Tecnologia digital na primeira infância? Investigando o uso do Youtube no contexto de uma creche

Ana Carla Clemente da Silva, Adriana Tenório Cordeiro

Resumo


Foi realizado um estudo de caso para investigar como se dá a relação entre crianças e uma creche no interior do Estado de Pernambuco no contexto de consumo de vídeos disponíveis no Youtube. Realizamos entrevista em profundidade com Diretora, grupo focal com professoras e coleta de diários virtuais escritos por mães das crianças. O estudo apontou que o Youtube é percebido como algo muito próximo ao cotidiano doméstico das crianças, podendo assim ser ferramenta de apoio pedagógico, não-substituto do ensino-aprendizagem presencial, como recurso que requer planejamento e uso acompanhado, à medida que, na visão das mães, a exposição excessiva ao Youtube pode oferecer riscos.


Palavras-chave


Educação Infantil, Tecnologia digital, Youtube.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, C; RESZKA, M. F. O brincar, as mídias e as tecnologias digitais na educação infantil. Universo acadêmico, Taquara, v. 9, n. 1, 2016. Disponível: https://www2.faccat.br/portal/sites/default/files/UA2016_o_brincar.pdf.Acesso em: 20 de set. 2019.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Edições 70, LDA, 1977.

BISSOLI, M. de F. DESENVOLVIMENTO DA PERSONALIDADE DA CRIANÇA: O PAPEL DA EDUCAÇÃO INFANTIL: Psicologia em Estudo. Maringá, Brasil: Redalyc.org, outubro/dezembro 2014. Universidade Estadual de Maringá. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=287135323003. Acesso em: 12 out. 2019.

BURGESS, J.; GREEN, J. Youtube e a Revolução Digital: Como o maior fenômeno da cultura participativa transformou a mídia e a sociedade. São Paulo: Aleph, 2009.

BUSTAMANTE, L. 75% das crianças gostam de ver vídeos no Youtube – e isso pode ser bom. [S. l.]: Veja, 15 jul. 2018. Disponível em: https://veja.abril.com.br/educacao/75-das-criancas-gostam-de-ver-videos-no-youtube-e-isso-pode-ser-bom/. Acesso em: 6 set. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Práticas Cotidianas na Educação Infantil: Bases para a reflexão sobre as orientações curriculares. In: BRASIL. Ministério da Educação. Projeto de Cooperação Técnica MEC e UFRGS para Construção de Orientações Curriculares para a Educação Infantil. Brasília, 2009.

_______. Ministério da Educação e do Desporto. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília, MEC/SEF, v.3, 1998.

_______. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial curricular nacional para a educação infantil Volume 1: Introdução; Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. Brasília, MEC/SEF, 1998.

_______. Conselho Nacional de Educação; Câmara de Educação Básica. Resolução nº 5, de 17 de dezembro de 2009. Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Diário Oficial da União, Brasília, 18 de dezembro de 2009, Seção 1, p. 18.

BRITO, T. A. Música. In: BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília, MEC/ SEF, v. 3, p. 45-79, 1998.

___________. Música na Educação Infantil. 2. ed. São Paulo: Peirópolis, 2003.

BROUGÈRE, G. Brinquedo e cultura. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

CARMO, C. P. et al. A LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO. XVIII EDUCERE CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Formação dos Professores: contexto, sentidos e Práticas, Curitiba/PR, p. 1-13, 2017.

CARVALHO, G. G. B. de; CORNÉLIO, M. L. A Utilização da Tecnologia na Educação Infantil. III CONEDU CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Cenários contemporâneos: a educação e suas multiplicidades, Natal - RN, p.1-6, 2016. Disponível em: http://www.editorarealize.com.br/revistas/conedu/trabalhos/TRABALHO_EV056_MD4_SA17_ID7414_13082016143840.pdf. Acesso em: 10 set. 2019.

CORRÊA, L. Seminário Criança e Tecnologia: Publicidade em Ambientes Digitais: Geração Youtube: um mapeamento sobre o consumo e a produção de vídeos no Youtube por crianças. [S. l.]: ESPM Media Lab, 2016. Disponível em: http://pesquisasmedialab.espm.br/wp-content/uploads/2016/10/Media-Lab_Luciana_Correa_2016.pdf . Acesso em: 16 set. 2019.

CIRIACO, D. Youtube é acessado por 95% população online brasileira, mostra relatório. [S. l.], 25 jul. 2017. Disponível em: https://www.tecmundo.com.br/internet/119776-youtube-insights-brasil.htm. Acesso em: 16 out. 2019.

CUNHA, J. Youtube: como é a TV que seus filhos assistem: As crianças brasileiras estão entre as que mais assistem a vídeos na internet. [S. l.], 2017. Disponível em: https://claudia.abril.com.br/sua-vida/youtube-como-e-a-tv-que-seus-filhos-assistem/. Acesso em: 15 out. 2019.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: método qualitativo, quantitativo e misto. 3ª ed.Tradução: Magda Lopes. Porto Alegre: Artmed, 2010

DIAS, P., BRITO, R. Crianças (0 aos 8 anos) e tecnologias digitais: um estudo qualitativo exploratório: relatório nacional: Portugal. coord. pelo Joint Reasearch Centre da Comissão Europeia. Lisboa: Centro de Estudos de Comunicação e Cultura, 2016. 90 p. Palma de Cima, Lisboa. Disponível em: http://cecc.fch.lisboa.ucp.pt/en/. Acesso em: 16 de set. 2019.

FAVA, R. Educação 3.0: aplicando o PDCA nas instituições de ensino. São Paulo: Saraiva, 2014.

FERREIRA, D. A importância da música na educação infantil. Rio de Janeiro, 2002. Disponível em: https://www.avm.edu.br/monopdf/6/DANIELLE%20FERREIRA.pdf. Acesso em: 12 out. 2019.

GOHN, M. da G.; STAVRACAS, I. O papel da música na Educação Infantil. vol. 12, núm. 2. ed. São Paulo: EccoS Revista Científica, julho/dez. 2010. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/715/71518580013.pdf. Acesso em: 12 out. 2019.

GREEN, J.; JENKINS, H.; FORD, S. Cultura da Conexão. São Paulo: Aleph, 2014.

KALINKE, M. A. Para não ser um professor do século passado. Curitiba: Gráfica Expoente, 1999.

KENSKI, V. M. Educação e Tecnologias: o novo ritmo da informação. 8ª ed. Campinas, SP: Papirus, 2012.

LEMOS, A. Cibercultura: alguns pontos para compreender a nossa época. Olhares sobre a cibercultura. Porto Alegre: Sulina, 2003.

LÉVY, P. Cibercultura. 1ª Edição. São Paulo: Editora 34 Ltda, 1999.

MARCONI, M.; LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisas, elaboração, análise e interpretação de dados. 8ª ed. São Paulo: Atlas, 2017.

MELO, José M. TOSTA, Sandra P. Mídia e Educação. Belo Horizonte: Ed. Autêntica, 2008.

NUNES, Sônia Maria Serrão. O vídeo na sala de aula: um olhar sobre essa ação pedagógica. Monografia - Curso de Especialização em Mídias na educação, Universidade Federal do Amapá, Macapá, 2012.

OSMAN, M. Estatísticas e Fatos Surpreendentes do YouTube (2º Site Mais Visitado). Disponível em: < https://kinsta.com/pt/blog/estatisticas-do-youtube/ > Acesso em: 14 abr. 2020.

PORTAL PED. OMS sugere tempo de tela para crianças até 05 anos. [S. l.], 27 jul. 2019. Disponível em: https://www.portalped.com.br/conteudo-especial/tecnologia/oms-sugere-tempo-de-tela-para-criancas-ate-05-anos/. Acesso em: 20 nov. 2019.

PICCININ, P. V. A intencionalidade do trabalho docente com crianças de zero a três anos na perspectiva histórico-cultural. Orientador: Cassiana Magalhães Raizer. 2012. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Pedagogia) - Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2012. Disponível em: http://www.uel.br/ceca/pedagogia/pages/arquivos/PRISCILA%20VANESSA%20PICCININ.pdf. Acesso em: 12 out. 2019.

SANTAELLA, L. Comunicação ubíqua: repercussões na cultura e na Educação. São Paulo: Paulus, 2013.

SANTOS, Vanessa Matos; ALBINO, João Pedro. In: Ambiente comunicacional digital: o esforço da interdisciplinaridade em busca da compreensão da diversidade comunicacional. [S. l.], 2006. Disponível em: https://www3.faac.unesp.br/anais-comunicacao/textos/36.pdf. Acesso em: 11 set. 2019.

STRAZZA, P. Consumo de vídeos online no Brasil cresceu 135% nos últimos 4 anos, diz estudo. [S. l.], 19 set. 2018. Disponível em: https://www.b9.com.br/96868/consumo-de-videos-online-no-brasil-cresceu-135-nos-ultimos-4-anos-diz-estudo/. Acesso em: 4 set. 2019.

VALENTE, L.; OSÓRIO, A. J. Recursos On-line Facilitadores da Integração das TIC na Aprendizagem das Crianças. Braga: Universidade Do Minho, 2007. Disponível em: http://www.valente.org.pt/downloads/artigos/recursos_siie_2006.pdf. Acesso em: 15 out. 2019.

VERA, Jacques Vigneron; OLIVEIRA, Barros. Sala de Aula e Tecnologias. UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO: Programa Metodista de Educação e Desenvolvimento, 2005. Disponível em: http://portal.metodista.br/atualiza/conteudo/material-de-apoio/didatico-pedagogico/livros/sala-de-aula-e-tecnologias. Acesso em: 6 ago. 2019.




DOI: https://doi.org/10.5902/2316882X47998

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Universidade Federal de Santa Maria - UFSM

Programa de Pós-Graduação em Comunicação

Departamento de Ciências da Comunicação

Cadernos de Comunicação

Av. Roraima, 1000 - Camobi  - Santa Maria - RS

Prédio 21, sala 5129 - Laboratório PUBLICA.

E-mail: cadernos@ufsm.br

ISSN Impresso: 1677-9061

ISSN Eletrônico: 2316-882X

Classificação Qualis-CAPES 2013-2016:

B4 - Comunicação e Informação

B2 - Linguística e Literatura

B2 - Educação

B2 - Planejamento Urbano e Regional / Demografia

B4 - Adminitração Pública de Empresas, Ciências Contáveis e Turismo

B4 - Direito

B4 - Sociologia

B4 - Ensino

B4 - Interdisciplinar

B5 - Geografia

Indexados em: Redib; Latindex; DOAJ; Sumários.org; Portcom;

e Diadorim;

DOI: HTTP://dx.doi.org/10.5902/

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.