Literatura e resistência: a força da quebrada diante dos silenciamentos do campo literário

Autores

  • Marina Du bois e Souza UFMG

DOI:

https://doi.org/10.5902/1679849X68014

Palavras-chave:

Silenciamentos, Campo literário, Literatura marginal, Cooperifa, Coletivoz

Resumo

A partir do levantamento realizado por Regina Dalcastagnè sobre o perfil do escritor brasileiro, pretende-se problematizar os silenciamentos e critérios de elegibilidade do campo literário, que culminam numa produção literária majoritariamente branca, heterossexual e masculina. Esta prevalência resulta numa adjetivação de literaturas que não se enquadram nesse padrão -literatura feminina, negra, indígena, LGBT, marginal e periférica-, na medida em que se pressupõe como universal a literatura canônica. Dialogando com as problematizações levantadas por Dalcastagnè, no segundo momento, o artigo trabalhará com os movimentos de resistência da literatura marginal, que abre vão a despeito do circuito de publicação das grandes editoras. Serão analisados brevemente dois saraus de importância emblemática nesse processo de descentralização, a Cooperifa em São Paulo e o Coletivoz em Belo Horizonte, que fazem circular a força da literatura marginal em suas escrevivências.

 

Biografia do Autor

Marina Du bois e Souza, UFMG

Doutoranda em Teoria da Literatura e Literatura Comparada pela UFMG, Mestre em Literatura, Cultura e Tecnologia pelo programa de Estudos de Linguagens do CEFET-MG (2020). Membro do grupo de pesquisa ATLAS.  

Referências

AZEVEDO, José Fernando Peixoto de. Eu, um crioulo. São Paulo: n-1 edições, 2018.

BOURDIEU, Pierre. As regras da arte: gênese e estrutura do campo literário. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

BRANDILEONE, Ana Paula Franco Nobile. Literatura marginal: o lugar e a voz da crítica literária. Abralic, p.1591-1602.2016. Disponível em: <https://abralic.org.br/anais/arquivos/2016_1491262475.pdf>. Acesso em:10 ago. 2021.

CANDIDO, Marcos. Após 20 anos, o ativista, empreendedor e escritor Ferréz publicará em uma grande editora. Mas nem precisava. Ecoa uol. 08 fev. 2020. Disponível em: <https://www.uol.com.br/ecoa/reportagens-especiais/causadores-ferrez/#page2>. Acesso em: 23 ago.2021.

COLETIVOZ. Coletivoz: sarau da periferia. Disponível em: <https://coletivoz.blogspot.com/p/historia.html />. Acesso em: 18 ago.2021.

COOPERIFA. Sarau da Cooperifa. Disponível em: <https://cooperifa.com.br>. Acesso em: 18 ago.2021.

DALCASTAGNÈ, Regina. Literatura Brasileira Contemporânea: território contestado. Vinhedo, SP: Editora Horizonte, 2012.

DALCASTAGNÈ, Regina. Quem é e sobre o que escreve o autor brasileiro. Entrevista a Amanda Massuela. Cult, ano 20, n. 231, p. 14-19, 2018. Disponível em: <https://revistacult.uol.com.br/home/quem-e-e-sobre-o-que-escreve-o-autor-brasileiro/>. Acesso em: 21 jul. 2021.

EBLE, Taís Aline; LAMAR, Adolfo Ramos. A literatura marginal/periférica: cultura híbrida, contra-hegemonia e a identidade cultural periférica. Especiaria -Cadernos de Ciências Humanas. v. 16, n. 27, p. 193-212, jul./dez. 2015.

FERNANDES, Sarah. Sérgio Vaz, criador da Cooperifa: A periferia é um país. Rede Brasil Atual. Edição 121. 12 de set. 2016. Disponível em: <https://www.redebrasilatual.com.br/revistas/2016/09/a-periferia-e-um-pais-2631/>. Acesso em:20 ago.2021.

JESUS, Felipe de. Coletivoz lança livro para comemorar 10 anos de Literatura Marginal em Belo Horizonte. Culturaliza BH. Belo Horizonte, 13 fev.2020. Disponível em: <https://culturalizabh.com.br/index.php/2020/02/13/coletivoz-lanca-livro-para-comemorar-10-anos-de-literatura-marginal-em-belo-horizonte/>. Acesso em: 18 ago. 2021.

MOREIRA, Renata. A literatura marginal como alternativa ao fechamento editorial no brasil de 1970 e breve revisão de sua recepção crítica. Interfacis, Belo Horizonte, v. 2, n. 1, p. 01-13.2016. Disponível em: . Acesso em: 20 ago. 2021.

NASCIMENTO, Érica Peçanha do. Depois que os escritores da periferia entraram em cena. In: NASCIMENTO, Érica Peçanha do. É tudo nosso! Produção cultural na periferia paulistana. Tese, São Paulo: Universidade de São Paulo, 2011, p. 101-112. Disponível em: <https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8134/tde-12112012-092647/pt-br.php>. Acesso em: 17

ago. 2021.

NASCIMENTO, Jorge Luiz do. Violência policial, racismo e resistência: notas a partir da MPB. In: VERMES, Mônica; SODRÉ, Paulo Roberto; SALGUEIRO, Wilberth (orgs.). Entre literatura e música. Vitória, ES: EDUFES, 2019, p. 71-98.

RESENDE, Beatriz. Poéticas do contemporâneo. Rio de Janeiro: E-galáxia, 2017.

RUFFATO, Luiz. Alguns apontamentos sobre a literatura brasileira contemporânea. Conexões. Itaú Cultural, 2013. Disponível em: <https://conexoesitaucultural.org.br/biblioteca/alguns-apontamentos-sobre-a-literatura-brasileira-contemporanea/>. Acesso em: 20 ago.2021.

TV BRASIL. Literatura marginal na década de 1970 e nos dias de hoje. Youtube, 09 de maio de 2017. Disponível em:<https://www.youtube.com/watch?v=2_35S2kUNro >. Acesso em: 18 ago. 2021.

Downloads

Publicado

2021-12-29 — Atualizado em 2022-01-13

Versões

Como Citar

Souza, M. D. bois e. (2022). Literatura e resistência: a força da quebrada diante dos silenciamentos do campo literário. Literatura E Autoritarismo, (38). https://doi.org/10.5902/1679849X68014 (Original work published 29º de dezembro de 2021)