Os cegos e a publicidade: o papel das tecnologias assistivas em mensagens publicitárias

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/2175497766160

Palavras-chave:

Acessibilidade Digital, Tecnologia Assistiva, Publicidade Inclusiva.

Resumo

A publicidade é pensada para as pessoas cegas? Este estudo, de cunho teórico-metodológico, investiga se o uso das tecnologias assistivas é efetivo na propaganda digital, tendo como objetivo compreender se as tecnologias que dão suporte às pessoas cegas oferecem acessibilidade na publicidade. Trata-se de um estudo qualitativo por meio de entrevistas semiestruturadas idealizadas com base na literatura, aplicadas para 19 pessoas deficientes visuais. Quanto ao método utilizado foi o de Casos Múltiplos, sendo a análise dos dados coletados elaborada por meio da técnica de análise de conteúdo com base em Bardin (2010) e estruturada no software ATLAS.ti®. Os resultados apontam que as pessoas com deficiência visual encontram dificuldades para acessar conteúdos ou até realizar compras online, além de evidenciar que as propagandas não são pensadas para o público deficiente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvia Spagnol Simi dos Santos, Universidade do Oeste de Santa Catarina UNOESC

Doutora em Administração, Mestre em Ciências da Linguagem, MBA em Estratégias de Marketing, Especialista em Comunicação e Marketing, Especialista em Novas Mídias, Rádio e TV e Graduação em Publicidade e Propaganda. É professora da UNOESC. Tem experiência nas áreas de Estratégia, Desempenho, Marketing, Propaganda, Branding, Design Visual, Produção Gráfica, Semiótica e áreas afins. E-mail: silvia.simi@unoesc.edu.br | https://orcid.org/0000-0003-3897-1673. (Texto informado pelo autor)

Tainá Aparecida Martinelli, Universidade do Oeste de Santa Catarina UNOESC

Graduada em Publicidade e Propaganda pela Universidade do Oeste de Santa Catarina, UNOESC.

Referências

AMERICAN WITH DISABILITIES ACT TITLE III REGULATIONS. Nondiscrimination on the Basis of Disability by Public Accommodations and in Commercial Facilities. [S. l.], 1994. Disponível em: https://www.ada.gov/regs2010/titleIII_2010/titleIII_2010_regulations.pdf. Acesso em: 02 jun. 2020.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. 5. ed. Lisboa: Edições 70, 2010.

BARDIN, Nelma; MUNHOZ, Elzira. Educação ambiental comunitária: uma experiência com a técnica de pesquisa snowball (bola de neve). São Paulo, 2011. Disponível em: http://educere.bruc.com.br/CD2011/pdf/4398_2342.pdf. Acesso em: 01. nov. 2020.

BERSCH, Rita. Introdução à Tecnologia Assistiva. Porto Alegre: [s. n.], 2009. Disponível em: https://www.assistiva.com.br/Introducao_Tecnologia_Assistiva.pdf. Acesso em: 08 jun. 2020.

BRASIL. Acessibilidade no Brasil: uma visão histórica. São Paulo, 2005. Disponível em: http://www.prodam.sp.gov.br/multimidia/midia/cd_atiid/conteudo/ATIID2005/MR1/01/Acess ibilidadeNoBrasilHistorico.pdf. Acesso em: 01 jun. 2020.

BRASIL. Lei de acessibilidade - Decreto lei 5296. São Paulo, 2004. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil/_ato2004-2006/2004/decreto/d5296.htm. Acesso em: 01 jun. 2020.

BRASIL Ministério do Trabalho e Emprego. A Inclusão das pessoas com deficiência no mercado de trabalho. Brasília, DF: Secretaria de Inspeção do Trabalho, 2007.

BRAGA, Nívea Pimenta; OLIVEIRA, Rafael Morais de. Publicidade Inclusiva: cidadania no ato da compra. Brasília, DF, 2013.

BRUNO, Marilda Moraes Garcia; NASCIMENTO Ricardo Augusto Lins do. Política de acessibilidade: o que dizem as pessoas com deficiência visual. Porto Alegre, 2019.

CALDAS, Wagner Kirmse. Tecnologia assistiva e computacional: contribuições para o atendimento educacional especializado e desafios na formação de professores. Vitória, 2012.

CARVALHO, João Henrique Dourado. A publicidade nas redes sociais e a geração y: a emergência de novas formas de comunicação publicitária. Brasília, DF, [2010]. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/portal/panam/pdf/GT2_Art8_Joao.pdf. Acesso em: 24 set. 2020.

CONDE, Antônio João Menescal. Definição de cegueira e baixa visão. São Paulo, [2018?]. Disponível em: http://www.ibc.gov.br/images/conteudo/AREAS_ESPECIAIS/CEGUEIRA_E_BAIXA_VIS AO/ARTIGOS/Def-de-cegueira-e-baixa-viso.pdf. Acesso em: 24 out. 2020.

DIANA, Daniela. Linguagem Publicitária. Toda Matéria. [S. l.], 25 fev. 2011. Disponível em: https://www.todamateria.com.br/linguagem-publicitaria/. Acesso em: 24 set. 2020.

ELLIS, Katie; GOGGIN, Gerard. Disability media participation: opportunities, obstacles and politics. Media International Australia, Austrália, 2015.

GARCIA, Amanda; CARDOSO, João Batista Freitas. Composição visual na linguagem publicitária: a fronteira entre os sistemas off-line e online. Conexão – Comunicação e Cultura, UCS, Caxias do Sul, v. 11, n. 21, jan./jun. 2012.

GLAT, Rosana; PLETSCH, Márcia Denise. O papel da Universidade no contexto da política de Educação Inclusiva: Reflexões sobre a formação de recursos humanos e a produção de conhecimento. Revista Educação Especial, São Paulo, v. 23, n. 38, p. 345-358, 2010.

GODOI, Carlos; MATTOS, Paulo. Entrevista qualitativa: instrumento de pesquisa e evento dialógico. In: GODOI, Carlos; BANDEIRA, Ruan.; BARBOSA, Amanda. (org.). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais. São Paulo: Saraiva, 2006.

GRADAÍLLE, Rita; CARIDE, José Antônio. La accesibilidad en las realidades de la vida cotidiana: la pedagogía social en la construcción del derecho a una educación inclusiva. Archivos Analíticos de Políticas Educativas, São Paulo, 2016. Disponível em: http://epaa.asu.edu/ojs/article/view/2458. Acesso em: 24 out. 2020.

HUGGIES. Huggies lança campanha “Conhecendo Murilo”. [S. l.], 2015. Disponível em: https://www.clientesa.com.br/marketingderelacionamento/58007/huggies-lanca-campanha- conhecendo-murilo/ler.aspx. Acesso em: 20 set. 2020.

INSTITUTO BENJAMIN CONSTANT. Definindo a cegueira e a visão subnormal. Rio de Janeiro, 2015. Disponível em: http://www.ibc.gov.br/images/conteudo/AREAS_ESPECIAIS/CEGUEIRA_E_BAIXA_VIS AO/ARTIGOS/Def-de-cegueira-e-baixa-viso.pdf . Acesso em: 1 jun. 2020.

LEITE, Flávia Piva Almeida; LUVIZOTTO, Caroline Kraus. Participação, Acessibilidade Digital e a Inclusão da pessoa com deficiência. São Paulo, 2017.

LEITE, Flávia Piva Almeida; MEYER-PFLUG, Samantha Ribeiro. Acessibilidade digital: Direito fundamental para as pessoas com deficiência. 2. ed. Curitiba: Editora PUC, 2016.

LUZ, Arcelina Reis; PASQUALI, Cris Kemer Pandolpho. Tecnologia assistiva na educação escolar dos alunos com deficiência: auditiva, física, intelectual e visual. 2015. Trabalho de Conclusão de Curso (Estágio em Educação Especial 4) – Universidade do Oeste de Santa Catarina, Joaçaba, 2015. Disponível em: http://pergamum.unoesc.edu.br/pergamumweb/vinculos/00000a/00000a2f.pdf. Acesso em: 1 jun. 2020.

MACEDO, Claudia Mara Scudelari de. A imagem como veículo de acesso à informação em objetos de aprendizagem para deficientes visuais. São Paulo, 2013. Disponível em: infodesign.org.br/infodesign/article/view/197/139. Acesso em: 15 set. 2020.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia do Trabalho Científico. 7. ed. rev. e aum. São Paulo: Atlas, 2007.

MICHELAZZO, Paulino. Os benefícios da educação e da inclusão digital. A sociedade em rede. In: SILVEIRA, Sérgio Amadeu da, CASSINO, João (org.). Software livre e inclusão digital. São Paulo: Conrad Editora, 2003.

MONTEIRO, Mara; MONTEIRO, Angélica. Acessibilidade cognitiva para o letramento de jovens com deficiência intelectual. Arquivos Analíticos de Políticas Educativas, São Paulo, 2013. Disponível em: http://epaa.asu.edu/ojs/article/view/1326. Acesso em: 25 jun. 2020.

NAVARRO, Juliana Jobim. A inclusão social dos deficientes visuais e a publicidade brasileira: um breve panorama. 2012. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Publicidade e Propaganda) – Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2012. Disponível em: https://bdm.unb.br/bitstream/10483/4259/1/2012_JulianaJobimNavarro.pdf. Acesso em: 26 set. 2020.

OLIVEIRA, Gustavo. Português: a arte da palavra, 8o ano. São Paulo: Editora AJS, 2010. OSTROWER, Fayga. Criatividade e processos de criação. 15. ed. Petrópolis: Vozes, 1987.

RAMOS, André de Carvalho; FÁVERO, Eugênia Augusta Gonzaga. O direito à diferença na igualdade de direitos. In: CONGRESSO PAULISTA DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA, 1. 20202, São Paulo. Anais [...]. 2. ed. São Paulo: Artchip Editora Multimídia, 2002.

RODRIGUES, Sarah Victória Almeida. Percepções invisíveis: reflexões sobre a prática fotográfica de deficientes visuais, experiências e o trabalho antropológico. Brasília, DF, 2017. Disponível em: bdm.unb.br/handle/10483/. Acesso em: 15 set. 2020.

ROMÃO, Manoel Honório; COSME, Íria Caline Saraiva. Utilização de Softwares leitores de tela como coadjuvante no processo de aprendizagem de pessoas com deficiência visual. Rio Grande do Norte, 2010. Disponível em: www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article/view/556. Acesso em: 15 set. 2020.

SÁ, Elizabet Dias de; CAMPOS, Izilda Maria de; SILVA, Myriam Beatriz Campolina. Formação continuada a distância de professores para o atendimento educacional especializado: Deficiência Visual. Brasília, DF: Gráfica e Editora Cromus, 2007.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

URQUIZA, Marconi de Allbuquereque; MARQUES, Denilson Bezerra. Análise de conteúdo em termos de Bardin aplicada à comunicação corporativa sob o signo de uma abordagem teórico-empírica. Londrina, 2016. Disponível em: uel.br/revistas/uel/index.php/entretextos/article/view/20988. Acesso em: 24 out. 2020.

Downloads

Publicado

01-12-2023

Como Citar

Spagnol Simi dos Santos, S., & Martinelli, T. A. (2023). Os cegos e a publicidade: o papel das tecnologias assistivas em mensagens publicitárias. Animus. Revista Interamericana De Comunicação Midiática, 22(49). https://doi.org/10.5902/2175497766160

Edição

Seção

Artigos Livres