Conflitos desiguais: homens e mulheres na articulação casa - trabalho no Brasil

Felícia Silva Picanço, Clara Maria de Oliveira Araújo

Resumo


O trabalho reprodutivo, aqui entendido como realização das tarefas domésticas e de cuidado dos dependentes, pode ser lido a partir da ambivalência: o afeto e o cansaço. Esforços para mensurar as implicações emocionais do trabalho reprodutivo faz parte de um processo de desnaturalização do mesmo e, por isso, caminhou junto com os esforços de mensurar o próprio trabalho doméstico (quem faz o quê em casa). O artigo tem como objetivo analisar o registro de cansaço de homens e mulheres com a articulação do trabalho remunerado com o trabalho reprodutivo no Brasil, a partir de dados dos surveys sobre “Gênero, trabalho e família” realizados no Brasil nos anos de 2003 e 2016. 


Palavras-chave


Gênero; família; articulação casa-trabalho; conflito; papéis de gênero.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, C; PICANÇO, F.; CANO, I & VEIGA, A. Evolução das percepções de gênero, trabalho e família no Brasil: 2003-2016. In, ARAÚJO, GAMA, A. C; PICANÇO, F. & CANO, I. (Org.). Gênero, Família e Trabalho no Brasil do século XXI. Rio de Janeiro: Gramma, 2018.

ABRAMO, L.; VALENZUELA, M. E. Tempo de trabalho remunerado e não remunerado na América Latina. In: ABREU, A. R.; HIRATA, H.; LOMBARDI, M. R. Gênero e Trabalho no Brasil e na França. São Paulo: Editora Boitempo, 2016. p. 113-123.

ARAÚJO, C.; SCALON, C. (Org.). Gênero, família e trabalho no Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 2005.

ÁVILA, M. B. O tempo do trabalho das empregadas domésticas. Tese (Doutorado em Sociologia) – Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 2009.

BATTHYANY, K. Las políticas y el cuidado em America Latina. CEPAL – Nações Unidas. Santiago de Chile, 2015. Disponível em:

/37726. Acesso em: jan. 2018.

BEHAM, B. et al. Part-time work and gender inequality in Europe: a comparative analysis of satisfaction with work-life balance. European Societies, DOI: 10.1080/14616696.2018.1473627, 2018. Acesso em 10/06/2019

BOYER, D.; CÉROUX, B. Les limites de politiques de soutien à lapaternité. Travail, genre et sociétés. v. 2, nº. 24, 2010. p. 47-62.

BRITES, J.; PICANÇO, F. O emprego doméstico no Brasil em números, tensões e contradições: alguns achados de pesquisas. Revista Latino-americana de Estudos do Trabalho, ano 19, nº. 31, 2014. p.131-158.

CAMARANO, A.; FERNANDES, D. Mudanças nos arranjos familiares e seu impacto nas condições de vida: 1980 e 2010. In: CAMARANO, A. (Org.). Novo regime demográfico: uma nova relação entre população e desenvolvimento ? Rio de Janeiro: Ipea, 2014.

CARRASCO, C. A sustentabilidade da vida humana: um assunto de mulheres? In: FARIA, N.; NOBRE, M. A produção do viver. São Paulo: Sempreviva Organização feminista – SOF, 2003.

DURÁN, M. El valor Del tempo ¿Cuántas horas te faltan al día? Espanha: Espasa Calpe, 2007.

FRAGA, A. De empregada a diarista: as novas configurações do trabalho doméstico remunerado. Rio de Janeiro: Multifoco, 2013.

FRAGA, A. O serviço doméstico sob os holofotes públicos: alterações na articulação entre trabalho produtivo e reprodutivo no Brasil (Estado, mercado e família). Tese (Doutorado em Sociologia e Antropologia). Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2016.

GUERRA, M.; WAJNMAN, S.; DINIZ, B. Quem contrata trabalhadoras domésticas diaristas e mensalistas no Brasil? XXIº Encontro Nacional de Estudos Populacionais, 2018.

HIRATA, H.; KERGOAT, D. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa. v. 37, nº. 132, set./dez., 2007. p. 595-609.

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Contínua – PNAD – contínua, 2016.

IBOPE. Instituto Brasileira de Opinião Pública e Estatística. Pesquisa de Opinião Pública sobre a PEC das domésticas, maio 2013.

IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Retrato das Desigualdades de Gênero e de Raça, Brasília, 2015.

KERGOAT, D. O cuidado e as imbricações nas relações sociais. In: ABREU, A. R.; HIRATA, H.; LOMBARDI, M. R. Gênero e trabalho no Brasil e na França. São Paulo: Editora Boitempo, 2016. p.17-25.

MONTICELLI, T.. “Eu não trato empregada como empregada”: Empregadoras e o desafio do Trabalho Doméstico Remunerado. Tese (Doutorado em Sociologia) – Universidade Federal do Paraná, 2017.

MURATA, H.; ARAMAKI, H. Does Satisfaction with family life epend on how household work is shared? NHK Broadcasting Culture Research Institute, September, 2016. Acesso em 12/;02/2018

PACCIELLO, P. Impacto de políticas e práticas de redução do conflito trabalho família sobre resultados relacionados ao trabalho. Dissertação (mestrado profissionalizante em Administração) – IBMEC – Faculdade de Economia e Finanças. Rio de Janeiro, 2012.

PEIXOTO, C. Solidariedade familiar intergeracional. In: ARAÚJO, C., SCALON, C. (Orgs.). Gênero, família e trabalho. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2005.

PINHEIRO, L.; LIRA, F.; REZENDE, M.; FONTOURA, N. Os Desafios do Passado no Trabalho Doméstico do Século XXI: reflexões para o caso brasileiro a partir dos dados da PNAD Contínua. IPEA, Brasília, novembro de 2019.

SÁ DE SOUZA, E. Um estudo sobre a repercussão do conflito trabalho-família e família-trabalho na satisfação no trabalho e na família e sua consequência na satisfação do hóspede: o caso da rede hoteleira de Porto de Galinhas. Dissertação (Mestrado em Administração) – CPPA da Faculdade Boa Viagem, Recife, 2007.

SARTOR, A.; SIRACUSA, M.; NEVES, P. O que pensam os fluminenses sobre os direitos das domésticas. In: ARAÚJO, C.; GAMA, A. (Orgs). Entre a casa e o trabalho: Gênero e família no Rio de Janeiro. 1. ed. Rio de Janeiro: ABE Graph Gráfica e Editora, 2016.

SORJ, B. Trabalho Doméstico e de Cuidados: novos desafios para a igualdade de gênero no Brasil. In: SILVEIRA, M.; TITO, M. (Orgs.). Trabalhos domésticos e de cuidados: por outro paradigma de sustentabilidade da vida humana. São Paulo: Sempreviva Organização Feminista – SOF, 2008.




DOI: https://doi.org/10.5902/2236672540286

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

 

 

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.