A intercooperação nas cooperativas de crédito da região do Vale do Aço: discurso ou efetividade?

Edair Costa de Assis, Ana Lúcia Magri Lopes

Resumo


Intercooperação significa trabalhar em conjunto e, no cooperativismo, esse trabalho conjunto pode intensificar o movimento e servir de forma mais eficiente seus cooperados. Partindo desse pressuposto, neste artigo objetivou-se analisar a prática da intercooperação nas cooperativas de crédito da região do Vale do Aço, na percepção dos gestores. O estudo caracterizou-se como qualitativo e descritivo. Para a coleta de dados utilizou-se um roteiro de entrevista semiestruturado. Os partícipes desta pesquisa foram sete dirigentes de três cooperativas definidos pelo critério intencional e acessibilidade. Os resultados indicam que a intercooperação é, ainda, um potencial tímido e pouco explorado nas cooperativas pesquisadas, mesmo evidenciando vantagens e facilitadores que notadamente esse princípio pode trazer para as cooperativas, no que se refere à melhoria de resultados nas atividades conjuntas, ganhos econômico-financeiros com a utilização recíproca de serviços, entre outros. Conclui-se que o discurso desse princípio é muito enfatizado, mas pouco efetivo na sua observância.

Palavras-chave


Intercooperação; Cooperativismo; Cooperativa de Crédito.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, R. Filosofia da ciência: introdução ao jogo e suas regras. São Paulo: Loyola, 2007, 249p.

ANTUNES, J.; BALESTRIN, A.; VERSCHOORE, J. Práticas de gestão de redes de cooperação. São Leopoldo: Editora Unisinos, 2010.

ARAÚJO, E. A. T.; SILVA, W. A. Castro. Sociedades Cooperativas e sua Importância para o Brasil. Revista Alcance - Eletrônica, v. 18 - n. 1 - p. 43-58 / jan-mar 2011.

AZEVEDO, A.; GITAHY, L. Corporación Cooperativa Mondragón MCC: cooperativismo, autogestão e competitividade. http://inovacao.scielo.br/pdf/inov/v2n4/a23v02n4.pdf. Acesso em 2009.

BAGGIO, A. F. Estratégias de cooperação e relações associativistas – Ijuí: Ed. Unijuí, 2009 – 98p.

BARCELLOS, M. D.; FERREIRA, G. C. Vantagens e desvantagens das alianças estratégicas: uma análise sob a ótica dos agentes da cadeia produtiva da carne bovina. Organizações Rurais & Agroindustriais, v.8, n.1, p.117-130, 2006.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2009, 281p.

BARRINGER, B. R.; HARRISON, J. S. Walking a tightrope: creating value trough interorganizational relationships. Journal of Management, Stillwater, v. 26, n. 3, p. 367-403, 2000.

BENATO, J. V. A. O ABC do cooperativismo. São Paulo: ICA-OCESP, 1994. 131p.

BERTOLIN, R.V.; SANTOS, A.C.; LIMA, J.B. et al. Assimetria de informação e confiança em interações cooperativas. Revista Administração Contemporânea, v.12, n.1, p.59-81, 2008.

BIALOSKORSKI NETO, S. Economia das organizações cooperativas: uma análise da influência da cultura e das instituições. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2004.

DUTRA, J. N. A intercooperação como processo de desenvolvimento: um caso de cooperativas articuladas em rede. Ijuí: 2010.

FRANTZ, W. Caminhos para o desenvolvimento pelo cooperativismo. Biblioteca Universitária Mario Osório Marques – Unijuí. Ijuí, 2003.

FREITAS, A.; FREITAS, A. F. O cooperativismo de credito no Brasil e a emergência de uma vertente solidaria. Anais... XXXVII Encontro do Anpad. Rio de Janeiro, RJ, 7 a 11 de setembro de 2013.

GABOARDI, R. B. A intercooperação e seus resultados diante do panorama do cooperativismo agropecuário Paranaense. Curitiba, 2012. Disponível em: https://acervodigital.ufpr.br/.../R%20-%20E%20-%20RENATA%20BORDIGNON%2. Acesso em 18 set 2018.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 1999.

HUMMELGEN, B. Cooperativismo: um agente de mudança. Maringá: Revista Urutágua, 2016. p. 74-76.

INTERNATIONAL CO-OPERATIVE ALLIANCE - ICA. Co-operative identity, values & principles. Disponível em: https://www.ica.coop/en/cooperatives/cooperative-identity. Acesso em: 13 set 2015.

JERÔNIMO, F. B.; PEDROZO, E. Á.; FENSTERSEIFER, J. E.; SILVA, T. N. Rede de Cooperação e Mecanismos de Coordenação: A Experiência da Rede Formada por Sete Sociedades Cooperativas no Rio Grande do Sul. Ribeirão Preto: 2005. Disponível em: . Acesso em 15 ago de 2018.

JERÔNIMO, F.B. A confiança em redes: a experiência de uma rede formada por sete cooperativas do setor agroalimentar no Rio Grande do Sul. 173f. 2005. Dissertação (Mestrado) - CEPAN/Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

KONZEN, R. R. P.; OLIVEIRA, C. A. Intercooperação entre cooperativas: barreiras e desafios a serem superados. Revista de Gestão e Organizações Cooperativas, v. 2, n. 4,p. 45-58, 2016. http://dx.doi.org/10.5902/2359043220410.

LAGO, Adriano. Fatores Condicionantes do Desenvolvimento de Relacionamentos Intercooperativos no Cooperativismo Agropecuário. Porto Alegre: 2009. Disponível em: https://www.researchgate.net/profile/Lago_Adriano/publication/277761904. Acesso em 05 dez 2018.

MACEDO, L. O. B.; MORAES, M. A. F. D. Perfil de governança e a coordenação de alianças estratégicas do sistema agroindustrial da carne bovina brasileira. 2009. 203f. Tese (Doutorado) - Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”/Universidade de São Paulo, Piracicaba.

MARX, K. O Capital: crítica da economia política: livro primeiro: o processo de produção do capital. 29 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011. v. 1.

MENEZES, Celso M. LAJUS, Maria L. de S. Cooperativismo de Crédito e Desenvolvimento. Revista Economia e Desenvolvimento, v.14, n.2, 2015. p. 294-313.

MINAYO, M. C. de S. (Org.). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 29. ed. Petrópolis: Vozes, 2005. 108 p.

MINISTERIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMERCIO EXTERIOR (MDIC). Intercooperação, Conceitos e Definições. Disponível em: http://www.mdic.gov.br/sistemas_web/aprendex/cooperativismo/index/conteudo/id/317. Acesso em: 15 maio 2018.

MUNDOCOOP. Informação e inspiração para o cooperativismo. 2018. Disponível em http://www.mundocoop.com.br/cooperativismo/o-que-e. Acesso em 13 dez 2018.

OCB - Organização das Cooperativas Brasileiras. Disponível em: http://www.ocb.org.br/site/cooperativismo/principios.asp. Acesso em: 01 out 2018.

OCB – Organização das Cooperativas Brasileiras. Anuário Brasileiro do Cooperativismo 2018/2019, p. 18, 28 e 79. Disponível em: www.mundocoop.com.br. Acesso em 18 set 2018.

OCEMG – Organização das Cooperativas do Estado de Minas Gerais. Anuário do Cooperativismo Mineiro 2017. Disponível em: www.minasgerais.coop.br. Acesso em 18 set 2018.

OLIVEIRA, D. P. R. de. Manual de gestão das cooperativas: uma abordagem prática. 3 ed. São Paulo: Atlas, 2006.

PINHEIRO, M. A. H. Cooperativas de Crédito História da evolução normativa no Brasil. 6 ed. Brasília: BCB, 2008. 92 p.

PORTAL DO COOPERATIVISMO FINANCEIRO. Disponível em: http://cooperativismodecredito.coop.br/cooperativismo. Acesso em 30 de out de 2018.

RICCIARDI, L. LEMOS, R. de J. Cooperativa, a empresa do século XXI: como os países em desenvolvimento podem chegar a desenvolvidos. São Paulo: LTr, 2000. 183 p.

RUA, O. L.; MELO, L. F. O papel da vantagem competitiva na relação entre internacionalização e desempenho das exportações: estudo de caso daEFACEC. Revista Ibero-Americana de Estratégia, v. 14, n. 1, p. 28-42, 2015. https://doi.org/10.5585/riae. v14i1.1995.

SANTOS, João Carlos de Los. Os 25 anos da retomada do Cooperativismo de Crédito Brasileiro. Porto Alegre: Imprensa Livre, 2005. p. 14.

SILVA, E. L.; MENEZES, E. M. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 4. ed. Florianópolis, 2005.

SINGER, Paul. Introdução à Economia Solidária. 4. reimpr. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2010. 127 p.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em Ciências Sociais: a pesquisa qualitativa em Educação. 17. reimpr. São Paulo: Atlas, 2008.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e método. Porto Alegre: Bookman, 2001.

WOITCHUNAS, L. F. Redes Empresariais e Gestão da Qualidade Ijuí: Ed. Unijuí, 2009.




DOI: https://doi.org/10.5902/2359043241121

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. 

     

   

   

 

ISSN Eletrônico: 2359-0432

ISSN Impresso: 2446-7103