Formação e identidade de professores de línguas (estrangeiras)

Gabriela Quatrin Marzari

Resumo



Este trabalho apresenta uma discussão sobre a formação de professores de Línguas (Estrangeiras) (primeira parte) e as representações de professores de Inglês como Língua Estrangeira (ILE) sobre suas identidades profissionais (segunda parte). Sobre a formação pré-serviço especificamente, atento para o conseqüente despreparo desses profissionais frente às exigências de eventuais contextos de atuação, explicitando as origens desse problema e algumas estratégias para superá-lo. Três aspectos considerados preponderantes à formação pré-serviço de professores de línguas (estrangeiras) serão abordados nesse sentido. Quanto à questão da identidade, apresento a concepção de aprendizes e professores de Inglês como Língua Estrangeira sobre competência comunicativa e analiso as representações e posições identitárias desses sujeitos enquanto aprendizes e professores de língua estrangeira. A base teórica apóia-se na extensa discussão sobre formação de professores, visando à prática crítico-reflexiva para o ensino de línguas, nos pressupostos sócio-interacionistas/construtivistas vigotskianos e nas atuais investigações sobre representação e identidade de aprendizes e professores de Língua Inglesa. O presente estudo justifica-se principalmente pela crítica que faz à formação de meros reprodutores de técnicas de ensino, priorizando a formação reflexiva de professores de línguas.


Palavras-chave


Identidade; Formação; Professores; Língua Estrangeira

Texto completo:

PDF

Referências


BUZZO, A. M., BEATO, A. P. M., DALPASQUALE, M. D. (2003). Discutindo condutas investigativas na prática do professor de Lingua Estrangeira. In: GIMENEZ, T. (org.). Ensinando e aprendendo Inglês na universidade: formação de professores em tempos de mudança. Londrina: ABRAPUI.

CASTRO, S. T. R. (1999). A linguagem e o processo de construção do conhecimento: subsídios para a formação do professor de Inglês. Tese de Doutorado. São Paulo: PUC/SP.

CELANI, M. A. A. (1996) O perfil do educador do ensino de línguas: o que muda? Comunicação apresentada em mesa-redonda no I Encontro Nacional de Políticas de Ensino de Línguas Estrangeiras, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

CELANI, M. A. A. (1999) “You’ve snatched the carpet from my under feet”: courses as contexts for change in in-service language teacher education”. Trabalho apresentado em conferência plenária no Congresso da AILA, Tóquio.

CELANI, M. A. A. (2001). Ensino de Línguas Estrangeiras: Ocupação ou Profissão? In: LEFFA, V. (org.) O professor de Línguas Estrangeiras. Construindo a Profissão. Pelotas, EDUCAT.

CELANI, M. A. A. (2002). Culturas de Aprendizagem: Risco, Incerteza e Educação. In: MAGALHÃES, M. C. C. (org.) A Formação do professor como um profissional reflexivo: linguagem e reflexão. Campinas. Mercado de Letras.

CELANI, M. A. A., MAGALHÃES, M. C. C. (2002). Representações de professores de Inglês como Língua Estrangeira sobre suas identidades profissionais: uma proposta de reconstrução. In: MOITA LOPES, L. P. da., BASTOS, L. C. (orgs.). Identidades: recortes multi e interdisciplinares. Campinas: Mercado de Letras.

DONATO, R. (2000). Sociocultural contributions to understanding the foreign and second language classroom. In: LANTOLF, J. P. Sociocultural theories and second language learning. Oxford: Oxford University Press.

FREIRE, P. (1972/1987). Pedagogia do Oprimido. Paz e Terra.

FREIRE, P. (1996). Pedagogia da Autonomia: Saberes Necessários à Prática Educativa. São Paulo: Paz e Terra.

FREITAS, M. A. de. (2002). O movimento reflexivo subjacente a procedimentos de investigação da própria prática pelo professor de língua estrangeira. In: GIMENEZ, T. (org.). Trajetórias na formação de professores de línguas. Londrina: Editora UEL.

GEBHARD, J. G. (1992). Awareness of Teaching: Approaches, Benefits, Tasks. English Teaching Forum, v. 30, n.4, p. 2-7.

GÓMEZ, A. P. (1992/1995). Novos caminhos para o practicum. In: NÓVOA, Antônio. (coord.). Os professores e sua formação. Lisboa: Publicações Dom Quixote, pp. 93 - 114.

GRIGOLETTO, M. (2003). Um dizer entre fronteiras: o discurso de professores e futuros professores sobre a Língua Inglesa. Trabalhos em Lingüística Aplicada. Campinas, (41): 41: 39-50, Jan/Jun.

JORGE, M. L. dos Santos. (2003). O diálogo colaborativo e a reflexão crítica na formação de professores de Inglês. In: GIMENEZ, T. (org.). Ensinando e aprendendo Inglês na universidade: formação de professores em tempos de mudança. Londrina: ABRAPUI.

KENNEDY, M. (1990). Policy Issues in Teacher Education. East Lansing, Mich: National Center for Research on Teacher Learning.

LIBERALI, F. C. (1996). O Desenvolvimento Reflexivo do Professor. The ESPecialist, v. 17.1, pp. 19-37.

LIBERALI, F. C. (1999). O Diário como Ferramenta para a Reflexão Crítica. Tese de Doutorado. PUC/SP.

MAGALHÃES, M. C. C. (1997). O professor de línguas: um profissional reflexivo. Boletim APLIEPAR, ano VIII, 31.

MAGALHÃES, M. C. C. (2000). O Conceito de Representação. Manuscrito não publicado.

MAGALHÃES, M. C. C. (org.). (2002). A Formação do professor como um profissional reflexivo: linguagem e reflexão. Campinas. Mercado de Letras.

MAGALHÃES, M. C. C. (2002). O professor de línguas como pesquisador de sua ação: a pesquisa colaborativa. In: GIMENEZ, T. (org.). Trajetórias na formação de professores de línguas. Londrina: Editora UEL.

MOITA LOPES, L. P. da. (1996). Interação na Sala de Aula de Língua Estrangeira: a Construção do Conhecimento. In: MOITA LOPES, L. P. Oficina de Lingüística Aplicada: a Natureza Social e Educacional dos Processos de Ensino/Aprendizagem de Línguas. Campinas. Mercado de Letras.

MOITA LOPES, L. P. da. (1996). Oficina de lingüística aplicada: a natureza social dos processos de ensino-aprendizagem de línguas. Campinas, SP: Mercado de Letras.

MOITA LOPES, L. P. da. (1996). Oficina de Lingüística Aplicada. Campinas. Mercado de Letras.

MOITA LOPES, L. P. da., BASTOS, L. C. (orgs.). (2002). Identidades: recortes multi e interdisciplinares. Campinas, SP: Mercado de Letras.

MOITA LOPES, L. P. da. (2002a). Identidades Fragmentadas. A construção discursiva de raça, gênero e sexualidade na escola. Campinas: Mercado de Letras.

MOITA LOPES, L. P. da. (org.). (2003). Discurso de Identidades. Campinas, SP: Mercado de Letras.

NASCIMENTO DE PAULA, M. (2001). Formação de Professores na Universidade: um espaço em construção. Dissertação de Mestrado. PUC/SP.

OLIVEIRA, A.C.B. (1996) Qual a sua formação, professor? Papirus Editora.

PAGEL, D. (2002). O ensino da língua estrangeira e o contexto brasileiro. In: COSTA, M. J. D., ZIPSER, M. E., ZANATTA, M. E., MENDES, A. (orgs.). Línguas: ensino e ações. Florianópolis: UFSC/NUSPPLE.

RAJAGOPALAN, K. (2001a). ELT classroom as an arena for identity clashes. In: GRIGOLETTO, M., CARMAGNANI, A. M. G. (eds.). English as a Foreign Language: Identity, Practices, and Textuality. São Paulo, Brazil: Humanitas.

RAJAGOPALAN, K. (2003). Por uma lingüística crítica: linguagem, identidade e a questão ética. São Paulo: Editora Parábola, 2003.

RAJAGOPALAN, K. (no prelo). Non-native speaker teachers of English and their anxieties: ingredients for an experiment in action research. In: ILURDA, E. (org.). Non-native language teachers: empirical perspectives. Editora Kluwer, Dordrecht.

RICHARDS, J. C. (1990). The dilemma of teacher education in second language teaching. In: RICHARDS, J. C. E NUNAN, D. (Ed.). Second Language Teacher Education. Cambridge: Cambridge University Press.

SCHÖN, D. A. (1983). The reflective Practitioner. London: Temple Smith.

SCHÖN, D. A. (1987). Educating the Reflective Practioner. New York: Collier Books.

SCHÖN, D. A. (1992/1995) Formar professores como profissionais reflexivos. In: NÓVOA, Antônio.(coord.). Os professores e sua formação. Lisboa: Publicações Dom Quixote.

SCHÖN, D. A. (2000). Educando o profissional reflexivo – um novo desafio para a aprendizagem. Trad. Roberto Cataldo da Costa – Porto Alegre, RS: Artes Médicas Sul.

SWAIN, M. Collaborative Dialogue: The contribution to Second Language Learning. Plenary paper presented at the Annual AAAL Conference, Long Beach, California, March, 1985.

TELLES, J. A. (1999). A trajetória narrativa: histórias sobre a formação do professor de línguas e sua prática pedagógica. Trabalhos em Lingüística Aplicada. Campinas, (34):79-92, jul./dez.

VERITY, D. P. (2000). Side affects: the strategic development of professional satisfation. In: LANTOLF, J. P. Sociocultural theories and second language learning. Oxford: Oxford University Press.

VIEIRA-ABRAHÃO, M. H. (1992). Prática de Ensino e o Estágio Supervisionado como Foco de Pesquisa na Formação do Professor de LE. Contexturas: Ensino Crítico de Língua Estrangeira. (1): 49-54.

VIEIRA-ABRAHÃO, M. H. (1996) Conflitos e Incertezas do Professor de Língua Estrangeira na Renovação de sua Prática de Sala de Aula. Tese de Doutorado. UNICAMP.

VIEIRA-ABRAHÃO, M. H. (2002). Teoria e prática na formação pré-serviço do professor de língua estrangeira. In: GIMENEZ, T. (org.). Trajetórias na formação de professores de línguas. Londrina: Editora UEL.

VYGOTSKY, L. S. (1930). Interaction between learning and development. In: M. COLE, V. JOHN-STEINER, S. SCRIBNER e E. SOUBERMAN (orgs.). Mind in society. Cambridge. Cambridge University Press. (1978).

VYGOTSKY, L. S. (1934). Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, (1987).

VYGOTSKY, L. S. (1978). Mind in Society. Londres: Harvard University Press.

WALLACE, M. (1991). Training Foreign Language Teachers: a reflective approach. Cambridge: Cambridge University Press.

WERTSCH, J. (1998). Vygotsky and Bakhtin on community. Department of Education, Washington University, mimeo.

ZEICHNER, K. M.; LISTON, D. P. (1987). Teaching Student Teachers to Reflect. Harvard Educational Review, v. 57, n.1, p. 23-48.

ZEICHNER, K. M. (1992/1995). Novos caminhos para o practicum. In: NÓVOA, Antônio. (coord.). Os professores e sua formação. Lisboa: Publicações Dom Quixote.

LOPES, M. A. B. A análise do discurso do professor: um instrumento para reflexão. lael.pucsp.br/intercambio/06brandaolopes.ps.pdf. Disponível em dez./03.

UCHÔA, K. C. A. (2001). Construtivismo em Vygotsky. http://www.comp.ufla.br/~kacilene/educacao/vygotsky.html. Disponível em dez./03.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1516849230363

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores da revista L&C:

                                                                                          


Órgãos aos quais a revista L&C pertence:

 

                              

 

E-ISSN 2674-6921. Revista Qualis B3, área de Letras e Linguística, Classificações de Periódicos Quadriênio 2017-2020 (CAPES).