A política florestal européia: um sonho ou uma realidade?

Christoph Aicher

Resumo


Mudanças nas políticas florestais na Europa servem como ponto de partida para refletir sobre conceitos e tendências práticas da política florestal em geral. A política florestal é definida como abrangendo os processos e as estruturas que produzem as relações entre sociedades e florestas. O artigo aponta que mudanças nas estruturas sociais e nos processos políticos afetam a percepção e as funções atribuídas às florestas na Europa. Argumenta que a conformação de redes políticas (policy-networks) integra mais agentes nos processos políticos e, também, transforma as relações entre as sociedades e florestas. Neste sentido, identifica algumas tendências gerais (1) com respeito aos agentes participantes, uma transnacionalização das relações; (2) uma globalização com respeito aos referenciais de interpretação de problemas e busca de soluções; e (3) uma "ambientalização", no sentido de que a importância das florestas é, cada vez mais, percebida como parte integrante do conjunto dos esforços para evitar riscos de catástrofes ambientais. Assim, argumenta que as mudanças ligadas à chamada europeização permitem reconhecer a existência de uma "política florestal da Europa".


Palavras-chave


política florestal; Europa; redes de política

Texto completo:

PDF

Referências


CUBBAGE, F. W.; O'LAUGHLIN, J.; BULLOCK III, C. S. Forest resource policy. New York: John Wiley & Sons. 1993.

EUROPEAN COMMISSION. 200 report on the forest condition in Europe (IP/00/1138) Brussels, 10. October 2000. Disponível em (http://europe.eu.int/comm/agriculture/fore/conrep/2000/exec_en.pdf) Acesso em: outubro de 2003.

GLÜCK, P. “Das Wertesystem der Forstleute.” Centralblatt für das gesamte Forstwesen, v. 104, n.1, p. 44-51, 1987.

HAJER, M. A.; WAGENAAR, H. Introduction. In: Deliberative policy analysis: Understanding governance in the network society. Hajer, M. A.; Wagenaar, H. (eds.). Cambridge: Cambridge Univ. Press, p. 1-30, 2003.

HEY, C. Umweltpolitik in Europa: Fehler, Risiken, Chancen; ein Greenpeace-Buch. München: C.H. Beck Verlag, 1994.

HOGL, K. “Europäisierung” der Forstpolitik? Thesen zu Auswirkungen auf das Akteursgefüge am Beispiel Österreichs. Vortrag zum IUFRO-Europa-Forum. Edenkoben, Forstverwaltung, 1999.

JACHTENFUCHS, M.; HUBER, M. Institutional learning in the European Community: The response to the greenhouse effect. In: European integration and environmental policy. Liefferink, J. D.; Lowe, P.; Mol, A. P. J. (eds.). London / New York: Belhaven Press, p. 36-58, 1993.

KOMMISSION DER EUROPÄISCHEN GEMEINSCHAFT. Bericht der Kommission an der Rat und das Europäische Parlament über die Anwendung der Verordnung (EWG) 2080/92 zur Einführung einer gemeinschaftlichen Beihilferegelung für die Aufforstungsmaßnahmen in der Landwirtschaft. Brüssel, 1997.

KRISHNASWAMY, A.; HANSON, A. (eds.). Our forest - Our future. Summary Report. World Commission on Forests and Sustainable Development. Winnipeg, 1999.

MAZEY, S.; RICHARDSON, J. Environmental groups and the EC: Challenges and the opportunities. In: Environmental policy in the European Union. Actors, institutions and processes. Jordan, A. (ed.). London: Earthscan Publication Ltd., p. 141-156, 2002.

SABATIER, P.; LOOMIS, J.; MCCARTHY, C. “Policy attitudes and decision within the Forest Service.” Journal of Forestry (January), p. 42-46, 1996.

SABATIER, P. A.; LOOMIS, J.; MCCARTHY, C. “Hierarchical controls, professional norms, local constituencies, and budget maximization: An analysis of US Forest Service planning decision.” American Journal of Political Science, v. 39, n.1, p. 204-242, 1995.

SANTOS, A. J. DOS “Contribuição para a formulação da política florestal brasileira.” Floresta. v. 23, n. 1/2, p. 63-73, 1995.

SODER, J. A União Européia. História - organização - funcionamento. São Leopoldo: Ed. Unisonos, 1995.

WORRELL, A. C. Principles of forest policy. New York: McGraw-Hill, 1970.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050981817