Memórias Midiatizadas: a noção de ciência construída pelos indivíduos a partir do consumo midiático

Kênia Maia, Emily Gonzaga de Araújo

Resumo


Este artigo tem como objeto o fenômeno sociocultural da midiatização, entendido como a diluição das mídias no cotidiano do indivíduo, segundo as perspectivas de Fausto Neto (2008) e Sodré (2002). O fenômeno é visualizado a partir da recepção, isto é, dos sujeitos receptores. Destacamos o processo de consumo simbólico com o conteúdo midiático (Canclíni, 1999), mediante dinâmica de apropriação e ressignificação, proveniente do entrelaçamento dos significados propostos pela mídia com elementos extra-midiáticos, recuperados segundo as mediações de Barbero (2006). Consideramos ainda a dimensão da memória segundo Sarlo (2007) e Halbwachs (2004) para, por meio de discursos produzidos em seu âmbito, alcançarmos empiricamente a midiatização, e, imbricada a ela, as visões dos sujeitos sobre um recorte específico, o tema “ciência”.

 


Palavras-chave


Recepção. Midiatização. Consumo midiático.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5902/217549776999 ';





 

Apoio

Universidade Federal de Santa Maria

Programa de Pós-graduação em Comunicação

Animus recebe apoio financeiro do edital

PRÓ-REVISTAS 2019 nº 046/2019

 

ANIMUS - Revista Interamericana de Comunicação Midiática

e-mail: revistaanimus@ufsm.br

Classificação Qualis-CAPES: A3

Temática classificada CNPQ: Comunicação: 6.09.00.00-8

DOI: 10.5902/21754977

Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.


Indexada em:

Compartilhe Revista Animus