Cooperativismo na agricultura orgânica no Brasil: contribuições de Chayanov

Gean Carlos Tomazzoni, Sergio Schneider

Resumo


Este artigo tem como objetivo analisar de que modo o cooperativismo vem contribuindo com a rápida expansão da produção de orgânicos no Brasil. Para tal, busca-se aporte teórico nos escritos de Alexander Chayanov para sustentar o cooperativismo como forma de organização social profícua para o desenvolvimento desse modo de fazer agricultura. A metodologia utilizada se consistiu na análise de dados secundários dos Censos Agropecuários de 2006 e 2017 do IBGE. Os resultados mostram um aumento numericamente expressivo de estabelecimentos agropecuários associados com cooperativas entre os anos de 2006 e 2017. Além disso, enquanto 15,75% das unidades de produção orgânica certificadas estão associadas com cooperativas, nas unidades não certificadas esse índice atinge apenas 5,33%. Considerando o potencial do cooperativismo como um modo de organização social, ações do Estado e as políticas púbicas poderiam se beneficiar desta capacidade organizacional para tornar mais efetivas a superação das múltiplas carências dessa categoria.

Palavras-chave


Cooperativismo; Agricultura orgânica; Agricultura Familiar; Censo agropecuário

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOVAY, R. O admirável mundo novo de Alexander Chayanov. Estudos Avançados, v. 12, n. 32, p. 69-74, 1998.

ALMEIDA, J. A construção social de uma nova agricultura: tecnologia agrícola e movimentos sociais no sul do Brasil. 2. ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

ALTIERI, M. Agroecologia: bases científicas para uma agricultura sustentável. Guaíba: Agropecuária, 2002.

BEZERRA, M.C.L.; VEIGA, J.E. (Coord.) Agricultura Sustentável. Brasília: Ministério do Meio Ambiente; Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis; Consórcio Museu Emílio Goeldi, 2000.

BRASIL. Instrução Normativa nº 7 de 17 de maio de 1999. Estabelece as normas de produção, tipificação, processamento, envase, distribuição, identificação e de certificação da qualidade para os produtos orgânicos de origem vegetal e animal. Diário Oficial da União, Brasília, 1999.

BRASIL. Lei n. 10.831, de 23 de dezembro de 2003. Dispõe sobre Agricultura Orgânica e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 2003.

BRASIL. Lei n. 11.326, de 24 de julho 2006. Estabelece as diretrizes para a formulação da Política Nacional da Agricultura Familiar e Empreendimentos Familiares Rurais. Diário Oficial da União, Brasília, 2006.

BREKKE, K. A.; KVERNDOKK, S.; NYBORG, K. An economic model of moral motivation. Journal of Public Economics, v. 87, n. 9–10, p. 1967–1983, 2003.

CHAYANOV, A. L’economia di lavoro, scriti scelti, a cura di Fiorenzo Sperottto. Milão: Franco Angeli/INSOR, 1988.

CHAYANOV, A. A teoria das cooperativas camponesas. Revisão e tradução de Regina Vargas. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2017.

DALCIN, D.; SOUZA, Â. R. L.; FREITAS, J. B.; DEWES, Â. D. P. H. Organic products in Brazil: from an ideological orientation to a market choice. British Food Journal, v. 116, n. 12, p. 1998 – 2015, 2014.

DAWES, R. M. Social dilemmas. Annual Review of Psychology, v. 31, p. 169–193, 1980.

DAWES, R. M.; THALER, R. H. Anomalies: Cooperation. Journal of Economic Perspectives, v. 2, n. 3, p. 187–197, 1988.

DIAS, V. V.; SCHULTZ, G.; SCHUSTER, M. S.; TALAMINI, E.; RÉVILLION, J. P. O mercado de alimentos orgânicos: um panorama quantitativo e qualitativo das publicações internacionais. Ambiente & Sociedade, n. 1, p. 161-182, 2015.

DIAS, V. V.; SALVATE, N. B.; RÉVILLION, J. P.; SCNEIDER, S. A importância da certificação nos circuitos curtos de alimentos orgânicos. Revista ESPACIOS, v. 37, n. 3, 2016.

FEHR, E.; SCHMIDT, K. M. A Theory of fairness, competition, and cooperation. The Quarterly Journal of Economics, v. 114, n. 3, p. 817–868, 1999.

GRISA, C.; SCHNEIDER, S. Três Gerações de Políticas Públicas para a Agricultura Familiar e Formas de Interação entre Sociedade e Estado no Brasil. Revista Economia e Sociologia Rural, v. 52, Supl. 1, p. S125-S146, 2014.

HARDIN, G. The tragedy of the commons. Science, v. 162, n. 3859, p. 1243–1248, 1968.

IBGE. Censo agropecuário 2006. Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação. Primeiros Resultados. Disponível em: http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/51/agro_2006.pdf. Acesso em: 30 ago. 2018.

IBGE. Censo agropecuário 2017. Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação. Primeiros Resultados. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/. Acesso em: 20 nov. 2019.

IFOAM. Growth continues: 43.7 million hectares of organic agricultural land orldwide. Disponível em: http://www.ifoam.bio/sites/default/files/press-releaseworld-2016-english.pdf . Acesso em: 18 ago. 2018.

HATANAKA, M.; BAIN, C.; BUSCH, L. Third-party certification in the global agrifood system. Food Policy, v. 30, p. 354–369, 2005.

LOURENÇO, A. V.; SCHNEIDER, P.; GAZOLLA, M. A agricultura orgânica no brasil: um perfil a partir do Censo Agropecuário 2006. Revista Extensão Rural, v.24, n.1, p. 42-61, 2017.

MAZZOLENI E. M.; NOGUEIRA J. M. Agricultura orgânica: características básicas do seu produtor. Revista de Economia e Sociologia Rural, v .44, n. 2, p. 263-293, 2006.

MUTERSBAUGHT, T. et al. (2005) Editorial. Certifying rural spaces: quality-certified products and rural governance. Journal of Rural Studies, v. 21, n. 4, p. 381-388, 2005.

NIEDERLE, P. A.; ALMEIDA, L. A nova arquitetura dos mercados para produtos orgânicos: o debate da convencionalização. In: NIEDERLE, P. A.; ALMEIDA, L.; VEZZANI, F. M. (Orgs.). Agroecologia: práticas, mercados e políticas para uma nova agricultura. Curitiba: Kairós. 2013, p. 23-68.

NIEDERLE, P. A.; VERARDI, M. A.; CONTERATO, M. A. A pesquisa sobre Agricultura Familiar no Brasil – aprendizagens, esquecimentos e novidades. Revista Economia e Sociologia Rural, v. 52, Supl. 1, p. S009-S024, 2014.

NYBORG, K.; HOWARTH, R. B.; BREKKE, K. A. Green consumers and public policy: On socially contingent moral motivation. Resource and Energy Economics, v. 28, n. 4, p. 351–366, 2006.

OLSON, M. The logic of collective action: Public goods and the theory of groups. Cambridge: Harvard University Press, 1965.

OSTROM, E. Governing the commons: The evolution of institutions for collective action. Cambridge: Cambridge University Press, 1990.

PLOEG. J. D. V. D. Camponeses e a arte da agricultura. Tradução de Claudia Freire. Porto Alegre: Editora UFRGS, 2016.

RAGANOLD, J. P.; WACHTER, J. M. Organic agriculture in the twenty-first century. Nature Plants, v. 2, Article number 15221, 2016.

RENARD, M. C. Quality certification, regulation and power in fair trade. Journal of Rural Studies, v. 21, n. 4, p. 419-431, 2005.

ROEMER, J. E. Kantian equilibrium. Scandinavian Journal of Economics, v. 112, n. 1, p. 1– 24, 2010.

ROEMER, J. E. Kantian optimization: A microfoundation for cooperation. Journal of Public Economics, v. 127, p. 45–57, 2015.

STRATE, M. F. Cooperativismo como alternativa de fortalecimento da agricultura familiar: a obra de Chayanov. Revista do Programa de Pós-Graduação em Extensão Rural (UFV), v. 7. n. 1, 2018.

VERONEZZI, F.; BASTOS, T. L. Agricultura familiar orgânica: alternativa de permanência no campo para o pequeno produtor da região centro- sul do estado do Paraná. Encontro Nacional de Geografia Agrária, XXI, Uberlândia, 2012. Anais..., Uberlândia, 2012.




DOI: https://doi.org/10.5902/2359043241660

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. 

     

   

   

 

ISSN Eletrônico: 2359-0432

ISSN Impresso: 2446-7103