Práticas fisioterapêuticas para o tratamento das disfunções temporomandibulares: avaliação do conhecimento de cirurgiões-dentistas

Rafaela Souto Colares, Lidia Audrey Rocha Valadas Marques, Mariana Lima Fernandes, Camila Costa Dias, Karoline Sampaio Nunes Barroso, Thiago Guedes Teles

Resumo


Introdução: A disfunção temporomandibular (DTM) é uma das condições orofaciais mais prevalentes e por ser multifatorial, necessita de tratamento multidisciplinar. É frequente o número de pessoas que apresentam sinais ou sintomas de DTM, porém, poucas são conhecedoras desta disfunção e buscam por tratamento. A falta de comunicação multidisciplinar ou a ausência de conhecimento por parte dos cirurgiões-dentistas em relação aos fisioterapeutas, muitas vezes impedem o tratamento multidisciplinar. O objetivo da presente pesquisa foi investigar o conhecimento dos cirurgiões-dentistas sobre a atuação da Fisioterapia no tratamento das DTM. Metodologia: Trata-se de um estudo quantitativo, do tipo analítico transversal. Foram investigados 29 cirurgiões-dentistas que trabalhavam no setor privado e/ou público, com idades entre 25 e 60 anos, de ambos os gêneros. Resultados: Os resultados da pesquisa mostraram que não existe um encaminhamento eficiente dos pacientes com DTM por parte dos cirurgiões-dentistas aos fisioterapeutas, para que assim ocorra um tratamento mais eficaz. Foi constatado que essa situação não ocorria por falta de conhecimento dos cirurgiões-dentistas (83,0%), sobre a atuação da Fisioterapia. Apenas 38% já tinham feito esse tipo de encaminhamento. Entre os mesmos 97% acreditam na importância do tratamento multidisciplinar. No entanto, os entrevistados ressaltaram a sua opinião sobre a importância da comunicação entre as áreas envolvidas, porém não manifestaram a razão da falta de encaminhamentos e da integração entre os profissionais. Entre os participantes 48% afirmaram ter sido na graduação o primeiro contato com esse tipo de informação interdisciplinar. Conclusão: Poucos cirurgiões-dentistas encaminham os pacientes com DTM para os fisioterapeutas, portanto faz-se necessário divulgar mais resultados das evoluções de casos clínicos para a área da Odontologia, além de realizar pesquisas mais focadas em concretizar pensamentos e atitudes interdisciplinares entre os profissionais da saúde de forma geral dentro do tratamento da DTM.

Palavras-chave


Fisioterapia; Práticas interdisciplinares; Odontologia.

Texto completo:

PDF

Referências


Okenson JP. Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusão. 6ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

Kapandji AI. Fisiologia articular. Esquemas comentados de mecânica humana. 6 edição. Rio de Janeiro: Maloine, 2008.

Norkin CC, Levangie PK. Articulações, estrutura e função: uma abordagem prática e abrangente. 2 ed. Rio de Janeiro: Revinter, 2001.

Martins RJ, Garcia A, Garbin CAS, Sundefeld MLM. Associação entre classe econômica e estresse na ocorrência da disfunção temporomandibular. Rev Bras Epidemiol [online], 2007; 10(2):215-22.

Branco RS, Branco CS, Tesch RS, Rapoport A. Freqüência de relatos de parafunções nos subgrupos diagnósticos de DTM de acordo com os critérios diagnósticos para pesquisa em disfunções temporomandibulares (RDC/TMD). Rev. Dent. Press Ortodon. Ortop.Facial [online], 2008; 13(2):61-9.

Donnarumma MDC, Muzilli CA, Ferreira C, Nemr K. Disfunções temporomandibulares: sinais, sintomas e abordagem multidisciplinar. Revista CEFAC, 2010;12(5), 788-794.

Fernandes ML, Marques LAR, Rodrigues Neto EM, Lotif MAL, Melo FHC, Macena RHM. Profile of temporomandibular disorder patients submitted to dental and physiotherapeutic treatment at a private clinic. RSBO. Revista Sul-Brasileira de Odontologia, 2014;11:260-64.

Assis TO, Soares MS, Victor MM. O uso do laser na reabilitação das desordens temporomandibulares. Fisioter Mov, 2012; 25(2):453- 59.

Kinote APB, Monteiro LT, Vieira AAC, Ferreira NMN, Abdon APV. Perfil funcional de pacientes com disfunção temporomandibular em tratamento fisioterápico. Rev Brasileira em Promoção da Saúde, 2011;24(4):306-12.

Durso BC, Azevedo L R, Ferreira JTL. Inter-relação ortodontia x disfunção da articulação temporomandibular. Ibras ortodon ortop facial, 2002;7(38):155-60.

Vargas FF, Vargas FF, Fonseca PABD. Desordens temporomandibulares: uma abordagem fisioterapêutica e odontológica, Stomatos, 2009;15(28):,p.27-37.

Garcia JD, Oliveira AC. A fisioterapia nos sinais e sintomas da disfunção da articulação temporomandibular (ATM). Rev. Hórus, 2011;5(1): 1-10.

Pancin AC, Monte DF, Silva PC, Pires RR, Hildebrand AS. Interdisciplinaridade entre odontologos e Fisioterapeutas no tratamento de paciente com disfunção temporomandibular na região Leme – SP. Anuário da produção Acadêmica Docente, 2010;4(7):113-24.

Piozzi R,Lopes FC. Desordens temporomandibulares: Aspectos clínicos e guia para odontologia e Fisioterapia. Jornal Brasileiro de Oclusão, ATM e dor orofacial, 2002; 2(5):43-7.

Torres F, Campos LG, Fillipini HF, Weigert KLV, Dalla GF. Efeitos dos tratamentos fisioterapêutico e odontológico em pacientes com disfunção temporomandibular. Fisioterapia em Movimento, 25(1), 117-125, 2012.

Campi LB, Camparis CM, Jordani PC, Gonçalves DAG. Influência de abordagens biopsicossociais e autocuidados no controle das disfunções temporomandibulares crônicas. Rev. Dor, 2013;14(3): 219-22.

Saar SRC, Trevizan MA. Papeis profissionais de uma equipe de saúde: visão de seus integrantes. Rev Latina-Am Enfermagem, 2007;15(1):106-12.

Grazia RC, Zamai CA.Alterações posturais relacionadas com disfunção temporomandibular da articulação temporomandibular e seu tratamento. Movimento &percepção, 2006;6(8):150-62.




DOI: https://doi.org/10.5902/2236583443107

Direitos autorais Saúde (Santa Maria)

______________________________________________________________

Peridiocidade: Fluxo Contínuo.


Qualis:


Interdisciplinar e Educação Física - B3

Ciências Ambientais, Enfermagem, Odontologia e Saúde Coletiva - B4

Medicina Veterinária - B5

Biotecnologia e Ciências Biológias II - C

  

 Licença Creative Commons 

Saúde (Santa Maria) ∴ revistasaude.ufsm@gmail.com

eISSN 2236-5834 ∴ DOI 10592/22365834

 

Acessos desde 08/08/2013.