Plataforma de negócios exclusiva para atendimento dos condomínios residenciais do estado de São Paulo

Angelina Cortelazzi Bolzam, Clayton Aparecido Pinto

Resumo


O mercado bancário vive constante solidez e, dentre as principais características que envolvem o setor no Brasil, destacam-se o elevado spread, a concentração bancária e a baixa qualidade na bancarização se comparada, esta última, com os países desenvolvidos. Nesse cenário, o cooperativismo torna-se protagonista. Assim, objetivou-se com essa pesquisa sugerir a implantação de uma plataforma de negócios exclusiva aos condomínios residenciais paulistas. Para tanto, utilizou-se, como metodologia o estudo de caso, de uma cooperativa localizada em Brasília-DF que possui uma plataforma de negócios para atendimento exclusivo aos condomínios. Como estratégias para o desenvolvimento do trabalho foram utilizadas informações qualitativas e quantitativas da cooperativa em questão e do sindicato patronal da categoria. Com base nas discussões travadas, observou-se que, de fato, há um déficit de produtos, serviços e atendimento aos condomínios, principalmente, quanto a linhas de crédito, e como resultado, que a boa prática de Brasília é passível de aplicação no estado de São Paulo.O mercado bancário vive constante solidez e, dentre as principais características que envolvem o setor no Brasil, destacam-se o elevado spread, a concentração bancária e a baixa qualidade na bancarização se comparada, esta última, com os países desenvolvidos. Nesse cenário, o cooperativismo torna-se protagonista. Assim, objetivou-se com essa pesquisa sugerir a implantação de uma plataforma de negócios exclusiva aos condomínios residenciais paulistas. Para tanto, utilizou-se, como metodologia o estudo de caso, de uma cooperativa localizada em Brasília-DF que possui uma plataforma de negócios para atendimento exclusivo aos condomínios. Como estratégias para o desenvolvimento do trabalho foram utilizadas informações qualitativas e quantitativas da cooperativa em questão e do sindicato patronal da categoria. Com base nas discussões travadas, observou-se que, de fato, há um déficit de produtos, serviços e atendimento aos condomínios, principalmente, quanto a linhas de crédito, e como resultado, que a boa prática de Brasília é passível de aplicação no estado de São Paulo.

Palavras-chave


Boas Práticas, Cooperativismo; Demanda; Produtos; Serviços Bancários

Texto completo:

PDF

Referências


BACEN – BANCO CENTRAL DO BRASIL Resolução nº 3.464, de 26 de junho de 2007 (Revogado). Dispõe sobre a implementação de estrutura de gerenciamento do risco de mercado. 2007. Disponível em: . Acesso em 19. set. 2018.

BACEN – BANCO CENTRAL DO BRASIL. Resolução nº 3.721, de 30 de abril de 2009. Dispõe sobre a implementação de estrutura de gerenciamento do risco de crédito. (Revogado). 2009. Disponível em: . Acesso em 16 out. 2018.

BACEN – BANCO CENTRAL DO BRASIL. Resolução nº 3.988, de 30 de junho de 2011. Dispõe sobre a implementação de estrutura de gerenciamento de capital. 2011. Disponível em: . Acesso em 16 out. 2018.

BACEN – BANCO CENTRAL DO BRASIL. Resolução nº 4.090, de 24 de maio de 2012. (Revogado). Dispõe sobre a estrutura de gerenciamento do risco de liquidez. 2012. Disponível em: . Acesso em 16 out. 2018.

BACEN – BANCO CENTRAL DO BRASIL. 2015. Resolução nº 4.434, de 5 de agosto de 2015. Dispõe sobre a constituição, a autorização para funcionamento, o funcionamento, as alterações estatutárias e o cancelamento de autorização para funcionamento das cooperativas de crédito e dá outras providências. Disponível em:

. Acesso em 16 out. 2018

BACEN – BANCO CENTRAL DO BRASIL. 2017. Resolução nº 4.557, de 23 de fevereiro de 2017. Dispõe sobre a estrutura de gerenciamento de riscos e a estrutura de gerenciamento de capital. Disponível em: . Acesso em 16 out. 2018.

BACEN – BANCO CENTRAL DO BRASIL. 2018. Relatório de Estabilidade Financeira, volume 17, nº 1. Disponível em: . Acesso em: 16 out. 2018.

BRADESCO. 2018. Soluções para Condomínios. Disponível em: . Acesso em 16 out. 2018.

BRASIL. 2002. Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Institui o Código Civil. Diário Oficial da União, 11 jan. 2002. Disponível em: . Acesso em 10 set. 2018.

BRASIL. 2009. Lei Complementar n. 130, de 17 de abril de 2009. Disponível em: . Acesso em: 18 set. 2018.

BRASIL. 2015a. Lei n° 13.105, de 16 de março de 2015. Institui o Código de Processo Civil. Diário Oficial da União, 17 mar. 2015. Disponível em . Acesso em: 10 set. 2018.

BRASIL. 2015b. Ministério do Trabalho. Economia Solidária. Disponível em: . Acesso em: 11 set. 2018.

CONTRERAS, J. 2002. A autonomia de professores. 2ed. Editora Cortez, São Paulo, SP, Brasil.

COOPERATIVISMO DE CRÉDITO. 2018. SICOOB encerra primeiro trimestre de 2018 com R$44,6 bilhões em operações de crédito. Disponível em: . Acesso em: 11 jun. 2018.

DIEESE – DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS. 2018. Desempenho dos Bancos 2017. Disponível em: . Acesso em: 11 jun. 2018.

EMPRESTA CAPITAL. 2017a. Estrutura de Governança Corporativa. Disponível em: . Acesso em: 16 out. 2018.

EMPRESTA CAPITAL. 2017b. Política de Crédito. Disponível em: < http://www.emprestacapital.com.br/docs/POLITICA_DE_CREDITO.PDF>. Acesso em 16 out. 2018.

EMPRESTA CAPITAL. 2018. Alerta de Concorrência Desleal por Meio de Carta de Cunho Difamatório. Disponível em: . Acesso em 16 out. 2018.

FECOMÉRCIO. 2018. Cooperativas de crédito ganham espaço no Brasil. Disponível em: . Acesso em 16 out. 2018.

FEBRABAN – FEDERAÇÃO BRASILEIRA DE BANCOS. 2018. Convenção entre instituições participantes do sistema financeiro nacional sobre a emissão, apresentação, processamento e liquidação interbancária dos boletos de pagamento. Disponível em: . Acesso em: 11 set. 2018.

FGCoop – FUNDO GARANTIDOR DO COOPERATIVISMO DE CRÉDITO. 2017. Relatório do Sistema Nacional de Crédito Cooperativo – SNCC 2º Trimestre de 2017. Disponível em: . Acesso em: 19 set. 2018.

GOVERNO DO BRASIL. 2009. Economia Solidária promove inclusão social. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2018.

MEINEN, Ê. 2016. Cooperativismo financeiro: virtudes e oportunidades. Confebras, Brasília, DF, Brasil.

MEINEN, Ê. 2018. Concentração da atividade bancária: consequências e possíveis soluções. Disponível em: . Acesso em: 11 jun. 2018.

ROSA, S. 2017. Governo eleva IOF para cooperativas de crédito. Valor Econômico Disponível em: . Acesso em: 16 out. 2018.

SEBRAE – SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. 2017. Estudo especial: O Financiamento das MPE ano Brasil. Disponível em: . Acesso em 16 out. 2018.

SERASA. 2018. Lista Online. Disponível em: . Acesso em 16 out. 2018.

SESCOOP – SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM DO COOPERATIVISMO. 2016. Cooperativismo de crédito: boas práticas no Brasil e no mundo. Farol Estratégias em Comunicação: Brasília, DF, Brasil.

SINDICOND – SINDICATO PATRONAL DOS CONDOMÍNIOS DE PRÉDIOS E EDIFÍCIOS COMERCIAIS, INDUSTRIAIS, RESIDENCIAIS E MISTOS INTERMUNICIPAL DO ESTADO DE SÃO PAULO. 2018a. Panorama de Cobrança Registrada nos Condomínios Paulistas. Disponível em: . Acesso em 16 out. 2018.

SINDICOND – SINDICATO PATRONAL DOS CONDOMÍNIOS DE PRÉDIOS E EDIFÍCIOS COMERCIAIS, INDUSTRIAIS, RESIDENCIAIS E MISTOS INTERMUNICIPAL DO ESTADO DE SÃO PAULO. 2018b. Institucional. Disponível em: < https://www.sindicond.com.br/sobre>. Acesso em 20 dez. 2018.

SINGER, P. 2001. Economia solidária versus economia capitalista. Soc. estado. [online] 16(1-2): 100-112.

SICOOB EXECUTIVO - SISTEMA DE COOPERATIVAS DE CRÉDITO DO BRASIL. 2018. Taxas de crédito do Sicoob custam metade do valor cobrado por maioria dos bancos. Disponível em: . Acesso em: 16 out. 2018.

SICOOB EXECUTIVO - SISTEMA DE COOPERATIVAS DE CRÉDITO DO BRASIL. 2017. Relatório Anual 2017: Inovar para vencer desafios. Disponível em: . Acesso em 16 out. 2018.




DOI: https://doi.org/10.5902/2359043236741

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. 

     

   

   

 

ISSN Eletrônico: 2359-0432

ISSN Impresso: 2446-7103