Perfil clínico e epidemiológico de usuários de serviço especializado de estomaterapia com amputação por neuropatia diabética

Luis Rafael Leite Sampaio, Adriana Célia Cardoso dos Santos, Tays Pires Dantas, Luziana Nara Alves do Nascimento, Maria Euridea de Castro, Elisângela Tavares da Silva Barros, Manuel Alves da Cunha Neto, Thaís Rodrigues de Albuquerque

Resumo


OBJETIVO: Caracterizar o perfil clínico e epidemiológico de pessoas com amputação por neuropatia diabética, usuários de um serviço ambulatorial de enfermagem em estomaterapia. MÉTODOS: Estudo quantitativo descritivo, realizado em um ambulatório de estomaterapia de um hospital público no nordeste brasileiro. Foram incluídos usuários participantes de um ensaio clínico, cujos dados foram coletados entre agosto de 2017 a março de 2018, por meio de entrevista com ficha estruturada e exame físico. Os dados foram tabulados no programa Microsoft Excel for Windows® 2016 e importados para o software Statistical Package for the Social Science (SPSS) versão 25.0, onde se realizou análise descritiva e teste t de Student para verificar associação entre os grupos. Os resultados foram apresentados em tabelas e discutidos em respaldo às evidências científicas. RESULTADOS: Dos 19 indivíduos incluídos, 63,1% eram do sexo masculino, com média de 67,5 anos de idade, brancos, casados, aposentados e com ensino médio incompleto. Todos apresentavam comorbidades à diabetes, destacando-se as doenças crônicas não transmissíveis, principalmente hipertensão (31,5%) e acidente vascular cerebral (21%). Na entrevista, 73,6% relataram o consumo diário de óleo vegetal, azeite e 10 gramas de sal. Em contrapartida, frutas, legumes verduras, carnes e peixes foram amplamente citados. O exame físico evidenciou que 63,1% dos usuários estavam com sobrepeso e obesidade e 57,8% obtiveram sensibilidade preservada para o membro inferior esquerdo e sensibilidade comprometida no membro inferior direito. CONSIDERAÇÕES FINAIS: O perfil clínico e sociodemográfico dos usuários com amputação por neuropatia diabética mostrou, em sua maioria, homens acima de 60 anos de idade, aposentados, casados, com renda de um salário e ensino médio incompleto. O estilo de vida dessas pessoas é passível de melhora e o estado de saúde apresentava-se regular.


Palavras-chave


Diabetes Mellitus; Neuropatias Diabéticas; Confrei; Perfil de Saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


International Diabetes Federation. Diabetes Atlas, 9th ed. 9th ed. Belgium, 2020.

Flor LS, Campos MR. The prevalence of diabetes mellitus and its associated factors in the Brazilian adult population: evidence from a population-based survey. Rev Bras Epidemiol 2017; 20: 16–29.

Petersen BJ, Bus SA, Rothenberg GM, Linders DR, Lavery LA, Armstrong DG. Recurrence rates suggest delayed identification of plantar ulceration for patients in diabetic foot remission. BMJ Open Diabetes Res Care 2020; 8: e001697.

Association AD. Diabetes care in the hospital: standards of medical care in diabetes—2018. Diabetes Care 2018; 41: S144–S151.

Brasil. Ministério da Saúde. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2019-2020. Ministério da Saúde: Brasília, 2019. https://www.diabetes.org.br/profissionais/images/DIRETRIZES-COMPLETA-2019-2020.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Manual do pé diabético: estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica. Ministério da Saúde: Brasília, 2016.

Borges EL. A atuação do enfermeiro na estomaterapia e a legislação brasileira: avanços e crescimentos da área. Rev Enferm do Centro-Oeste Min 2016; 6.

Magela Salomé G, Carlos Bueno J, Masako Ferreira L. Multimedia application in a mobile platform for wound treatment using herbal and medicinal plants. J Nurs UFPE/Revista Enferm UFPE 2017; 11.

Ramalho MP, Santos SLF, Castro NM de, Vasconcelos LM de O, Morais IC de O, Pessoa CV. Plantas medicinais no processo de cicatrização de feridas: revisão de literatura. Rev Expressão Católica 2018.

Sowa I, Paduch R, Strzemski M, Zielińska S, Rydzik-Strzemska E, Sawicki J et al. Proliferative and antioxidant activity of Symphytum officinale root extract. Nat Prod Res 2018; 32: 605–609.

Westphal P, Ferreira C, Adamczeski M, Camargo L, dos Santos R, Massaneiro AC et al. Relação entre Índice de Massa Corporal de Quételet e o de Trefethen. Rev CPAQV-Centro Pesqui Avançadas em Qual Vida-CPAQV J 2016; 8.

Flegal KM, Kit BK, Orpana H, Graubard BI. Association of all-cause mortality with overweight and obesity using standard body mass index categories: a systematic review and meta-analysis. Jama 2013; 309: 71–82.

Oliveira J de C, Taquary SA dos S, Barbosa A de M, Veronezi RJB. Pé diabético e amputações em pessoas internadas em hospital público: estudo transversal. ABCS Heal Sci 2016.

Rocha NS, Souza MP, de Oliveira Paegle ACR, dos Santos ACO. Avaliação do controle glicêmico pela glicemia capilar, de usuários diabéticos tipo 2, em um serviço de atenção básica no município do Recife. Cad Grad Biológicas e da Saúde-UNIT-PERNAMBUCO 2017; 3: 75.

Santos MA dos, Marques LA da S, Oliveira-Cardoso ÉA de, Mastropietro AP, Teixeira CR de S, Zanetti ML. Percepção de pacientes com diabetes mellitus tipo 1 sobre o transplante de células-tronco hematopoéticas. Psicol Teor e Pesqui 2012; 28: 425–433.

Carvalho SS, Silva TMA, Coelho JMF. Contribuições do tratamento não farmacológico para diabetes mellitus tipo 2. Rev Epidemiol Control Infect 2015; 5: 59–64.

Cecilio HPM, de Arruda GO, Teston EF, Santos AL, Marcon SS. Comportamentos e comorbidades associados às complicações microvasculares do diabetes. Acta Paul Enferm 2015; 28: 113–119.

Bastos MN, Junior GDJ, Araújo MMM. Alimentação de diabéticos e hipertensos: desafios e recomendações. REVISE - Revista Integr em Inovações Tecnológicas nas Ciências da Saúde 2019; 4.

Malta DC, Bernal RTI, Lima MG, Araújo SSC de, Silva MMA da, Freitas MI de F et al. Doenças crônicas não transmissíveis e a utilização de serviços de saúde: análise da Pesquisa Nacional de Saúde no Brasil. Rev Saude Publica 2017; 51: 4s.

Fonseca MA, Almeida RR, Almeida Reis SR, de Medrado ARAP. Repercussão de doenças sistêmicas no reparo tecidual. J Dent Public Heal 2012; 3.

Massaroli LC, Santos LC, Carvalho GG, Carneiro SAJF, Rezende LF. Qualidade de vida e o imc alto como fator de risco para doenças cardiovasculares: revisão sistemática. Rev da Univ Val do Rio Verde 2018; 16.

Brinati LM, Diogo NAS, Moreira TR, Mendonça ÉT, Amaro MOF. Prevalência e fatores associados à neuropatia periférica em indivíduos com diabetes mellitus Prevalence and factors associated with peripheral neuropathy in individuals with diabetes mellitus. Rev Pesqui Cuid é Fundam Online 2017; 9: 347–355.




DOI: https://doi.org/10.5902/2236583448293

Direitos autorais 2020 Saúde (Santa Maria)

______________________________________________________________

Peridiocidade: Fluxo Contínuo.


Qualis:


Interdisciplinar e Educação Física - B3

Ciências Ambientais, Enfermagem, Odontologia e Saúde Coletiva - B4

Medicina Veterinária - B5

Biotecnologia e Ciências Biológias II - C

  

 Licença Creative Commons 

Saúde (Santa Maria) ∴ revistasaude.ufsm@gmail.com

eISSN 2236-5834 ∴ DOI 10592/22365834

 

Acessos desde 08/08/2013.