Committee of Sponsoring Organization: potencial de auxílio ao estruturar um sistema de controle interno

Patrícia Simoni Longo, Marcela Caroline Sibim, Deisy Cristina Corrêa Igarashi, Laura Cristina Emiko Takahashi, Adilson Pasini

Resumo


As rotinas de controle interno do Committee of Sponsoring Organization (COSO) podem ser utilizadas por organizações, independente de porte ou ramo de atividade. Este estudo pondera se a adoção do COSO auxilia na estruturação de um sistema de controle interno. Foi realizado um estudo de caso junto a área financeira de uma Cooperativa de Crédito do estado do Paraná. Os resultados evidenciam a necessidade de readequar os controles internos da empresa ao COSO, pois alguns fatores identificados não se adéquam aos fundamentos estudados. Para tanto, propõe-se ações a serem tomadas pela equipe interna (Base Regional e Central) de acordo com os oito componentes de gerenciamento de risco do COSO. A implantação das ações para correção das deficiências possibilita: aumentar a credibilidade dos relatórios financeiros, identificar falhas em seu estágio inicial, minimizar a probabilidade de manipulação de dados, e amenizar possíveis riscos que possam comprometer os recursos financeiros da empresa.

Palavras-chave


COSO; Gerenciamento de risco; Cooperativa de crédito

Texto completo:

PDF

Referências


AMOOZEGAR, A. On the Role of the Chief Risk Officer and the Risk Committee in Insuring Financial Institutions against Litigation. Master of Science - Administration at Concordia University Montreal, Quebec, Canada, 2013.

ANTONIALLI, L. M.; FISCHMANN, A. A. Sucessão de dirigentes e continuidade das estratégias administrativas em uma cooperativa agropecuária. Organizações Rurais & Agroindustriais, v. 4, n. 2, 2002.

APPOLINÁRIO, F. Metodologia da ciência: filosofia e prática da pesquisa. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2006.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Edições 70, 1977.

BEUREN, I. M.; ZONATTO, V. C. S. Evidenciação das características básicas recomendadas pelo coso (2004) para a gestão de riscos em ambientes de controle no relatório da administração de empresas brasileiras com ADR. In: XIII SEMEAD – Seminários de Administração 2010. Anais... SEMEAD, 2010.

BORGERTH, V. M. C. SOX: entendendo a Lei Sarbanes-Oxley: um caminho para a informação transparente. São Paulo: Thomson Learning, 2007.

CARMONA, E.; PEREIRA, A. C. SANTOS, M. R. A Lei Sarbanes-Oxley e a percepção dos gestores sobre as competências do auditor interno. Gestão & Regionalidade, v. 26, n.76, jan/abr, p. 63 – 74, 2010.

CECON, B.; HEINZEN, C.; SILVA, M. Z. A percepção dos gestores de cooperativas de crédito de Santa Catarina quanto à eficácia do controle interno. In: Seminários em Administração, 18, 2015, São Paulo. Anais... SEMEAD, 2015.

CORNFORTH, C. “The Governance of Cooperatives and Mutual Associations: a Paradox Perspective.” Annals of Public and Cooperative Economics, v. 75, n. 1, March, p. 11–32, 2004.

COSO, Committee of Sponsoring Organizations. COSO Gerenciamento de Riscos Corporativos - Estrutura Integrada. Disponível em: . Acesso em: 11/04/2015b

COSO, Committee of Sponsoring Organizations. COSO. Disponível em: < http://www.coso.org/>. Acesso em: 11/04/2015a

COSO, Committee of Sponsoring Organizations. Putting COSO’s Theory into Practice. Disponível em: < http://www.theiia.org/download.cfm?file=42122 >. Acesso em: 11/04/2015c

DOYLE, J.; GE, W.; MCVAY, S. Determinants of weaknesses in internal control over financial reporting. Journal of accounting and Economics, v. 44, n. 1, p. 193-223, 2007.

HOYT, R.; LIEBENBERG, A. The Value of Enterprise Risk Management. Journal of Risk and Insurance, v. 78, n. 4, p. 795-822, 2011.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. Dados institucionais. Disponível em: < http://www.ibgc.org.br/index.php >. Acesso em: 17 set. 2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. Governança em organizações não empresariais. Disponível em: < http://www.ibgc.org.br/index.php/governanca/governanca-em-organizacoes-nao-empresariais >. Acesso em: 25 nov. 2016.

MARTINS, G. A.; THEOPHILO, C. R. Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. São Paulo: Atlas, 2007.

MCNALLY, J. S. The 2013 COSO Framework & SOX Compliance: One approach to an effective transition. Strategic Finance, p. 45-52, 2013.

OLIVEIRA, M. C.; LINHARES, J. S. A implantação de controle interno adequado às exigências da Lei Sarbanes-Oxley em empresas brasileiras – um estudo de caso. BASE – Revista de administração e contabilidade da Unisinos. v. 4, n. 2, p. 160 – 170, mai/ago, 2007.

ORO, I. M., FROZZA, J., EIDT, J. Práticas de Governança Corporativa em Cooperativa Agropecuária: o caso da Cooperalfa. In: II Congresso UFSC de Controladoria e Finanças, Florianópolis, 2008. Anais... II Congresso UFSC de Controladoria e Finanças.

PETERS, M. Implantando e gerenciando a Lei Sarbanes-Oxley: governança corporativa agregando valor aos negócios. São Paulo: Atlas, 2007.

PREMPEH, K. B.; TWUMASI, P.; KYEREMEH, K. Assessment of financial control practices in Polytechnics in Ghana. A case study of Sunyani Polytechnic. [MPRA Paper Nº. 68083], Sunyani, Ghana, 2015.

SOARES, M. M.; VENTURA, E. C. F. Governança Cooperativa: as funções estratégicas e executivas em cooperativas de crédito no Brasil. In: V Encontro de Pesquisadores Latino-Americanos de Cooperativismo, 2008, São Paulo. Anais... V Encontro de Pesquisadores Latino-Americanos de Cooperativismo

SOUZA, M. M., VICENTE, E. F. R., BORBA, J. A., LUNKES, R. J. Evidenciação das exigências da lei Sarbanes Oxley nas empresas brasileiras que negociam ADRs nos Estados Unidos. RIC - Revista de Informação Contábil, V. 5, n. 3, p. 98-117, Jul-Set, 2011.

UTZIG, M. J. S.; CARPES, A. M. da S.; CUNHA, P. R. da. Análise do Sistema de Controles Internos na Gestão de Riscos. In: Congresso Brasileiro de Custos, 19, 2012, Bento Gonçalves. Anais... CBC, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2359043227109

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. 

     

   

   

 

ISSN Eletrônico: 2359-0432

ISSN Impresso: 2446-7103