Regressão dos mínimos quadrados parciais para analisar a percepção dos custos de governança corporativa em uma cooperativa de crédito

Luana Zanetti Trindade, Sigismundo Bialoskorski Neto

Resumo


Com o intuito de melhorar a eficiência e transparência das cooperativas de crédito e fortalecer essas cooperativas, o Banco Central do Brasil diagnosticou as características da governança das cooperativas de crédito e recomendou uma série de boas práticas. Para adoção das práticas de governança corporativa existe um custo associado a essa nova prática. A alocação de recursos em cooperativas é assunto que tem sido pouco discutido nas das pesquisas gerenciais. Assim, esse trabalho tem como objetivo estudar a percepção dos custos das práticas de governança corporativa em uma cooperativa de crédito por parte dos associados. Para isso, foi desenvolvido um modelo composto por um índice de percepção dos custos das práticas de governança corporativa. Os resultados encontrados demonstraram que há relacionamento positivo significativo entre as variáveis utilizadas e o índice de percepção dos custos das práticas de governança corporativa. E, além disso, há um relacionamento positivo entre as características intrínsecas dos cooperados e a percepção dos benefícios gerados pela cooperativa. 


Palavras-chave


governança cooperativa; cooperativa de crédito; mínimos quadrados parciais; percepção; custos.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Lei n.º 5.764 de 16 de dezembro de 1971. Define a Política Nacional de Cooperativismo, institui o regime jurídico das sociedades cooperativas, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 16 dez. 1971.

BRYMAN, A. Research methods and organization studies. London: Routledge, 1989.

CHIN, W. W.; MARCOLIN, B. L.; NEWSTED, P. R. A partial least squares latent variable modeling approach for measuring interaction effects: results from a Monte Carlo simulation study and an electronic mail emotion/ adoption study. Information Systems Research, Hanove,v. 14, n. 2, p. 189-217, 2003.

CHIN, W. W. PLS-Graph. Version 3.00. build 1060. Houston: University of Houston, 2004.

CLARK, R. C. Corporate governance changes in the wake of the Sarbanes-Oxley Act: a morality tale for policymakers too. Harvard Law and Economics Discussion Paper, Cambridge, n. 525, p. 1-46, 2005. Disponível em: . Acesso em: 28 maio 2012.

COOK, M.L. (1994). The Role of Management Behavior in Agricultural Cooperatives. Journal of Agricultural Cooperation, 42–66.

COOPER, DONALD R. e SCHINDLER, PAMELA S. 2004. Métodos de Pesquisa em Administração. 7a. Porto Alegre : Bookman, 2004.

COZBY, Paul C. 2003. Métodos de pesquisa em ciências do comportamento. [trad.] Paula Inez Cunha GOMIDE, Emma OTTA e José de Oliveira SIQUEIRA. São Paulo: Atlas, 2003.

DURDEN, C.; PECH, R. The increasing cost of corporate governance: decision speed-bumps for managers. Corporate Governance, Oxford, v. 6, n. 1, p. 84-95, 2006.

FULTON, M. Cooperatives and member commitment. The Finnish Journal of Business Economics, Helsinki, v. 4, p. 418-437, 1999. Special issue: Role of cooperative entrepreneurship in modern market environment, LTA 1999

HAIR Jr., J. et al. Análise multivariada de dados. 6 ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

INSTITUTO BRASLEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA (IBGC). Código das melhores práticas de governança corporativa. 4. ed. São Paulo, 2009. Disponível em: . Acessoem: 7 set. 2011.

KLAPPER, L.; LOVE, I. Corporate governance, investor protection, and performance in emerging markets. World Bank Policy research, working paper N. 2818, 2002.

LODI, J. B. Governança corporativa: o governo da empresa e o conselho de administração. 3. ed. Rio de Janeiro: Campus, 2000.

Lohmöller, J.The PLS program system: Latent variables paths analyses with partial least squear estimation.Multivariate Behavior Research, v.23, p.125-127,1988.

REA, L. M.; PARKER, R.A. Metodologia de pesquisa: do planejamento à execução. São Paulo: Pioneira, 2000.

REZENDE, A. J.; SALGADO, A. L.; DALMÁCIO, F. Z., Uma análise do nível de disclosure das atividades operacionais, econômicas e financeiras dos clubes brasileiros. 15º Congresso Brasileiro de Custos. Anais… Curitiba, 2008.

RODRIGUEZ, G. M. Governança corporativa: identificação dos principais fatores que inibem a adesão das companhias abertas ao Novo Mercado da Bovespa sob o enfoque de custos. 2005. 193 f. Dissertação (Mestrado em Controladoria e Contabilidade Estratégica) – Centro Universitário Álvares Penteado, São Paulo, 2005.

SILVEIRA, A. D. M. Governança corporativa e estrutura de propriedade: determinantes e relação com o desempenho das empresas no Brasil. 2004. 245 f. Tese (Doutorado) – Faculdade de Economia Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

SEGRETI, J. B.; PELEIAS, I. R.; RODRIGUES, G. M. Custos da Atividade de Governança Corporativa sob o enfoque da Controladoria Moderna. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE CUSTOS, 11., 2005, Florianópolis. Anais...Florianópolis, 2005. p. 15.

STAATZ, J. M. Farmer cooperative theory: recent developments. Research Report, N. 84. Washington: Agricultural Cooperative Services, 1987.

SWITZER.L. N. Corporate governance, Sarbanes-Oxley, and small-cap firm performance. The Quarterly Review of Economics and Finance, Champaign-Urbana, v. 47, p. 651–666, 2007.

TVERSKY, A.; KAHNEMAN, D. Prospect theory: an analysis of decision under risk. Econometrica, Ohio, v. 47, n. 2, p. 263-229, 1979.

VENTURA, E. C. F. (Coord.). Governança cooperativa: diretrizes e mecanismos para fortalecimento da governança em cooperativas de crédito. Brasília, DF: Banco Central do Brasil, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2359043221907

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. 

     

   

   

 

ISSN Eletrônico: 2359-0432

ISSN Impresso: 2446-7103