Manejo da vegetação sob linhas de transmissão de energia elétrica na Serra de Baturité.

Francisco Alisson da Silva Xavier, Teógenes Senna de Oliveira, Francisca Soares de Araújo, Vaneicia dos Santos Gomes

Resumo


Entre os impactos diretos causados pela instalação de redes elétricas sobre a vegetação e o solo ressaltam-se a fragmentação de trechos de mata, os efeitos de borda decorrentes da derrubada de áreas florestadas, o estabelecimento de corredores sob as linhas de transmissão de energia e a aceleração de processos erosivos do solo. Objetivou-se, no presente estudo, propor alternativas de manejo racional da cobertura vegetal de mata atlântica em áreas sob linhas de transmissão de energia elétrica (ALTEEs), instaladas na Serra de Baturité, Ceará. Foram selecionadas e delimitadas ALTEEs situadas na vertente barlavento e nos intervalos altitudinais abaixo de 600, entre 600 e 800 e acima de 800 metros, em redes de média (13,8 kV) e alta tensão (69 kV). Foram selecionadas e avaliadas áreas não-perturbadas, consideradas como referencial no estudo comparativo com as ALTEEs. Os resultados apontaram que o manejo da vegetação em áreas sob linhas de transmissão de energia deve considerar principalmente os seguintes aspectos: (1) o hábito de crescimento das espécies em áreas não-perturbadas; (2) a taxa de crescimento da vegetação; (3) ações distintas nas regiões imediatamente abaixo da rede elétrica, na faixa de servidão e acima da faixa de servidão. A execução do plano de manejo, associado às constantes avaliações técnicas, possibilitarão a adequação da metodologia para as diferentes situações ambientais da Serra de Baturité e/ou outras localidades.


Palavras-chave


rede elétrica; Floresta Atlântica; fitossociologia; diversidade

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, A.R.; FIEDLER, N.C.; PÁDUA, C. B. V. et al. Fatores econômicos relacionados à intervenção na vegetação para a implantação de linhas de transmissão no estado de Rondônia. Ciência Florestal, v.12, n.1, p. 153-158, 2002.

ANDRADE-LIMA, D. The Caatinga Dominium. Revista Brasileira de Botânica, v.4, n.2, p. 149-153, 1981.

BROWER, J.E.; ZAR, J.H.; von ENDE, C. N. Field and laboratory methods for general ecology. 4. ed. Boston: McGraw-Hill, 1998. 273 p.

CORRÊA, F. A. Reserva da Biosfera da Mata Atlântica: roteiro para o entendimento de seus objetivos e seu sistema de gestão. Brasília: Ministério do Meio Ambiente. Conselho Nacional do Meio Ambiente, Secretaria de Biodiversidade e Florestas: (Série Cadernos da Reserva da Biosfera, 2). 1995.

FIGUEIREDO, M. A.; BARBOSA, M. A. A vegetação e flora na serra de Baturité. Coleção Mossoroense. Série B, n.747. 1990.

FIGUEIREDO, M.A.; NUNES, L.E.C. Aspectos Florísticos dos remanescentes de Mata Atlântica no Ceará: Uma comparação com as áreas tradicionais de ocorrência no Brasil. In: REUNIÃO NORDESTINA DE BOTÂNICA, 1996, Natal, Rio Grande do Norte. Anais ... RN: Editora, 1996.

FUNCEME – Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos. Séries históricas. Disponível em: . Acesso em: 14 junho 2005.

JACOMINE, P.K.T.; ALMEIDA, J.C.; MEDEIROS, L.A.R. Levantamento exploratório-reconhecimento de solos do Estado do Ceará. Recife: EMBRAPA, DPP, SUDENE. 1973. 2v. 830 p. (Boletim Técnico, 28, Série Pedológica, 16).

KAGEYAMA, P.; GANDARA, F. B. Restauração e conservação de ecossistemas tropicais. In: CULLEN, L.; RUDRAN, R.; VALADARES-PÁDUA, C. (Org.). Métodos de estudos em biologia da conservação e manejo da vida silvestre. Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 2003. p. 383-395.

MANTOVANI, W. Conservação de biodiversidade: importância das serras úmidas no nordeste semi-árido brasileiro. In: OLIVEIRA, T. S. & ARAÚJO, F.S. (Org.). Diversidade e Conservação da Biota na Serra de Baturité, Ceará. Fortaleza: Edições UFC, COELCE, 2006. p. 3-15.

MORI, S. A.; BOOM, B. M.; CARVALHO, A. M. et al. Southern Bahians Moist Forest. The Botanic Review, v. 49, p. 155-232, 1983.

OLIVEIRA, R.R.; ZAÚ, A.S. Impactos da instalação de linhas de transmissão sobre ecossistemas florestais. Floresta e Ambiente, v. 5, p. 184-191, 1998.

PIETROBOM, M. R.; BARROS, I. C. L. Pteridófitas de um remanescente de floresta atlântica em São Vicente Férrer, PE, Brasil. Acta Botânica Brasílica, v. 16, p. 457-479, 2002.

SEBBENN, A.M.; SEOANE, C. E. S.; KAGEYAMA, P. Y. et al. Efeito do manejo na estrutura genética de populações de caixeta (Tabebuia cassinoides). Scientia Florestalis, v. 58, p. 127-143, 2000.

SEMACE – Superintendência Estadual do Meio Ambiente. Zoneamento ambiental da APA da Serra de Baturité: diagnóstico e diretrizes. Fortaleza: 1992. 109 p.

SITOE, A. Bases ecológicas para agronomia e silvicultura. Universidade Eduardo Mondlane, Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal. Versão 3.0. 94 p. 2003. Disponível em: .

TABARELLI, M.; MANTOVANI, W. Clareiras naturais e a riqueza de espécies pioneiras em uma floresta atlântica montana. Revista Brasileira de Biologia, v. 59, p. 251-261, 1999.




DOI: https://doi.org/10.5902/198050981967

Licença Creative Commons