COMUNICAÇÃO COMO FERRAMENTA GOVERNAMENTAL: QUESTÕES MIGRATÓRIAS NA FRANÇA

Paula de Souza Paes

Resumo


Nossa proposta aborda a maneira pela qual as práticas infocomunicacionais nacionais e locais, a partir dos anos 80, são ferramentas governamentais que ajudam na institucionalização do problema da imigração e na estigmatização de jovens descendentes de imigrantes e dos habitantes de periferia. Para isso, nossa proposta analisa um caso específico de violência ocorrido em 2010 na Villeneuve, área residencial localizada na periferia de Grenoble, quando um grupo de moradores se confronta com a polícia após a morte de Karim Boudouda, descendente de imigrantes. O objetivo principal é demonstrar que o tratamento público da imigração visa localizar os “problemas” relacionados a esse tema, reforçando os aspectos convencionais relacionados a esse problema. Apresentada como expressão de abertura e de transparência do Estado em relação aos cidadãos, a comunicação pública em matéria de imigração manifesta, entretanto, a ação de regulação da esfera pública pelo Estado.


Palavras-chave


imigração; Comunicação Pública; Estigmatização; Periferia

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2175497725712 ';



 

Apoio

Universidade Federal de Santa Maria

Programa de Pós-graduação em Comunicação

Animus recebe apoio financeiro do edital

PRÓ-REVISTAS 2017 nº 11/2017

 

ANIMUS - Revista Interamericana de Comunicação Midiática

e-mail: revistaanimus@ufsm.br

Classificação Qualis-CAPES 2015: B1

Temática classificada CNPQ: Comunicação: 6.09.00.00-8

DOI: 10.5902/21754977

Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 


Indexada em:

Compartilhe Revista Animus