A utilização de instrumentos globais para a avaliação da resiliência a desastres na área da comunicação de risco

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/2316882X48550

Palavras-chave:

Comunicação. Gestão de Riscos. Scorecard. Indicador. Desastres.

Resumo

Este artigo busca compreender como a aplicação do instrumento global de resiliência, Disaster Resilience Scorecard for cities, pode ser utilizado para a comunicação de risco e desastres locais no Brasil. Para isso, o estudo é aplicado em três municípios paranaenses, sendo União da Vitória, Campo Largo e Primeiro de Maio.

Biografia do Autor

Larissa Maria da Silva Ferentz, Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, PR

Doutoranda e Mestra em Gestão Urbana pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR). Especialista em Gestão Ambiental de Empresas pela Faculdade Souza. Engenheira Ambiental pela PUCPR.

Murilo Noli da Fonseca, Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, PR

Mestrando em Gestão Urbana pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Especialista em Gestão Ambiental de Empresas pela Faculdade. Bacharel em Geografia pela Universidade Federal do Paraná.

Eduardo Gomes Pinheiro, Corpo de Bombeiros do Paraná, Curitiba, PR

Doutor e Mestre em Gestão Urbana pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Especialista em Emergências Ambientais e em Administração e Segurança Pública. Graduado em Segurança Pública pelo Curso de Formação de Oficiais Bombeiro Militar da Academia Policial Militar do Guatupê.

Carlos Mello Garcias, Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, PR

Doutor em Engenharia Civil pela Universidade de São Paulo, mestre em Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e Engenheiro Civil pela Universidade Federal do Paraná. Professor titular do Programa de Pós-Graduação em Gestão Urbana pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná.

Referências

BUBECK, P, BOTZEN, W.J.W., AERTS, J.C.J.H. A review of risk perceptions and other factors that influence flood mitigation behavior: review of flood risk perceptions. Risk Analysis, n.32, p.1481–1495, 2012.

DEMERITT, D., NORBERT, S. Models of best practice in flood risk communication and management. Environmental Hazards, n.13, p.313–328, 2014

FEKETE, A. Safety and security target levels: opportunities and challenges for risk management and risk communication. International Journal Disaster Risk Reduction, v.2, p.67–76, 2012.

HÖPPNER, C., BRÜNDL, M., BUCHECKER, M. Risk Communication and Natural Hazards. CapHaz project. Birmensdorf, Switzerland, 2012

INTERREG. Raising Flood Awareness and Self Efficacy - Framework to Develop and Implement a Successful Social Marketing Programme. 2013

IRGC. Risk governance: coping with uncertainty in a complex world: Routledge. 2017.

KELLENS, W., TERPSTRA, T., DE MAEYER, P. Perception and communication of flood risks: a systematic review of empirical research in risk analysis. Risk Analysis, v.33, p.24–49, 2012.

MEYER, V, KUHLICKE, C, LUTHER, J., FUCHS, S., PRIEST, S., DORNER, W. Recommendations for the user-specific enhancement of flood maps. Natural Hazards and Earth System Science, v.12, p.1701–1716, 2012.

OBERACKER, C., RIMBÖCK, A., MÜLLER, U. Hochwasserrisikokommunikation. WasserWirtschaft, v.12, p.25-29, 2018.

O'SULLIVAN, J. J., BRADFORD, R. A., BONAIUTO, M., DE DOMINICIS, S., ROTKO, P., AALTONEN, J. Enhancing flood resilience through improved risk communications. Natural Hazards and Earth System Sciences, v.12, p.2271-2282, 2012.

PARKER, D.J., PRIEST, S.J. The fallibility of flood warning chains: can Europe's flood warnings be effective? Water Resources Management, v.26, p.2927–2950, 2012.

PEREIRA, A.B., PAULA, A.S. Proteção Civil e Defesa Civil: Aspectos Históricos Normativos e Perspectivas para a Gestão Local. 1 ed. Rio de Janeiro: Publit Soluções Editoriais, v.1, 2015.

PING, N.S., WEHN, U., ZEVENBERGEN, C., VAN DER ZAAG, P. Towards two-way flood risk communication: current practice in a community in the UK, J. Water Climate Change, v.7, n.4, p.651–664, 2016

PLOUGH, A., SHELDON, K. The emergence of risk communication studies: social and political contexto. Science, Technology & Human Values, v.12, n.3/4, p.4-10, 1987.

SEIFERT, J. Hochwasserrisikokommunikation in einer großen Kommune am Beispiel Dresden. WasserWirtschaft, v.12, p.35-39, 2018.

SORIANO, E., HOFFMANN, W.A.M. A informação e o conhecimento no contexto da comunicação de risco de desastres naturais. Caderno Prudentino de Geografia, v.1, n.37, p.110-123, 2015

TERPSTRA, T, LINDELL, K, GUTTELING, J.M. Does communicating (flood) risk affect (flood) risk perceptions? Results of a quasiexperimental study. Risk Analysis, v.9, n.8, p.1141–1155, 2009.

UNDRR. United Nations Office for Disaster Risk Reduction. Disaster Resilience Scorecard for Cities: Detailed Level Assessment. Geneva: United Nations, 2017.

UNDRR. United Nations Office for Disaster Risk Reduction. Sendai Framework for Disaster Risk Reduction: 2015-2030. Geneva: United Nations, 2017.

Downloads

Publicado

2021-11-29

Como Citar

Ferentz, L. M. da S., Fonseca, M. N. da, Pinheiro, E. G., & Garcias, C. M. (2021). A utilização de instrumentos globais para a avaliação da resiliência a desastres na área da comunicação de risco. Cadernos De Comunicação, 25(2). https://doi.org/10.5902/2316882X48550

Edição

Seção

Artigos