da germinação e morfologia do endocarpo e plântula de taperebá (Spondias mombin L.) - Anacardiaceae. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 26, n. 3, p. 534-537, 2004.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instruções para análise de sementes de espécies florestais. Brasília: Secretaria Nacional de Defesa Agropecuária, 2013. 98 p.

BRASIL. Ministério da Agricultura e da Reforma Agrária. Regras para análise de sementes. Brasília: SNDA; DNDV; CLAV, 2009. 365 p.

BRITO NETO, J. F. et al. Emergência de plântulas e características morfológicas de sementes e plantas de umbuzeiro. Engenharia Ambiental, Espírito Santo do Pinhal, v. 6, n. 2, p. 224-230, 2009.

CARVALHO, J. E. U.; ALVES, R. M. Recursos genéticos de espécies do táxon Spondias na Amazônia Oriental. Spondias no Brasil: umbu, cajá e espécies afins. Recife: Empresa Pernambucana de Pesquisa Agropecuária; IPA; UFRPE, 2008. 180 p.

CARVALHO, J. E. U.; NASCIMENTO, W. M. O.; MÜLLER, C. H. Características físicas e de germinação de sementes de espécies frutíferas nativas da Amazônia. Belém: Embrapa; CPATU, 1998. 18 p. (Boletim de Pesquisa, 203).

CARVALHO, N. M.; NAKAGAWA, J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. 5. ed. Jaboticabal: FUNEP, 2012. 590 p.

CAVALCANTE, L. F. et al. Componentes qualitativos do cajá em sete municípios do brejo paraibano. Acta Scientiarum. Agronomy, Maringá, v. 31, n. 4, p. 627-632, 2009.

COSTA, N. et al. Efeito do estádio de maturação do fruto e do tempo de pré-embebição de endocarpos na germinação de sementes de umbuzeiro (Spondias tuberosa Arr. Câm.). Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 23, n. 3, p. 738-741, 2001.

FIRMINO, J. L.; ALMEIDA, M. C.; TORRES, S. B. Efeito da escarificação e da embebição sobre a emergência e desenvolvimento de plântulas de cajá (Spondias lutea L.). Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v. 19, n. 1, p. 125-128, 1997.

FRANÇA NETO, J. B.; HENNING, A. A.; YORINORI, J. T. Caracterização dos problemas de fitotoxicidade de plântulas de soja devido ao tratamento de sementes com fungicida Rhodiauram 500 SC, na safra 2000/01. Londrina: EMBRAPA Soja, 2000. 19 p. (Documentos 149).

GAMA, M. J. A. et al. Difusividade térmica aparente de sementes de cajá em temperaturas acima do congelamento até ultrabaixas temperaturas. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 16, n. 3, p. 303-308, 2012.

LABOURIAU, L. G.; VALADARES, M. E. B. On the germination of seeds Calotropis procera (Ait.) Ait.f. Anais da Academia Brasileira de Ciências, Rio de Janeiro, v. 48, n. 2, p. 263-284, 1976.

LOPES, I. S.; NÓBREGA, A. M. F.; MATOS, V. P. Maturação e colheita de sementes de Amburana cearenses (Allem.) A. C. Smith. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 24, n. 3, p. 565-572, 2014.

LOPES, P. S. N. et al. Superação da dormência de sementes de umbuzeiro (Spondias tuberosa, Arr. Câm.) utilizando diferentes métodos. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 31, n. 3, p. 872-880,

MARTINS, C. C. et al. Método de colheita e superação de dormência na qualidade fisiológica de sementes de Cassia ferrugínea. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, v. 33, n. 2, p. 491-498, 2012.

MARTINS, C. C. et al. Qualidade fisiológica de sementes de leiteiro (Peschiera fuchsiaefolia) em função do estádio de maturação dos frutos. Planta Daninha, Londrina, v. 22, n. 4, p. 539-544, 2004.

NAKAGAWA, J. Testes de vigor baseados no desempenho das plântulas. In: KRYZANOWSKI, F. C.;

VIEIRA, R. D.; FRANÇA NETO, J. B. (Ed.). Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES, 1999. p. 2-1-2-24.

POLTRONIERI, T. P. S.; AZEVEDO, L. A. S.; SILVA, D. E. M. Efeito da temperatura no crescimento micelial, produção e germinação de conídios de Colletotrichum gloeosporioides, isolados de frutos de palmeira juçara (Euterpe edulis Mart). Summa phytopathologica, Botucatu, v. 39, n. 4, p. 281-285, 2013.

SACRAMENTO, C. K.; SOUZA, F. X. Fruticultura tropical: espécies regionais e exóticas. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 2009.

SAMPAIO, S. A. et al. Postharvest respiratory activity and changes in some chemical constituents during maturation of yellow mombin (Spondias mombin) fruit. Food Science and Technology, Campinas, v. 27,

n. 3, p. 511-515, 2007.

SILVA, L. B. et al. Estádios de colheita e repouso pós-colheita dos frutos na qualidade de sementes de mamoneira. Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v. 31, n. 1, p. 50-59, 2009.

SOUZA, F. X. et al. Aspectos morfológicos da unidade de dispersão de cajazeira. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 35, n. 1, p. 215-220, 2000.

VALE, I.; COSTA, L. G. S.; MIRANDA, I. S. Espécies indicadas para a recomposição da floresta ciliar da sub-bacia do rio peixe-boi, Pará. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 24, n. 3, p. 573-582, 2014.

VIEIRA, F. A.; GUSMÃO, E. Efeitos de giberelinas, fungicidas e do armazenamento na germinação de sementes de Genipa americana L. (Rubiaceae). Cerne, Lavras, v. 12, n. 2, p. 137-144, 2006.

WAGNER JÚNIOR, A. et al. Germinação e desenvolvimento inicial de duas espécies de jabuticabeira em função do tamanho de sementes. Acta Scientiarum. Agronomy, Maringá, v. 33, n. 1, p. 105-109, 2011.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509821217

Licença Creative Commons