IDENTIDADE E A REPRESENTAÇÃO DO FEMININO EM JANE EYRE: RAZÃO, EMOÇÃO E OPRESSÃO

Karina Moraes Kurtz

Resumo


O presente artigo tem como objeto de análise o romance autobiográfico ficcional de Charlotte Brontë, Jane Eyre. O puritanismo e o moralismo religioso que divide a maneira de pensar da personagem principal, Jane, marca a culpa religiosa à qual a personagem é submetida durante sua vida. Os objetivos englobam apontar a repressão sexual feminina na era vitoriana, o modo como ocorre a formação de identidade da protagonista diante de um ambiente hostil e como o romance de Charlotte é ao mesmo tempo uma narrativa de resistência. Entre outros fatores primordiais para compreender a oscilação entre a intuição e os conceitos éticos que permeiam a formação de Jane, estão as alegorias presentes na narrativa, as referências bíblicas, as superstições e diversos símbolos. Este trabalho leva em consideração a importância de obras que evidenciam formas de resistência diante de regimes opressivos e autoritários em relação ao sexo feminino. Conclui-se que os estudos literários são primordiais como uma inesgotável fonte que produz críticas e denúncias de ideologias impostas como forma de controle social, principalmente através da religião e dos sistemas educacionais opressivos.


Palavras-chave


Autobiográfico. Opressão. Moralismo Religioso.

Texto completo:

PDF

Referências


ACTON, W. The functions and disorders of the reproductive organs. 1. ed. A. & J. Churchill: London, 1867.

AGUIAR, Vera T. (Org.); PEREIRA, Vera W. (Org.). Pesquisa em Letras. Porto Alegre: Edipucrs, 2007.

BRÖNTE, Charlotte. Jane Eyre. Tradução e notas: Doris Goettems. São Paulo: Landmark, 2016.

BEAUVOIR, Simone de. O Segundo Sexo: fatos e mitos. Tradução Sérgio Milliet. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 3ª ed (2016), 1949.

CANDIDO, Antonio. Vários Escritos. São Paulo: Duas Cidades, 1995.

EAGLETON, Terry. Teoria da literatura: uma introdução. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

ELLIS, Sarah. The Women of England, their social duties, and domestic habits. New York: D. APPLETON & CO, 1843.

HALL, Stuart. A Identidade cultural na pós-modernidade. Tradução Tomaz Tadeu da Silva & Guacira Lopes Louro. Lamparina, 2015.

MONTEIRO, Maria Conceição. Figuras errantes na época vitoriana : a preceptora, a prostituta e a louca. Fragmentos, v.8, nº1, p.61-71. Florianópolis, 1998.

ROSSI, Aparecido Donizete Rossi. Seria a pena uma metáfora do falo? A inquietante presença da mulher na literatura. Revista Ícone, Revista de letras, São Luís de Montes Belos, v.1, p.19-38, 2007.

TODOROV, T. A Literatura em Perigo. Tradução Caio Meira. Rio de Janeiro: DIFEL, 2007.




DOI: https://doi.org/10.5902/1516849239082

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores da revista L&C:

                                                                                          


Órgãos aos quais a revista L&C pertence:

 

                              

 

E-ISSN 2674-6921. Revista Qualis B3, área de Letras e Linguística, Classificações de Periódicos Quadriênio 2017-2020 (CAPES).