Repressão, retórica e poder - As mulheres, os clérigos e a fogueira: uma leitura semiológica da protagonista Branca Dias de O santo inquérito, de Dias Gomes

Francisco de Souza Gonçalves

Resumo


O presente artigo visa a analisar os semas de Branca Dias, personagem
emblemática de O Santo Inquérito, obra prima do dramaturgo Dias Gomes. A semiologia, isto é, estudo do sema é uma nova forma de leitura do teatro, modalidade que, no século XX, teve sua perspectiva modernizada e modificada, juntamente com todos os campos da arte. Os feixes sígnicos apresentam-se como utilíssimas ferramentas para uma visão mais global da arte dramatúrgica: aqui, o aprofundamento investigativo dar-se-á nos signos constitutivos de Branca Dias e daqueles que a circundam, pesquisando como essa interação nos fornece um panorama de "repressão" ao feminino jacente na obra. Polêmica, a obra de Gomes nos evoca não só a Inquisição européia de fins da Idade Média, mas também o contexto em que foi escrita: a ditadura militar brasileira. É uma pesquisa conjugada de texto (discurso), contexto (histórico, sócio-político), rubrica, constituição das personagens insertas na trama, enredo e outros elementos que, conjugados, promovem a ação dramatúrgica, o fim último do texto teatral.

Palavras-chave


Repressão; Teatro; Personagens femininas; Literatura brasileira

Texto completo:

PDF

Referências


ABDALA JR., Benjamin. Introdução à análise da narrativa. São Paulo: Scipione, 2005.

BLOCH, Howard. Misoginia Medieval a Invenção do Amor Atual. São Paulo: 34, 1995.

CÂNDIDO, Antonio (et al.). A personagem de ficção. São Paulo: Perspectiva: 1968.

DUBY, Georges; ARIÈS, Philippe (orgs.). História da vida privada: da Europa Feudal à Renascença. 7. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

DUBY, Georges. Eva e os Padres. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

__________. Guerreiros e Camponeses. Lisboa: Estampa, 1993.

FALBEL, Nachman. Heresias Medievais. São Paulo: Perspectiva, 2007.

FLORENTINO, Adilson. As relações do conhecimento no campo teatral: crônica de enfrentamento entre arte e ciência. In: IV Reunião Científica de Pesquisa e Pós-Graduação em Artes Cênicas, s.d., Rio de Janeiro, UNIRIO.

FRANCO Jr., Hilário. Idade Média no Ocidente. São Paulo: Brasiliense, 2006.

GOMES, Dias. O Santo Inquérito. Rio de Janeiro: Ediouro, 1996.

___________. O Santo Inquérito. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1985.

___________. O que sabemos e o que pensamos das personagens. In GOMES, Dias. O Santo Inquérito. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1985.

GONÇALVES, Francisco. A Imagem Precursora da Bruxa em A Demanda do Santo Graal. In: VEREDAS DA HISTÓRIA. Revista Eletrônica de Estudos Históricos, 2, Petrópolis, 2009. Disponível em .

GINZBURG, Carlo. O queijo e os vermes: o cotidiano e as idéias de um moleiro perseguido pela inquisição. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

GUINSBURG, J (et al.). Semiologia do Teatro. São Paulo: Perspectiva, 2006.

KOWZAN, Tadeusz. Os signos no Teatro in A Semiologia do Teatro. São Paulo: Perspectiva, 2006.

MALEVAL, Maria do Amparo. Representações diabolizadas da Mulher em Textos Medievais in DAVID, Sérgio Nazar (org.). As mulheres são o diabo. Rio de Janeiro: Eduerj, 2004.

MICHALSKY, Yan. Prefácio in GOMES, Dias. O Santo Inquérito. Rio de Janeiro: Ediouro, 1996.

MOORE, Robert. La Formación de Una Sociedad Represor: Poder y Disidencia en La Europa Occidental. Barcelona: Crítica, 1989.

MURARO, Rose Marie. Textos da Fogueira. Brasília: Letra Viva, 2000.

RYNGAERT, Jean-Pierre. Introdução a Análise do Teatro. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

SILVA, Maria Célia. Branca a caminho da Fogueira: uma história se repete. In: Revista Espaço Acadêmico, 61, Rio de Janeiro, junho de 2006. Disponível em . Acesso em: 18/12/2010.

SCHMIDT, Arnaud. Introdução in GOMES, Dias. O Santo Inquérito. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1997.

SILVA, Andréia C. L. Frazão. Reflexões sobre o uso d categoria gênero nos estudos de História Medieval no Brasil (1990-2003) In:

. Acesso em 22 DEZ 2008.

SPRENGER, James; KRAMER, Heinrich. Malleus Maleficarum – O Martelo das Bruxas. 7. ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1991.

UBERSFELD, Anne. Para Ler o Teatro. São Paulo: Perspectiva: 2005




DOI: https://doi.org/10.5902/1679849X30665

 

CONTATO:

E-mail: revista.la.ufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Prédio 16 - Centro de Educação - PPG Letras
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8477

Link: https://periodicos.ufsm.br/LA


ISSN: 1679-849X

DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1679849X

Qualis/Capes: Linguística e Literatura B2


Periodicidade – Semestral

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

     

 

http://mjl.clarivate.com/cgi-bin/jrnlst/jlresults.cgi?PC=EX&Full=*Literatura%20e%20Autoritarismo

Resultado de imagem para DOAJ

https://doaj.org/toc/1679-849X

https://www.latindex.org/latindex/ficha?folio=19485

http://diadorim.ibict.br/handle/1/1018

 

 

http://oaji.net/journal-detail.html?number=6577

http://ezb.uni-regensburg.de/searchres.phtml?bibid=AAAAA&colors=7&lang=de&jq_type1=QS&jq_term1=Literatura+e+Autoritarismo

 

https://dbh.nsd.uib.no/publiseringskanaler/erihplus/periodical/info.action?id=491293

BASE Logo

https://www.base-search.net/

http://journalseeker.researchbib.com/view/issn/1679-849X

https://www.worldcat.org/title/literatura-e-autoritarismo/oclc/1002237522&referer=brief_results

https://scholar.google.com.br/citations?user=cnXbenUAAAAJ&hl=pt-BR

 

https://www.tib.eu/en/search/id/TIBKAT%3A894744321/Literatura-e-autoritarismo/

https://thekeepers.org/journals/1679-849X?page=1&query=Literatura+e+Autoritarismo

 

http://www.i2or.com/8.html (Nr. 763)

https://index.pkp.sfu.ca/index.php/browse/index/2374

http://miar.ub.edu/issn/1679-849X

https://clasificacioncirc.es/resultados_busqueda?_pag=1&_busqueda2=Literatura%20e%20Autoritarismo

https://reseau-mirabel.info/revue/6394/Literatura_e_autoritarismo