Aspectos teóricos do cooperativismo e suas implicações para a gestão de cooperativas.

Deivid Ilecki Forgiarini, Cinara Neumann Alves, Heitor José Cademartori Mendina

Resumo


Consolidado no mundo há mais de 100 anos e presente no Brasil desde o início do século XX o cooperativismo tem em sua gênese a vertente social, advinda das teorias dos socialistas utópicos de meados do século XIX. Com o passar dos anos, o cooperativismo foi se resignificando, acompanhando as mudanças socioeconômicas mundiais e foi criando e se apropriando de uma vertente de pensamento econômica, que geram resultados e promovem o crescimento de todo o movimento. E é na compreensão destas duas vertentes teóricas do cooperativismo que este trabalho repousa afim de apresentar a complementaridade entre as duas vertentes para o bom desempenho das cooperativas. Os resultados apresentados indicam que ao tentar maximizar os ganhos individuais de curto prazo, em detrimento dos ganhos coletivos, os indivíduos podem afetar a cooperativa no longo prazo. Mas que também a sobreposição dos aspectos sociais aos econômicos podem desestimular o cooperado. Desta forma a proposta é mostrar uma corrente pode ser complementar a outra na gestão e na perenidade da cooperativa.


Palavras-chave


Cooperativismo Doutrinário, Cooperativismo Econômico, Gestão de Cooperativas.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5902/2359043230509

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. 

     

   

   

 

ISSN Eletrônico: 2359-0432

ISSN Impresso: 2446-7103