O “tourbillon” social: a representação da cidade moderna na poesia de Allen Ginsberg e Roberto Piva

Patrícia Lochini, Paulo Andrade

Resumo


A desordem quantitativa que caracteriza a modernidade, personificada pelo ambiente urbano, afeta a subjetividade dos indivíduos que nela estão inseridos, e, consequentemente, as suas relações, que sofrem com a alienação dos sentimentos. O pensamento romântico do século XIX, como crítica à realidade burguesa, expõe o vazio existencial do sujeito que se sente desajustado à vida moderna. E no século XX esse espírito ainda ilumina a mente dos poetas, que continuam na busca por formas de se colocar em oposição à desumanização do homem. Desta forma, este artigo tem como objetivo refletir, por meio da análise comparativa, como a poesia da segunda metade do século XX encena o sentimento de revolta, romântico por excelência, à cidade como ambiente de alienação, partindo dos modernistas da década de 50, representados pelo poeta beatnik norte-americano Allen Ginsberg, para compreender os modernistas da década de 60, representados pelo poeta brasileiro Roberto Piva.


Palavras-chave


Modernidade; Cidade; Romantismo; Resistência; Poesia Moderna; Geração Beat

Texto completo:

PDF p. 49-64

Referências


ANDRADE, Oswald de. Obras Completas VI: Do Pau-Brasil à Antropofagia e às Utopias. 2 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

ARRIGUCCI JR., Davi. O guardador de segredos. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

BENJAMIN, Walter. Baudelaire e a modernidade. Ed. e trad. João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

BENJAMIN, Walter. On Hashish. Trad. Howard Eiland. Cambridge: Harvard University Press, 2006.

BERMAN, Marshall. Tudo o que é sólido desmancha no ar: A aventura da modernidade. Trad. Carlos Felipe Moisés e Ana Maria L. Ioriatti. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

BLAKE, William. O matrimônio do Céu e do Inferno; O livro de Thel. Trad. José Antônio Arantes. São Paulo: Iluminuras, 1987.

CANDIDO, Antonio. Romantismo, negatividade, modernidade. Anuario del Colegio de Estudios Latinoamericanos. Universidad Nacional Autónoma de México. Vol. 01, 2006, p. 137-141.

COHN, Sergio. (Org.). Encontros: Roberto Piva (Entrevistas). Rio de Janeiro: Azougue, 2009.

ECO, Umberto. Obra aberta: forma e indeterminação nas poéticas. Trad. Giovanni Cutolo. São Paulo : Perspectiva, 1991.

FRYE, Northrop. Anatomia da Crítica. Trad. Péricles Eugênio da Silva Ramos. São Paulo: Cultrix, 1973.

GINSBERG, Allen. Deliberate Prose: Selected Essays 1952-1995. New York: Harper Collins, 2000.

GINSBERG, Allen. Howl and other poems. Mansfield Centre: Martino Publishing, 2014.

GINSBERG, Allen. Uivo, Kadissh e outros poemas. Trad. Claudio Willer. Porto Alegre: L&PM, 2010.

HUNGRIA, C; D’ELIA, R. Os dentes da memória – Piva, Willer, Franceschi, Bicelli e uma trajetória paulista de poesia. Rio de Janeiro: Azougue, 2011.

LÖWY, Michael. A estrela da manhã: surrealismo e marxismo. Trad. Eliana Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

LÖWY, Michael. Walter Benjamin – Aviso de incêndio: uma leitura das teses “Sobre o conceito de história”. São Paulo: Boitempo, 2005.

LÖWY, M; SAYRE, R. Revolta e melancolia: o romantismo na contracorrente da modernidade. Trad. Nair Fonseca. 1 ed. São Paulo: Boitempo, 2015.

PAZ, Octavio. O arco e a lira. Trad. Ari Roitman e Paulina Wacht. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

PAZ, Octavio. Os filhos do barro: do romantismo à vanguarda. Trad. Ari Roitman e Paulina Wacht. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

PEIXOTO, Nelson Brissac. “Cidades desmedidas”. In: NOVAES, Adauto (Org.). A crise da razão. São Paulo: Companhia das Letras, 1996, pp. 519-534.

PIVA, Roberto. Paranoia. São Paulo: Instituto Moreira Salles, 2000.

SIMMEL, Georg. As grandes cidades e a vida do espírito (1903). Mana. Rio de Janeiro. Vol.11, n.2, oct. 2005.

SPITZER, Leo. “La enumeración caótica en la poesía moderna”. In: Leo Spitzer. Linguística e historia literaria. 2 ed. Madrid: Editorial Gredos, 1989, pp. 247-291.

WISNIK, José Miguel. “Iluminações profanas (poetas, profetas, drogados)”. In: NOVAES, Adauto (Org.). O olhar. São Paulo: Companhia das Letras, 1988, pp. 283-299.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1679849X38447

 

CONTATO:

E-mail: revista.la.ufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Prédio 16 - Centro de Educação - PPG Letras
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8477

Link: https://periodicos.ufsm.br/LA


ISSN: 1679-849X

DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1679849X

Qualis/Capes: Linguística e Literatura B2


Periodicidade – Semestral

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

     

 

http://mjl.clarivate.com/cgi-bin/jrnlst/jlresults.cgi?PC=EX&Full=*Literatura%20e%20Autoritarismo

Resultado de imagem para DOAJ

https://doaj.org/toc/1679-849X

https://www.latindex.org/latindex/ficha?folio=19485

http://diadorim.ibict.br/handle/1/1018

 

 

http://oaji.net/journal-detail.html?number=6577

http://ezb.uni-regensburg.de/searchres.phtml?bibid=AAAAA&colors=7&lang=de&jq_type1=QS&jq_term1=Literatura+e+Autoritarismo

 

https://dbh.nsd.uib.no/publiseringskanaler/erihplus/periodical/info.action?id=491293

BASE Logo

https://www.base-search.net/

http://journalseeker.researchbib.com/view/issn/1679-849X

https://www.worldcat.org/title/literatura-e-autoritarismo/oclc/1002237522&referer=brief_results

https://scholar.google.com.br/citations?user=cnXbenUAAAAJ&hl=pt-BR

 

https://www.tib.eu/en/search/id/TIBKAT%3A894744321/Literatura-e-autoritarismo/

https://thekeepers.org/journals/1679-849X?page=1&query=Literatura+e+Autoritarismo

 

http://www.i2or.com/8.html (Nr. 763)

https://index.pkp.sfu.ca/index.php/browse/index/2374

http://miar.ub.edu/issn/1679-849X

https://clasificacioncirc.es/resultados_busqueda?_pag=1&_busqueda2=Literatura%20e%20Autoritarismo

https://reseau-mirabel.info/revue/6394/Literatura_e_autoritarismo