Vivência do profissional fisioterapeuta no diagnóstico da hanseníase: um relato de experiência

Brenda Beatriz Silva Monteiro, Luisa Cabral Matias, Yara Campos Costa, Andrea Cristina Vale Souza Pereira, Erica Feio Carneiro Nunes, Ana Julia Cunha Brito, Erica Silva de Souza Matsumura

Resumo


Objetivo: consistiu em compreender a visão do profissional fisioterapeuta no diagnóstico da Hanseníase por meio da avaliação dermatoneurológica. Método: o estudo é descritivo, observacional, de caráter qualitativo desenvolvido em uma Unidade de Saúde de Belém/PA. A vivência foi efetivada pelos acadêmicos do curso de Fisioterapia de uma Universidade Estadual do Pará, durante os meses de setembro e outubro de 2017. Foi realizada uma visita técnica a fim de conhecer a Unidade Básica de Saúde, bem como a atuação multidisciplinar prestada ao paciente hanseniano, enfatizando o papel do profissional fisioterapeuta no diagnóstico da Hanseníase. Resultados e impactos: os principais aspectos destacados na entrevista foram: quantidade de positivos ao basilo de Hansen, perspectiva de cura, assiduidade no tratamento, impactos a nível de vivência como profissional fisioterapeuta dentre outros. O bairro da Marambaira teve uma notificação mais expressiva comparado aos demais bairros, no ano de 2016, de 27 casos positivos, de acorod com o Instituto Brasileiro de Pesquisa e Mapeamento e Tecnologia da Informação a Serviço do SUS. Conclusão: a vivência do profissional fisioterapeuta no diagnóstico da hanseníase, ampliou o conhecimento dos acadêmicos por meio de informações acerca de orientações e prevenções da Hanseníase. Sendo assim, fundamental mais estudos sobre a interação dos profissionais de saúde, suas vivências, com os alunos de graduação. 


Palavras-chave


Hanseníase; Diagnóstico; Fisioterapia

Texto completo:

PDF

Referências


Franco MCA, Macedo GMM, Menezes BQ, Jucá Neto FOM, Franco ACA, Xavier MB. Perfil de casos e fatores de risco para hanseníase, em menores de quinze anos, em município hiperendêmico da região norte do brasil. Rev. Paraens. Med., 2014;24(4):29-40.

Lastóriai JC, Abreu MAM. Hanseníase: diagnóstico e tratamento. Rev. Dermat., 2012;17(4):173-9.

Cunha DV, Rodrigues EB, Lameira HA, Cruz MTS, Rodrigues SM, Santos FS. Perfil Epidemiológico da Hanseníase no Município de Castanhal – Pará no período de 2014 a 2017. REAS/EJCH., 2019;11(15):1-8.

Amador SMPS, Costa LLNG. Hanseníase: consideraçõs sobre o desenvolvimento e contribuição (institucional) de instrumento diagnóstico para vigilância epidemiológica. Rev. Pan-Amaz. Saúde, 2016;7:93-98.

Costa LA, Pinheiro CJB, Reis JH, Reis Júnior SH. Análise epidemiológica da hanseníase na Microrregião de Tucuruí, Amazônia brasileira, com alto percentual de incapacidade física e de casos entre jovens. Rev. Pan-Amaz. Saúde 2017;8(3):9-17.

Pinho Júnior JG, Oliveira RC, Klautau FC, Rebello PA, Souza CAG. Situação Epidemiológica da Hanseníase no Pará e no Brasil. Congresso Brasileiro de Medicina de Família e Comunidade. Belém, 2013 Maio;12:1392.

Gonçalves NV, Alcântara RCC, Sousa Júnior AS. A hanseníase em um distrito administrativo de Belém, estado do Pará, Brasil: relações entre território, socioeconomia e política pública em saúde, 2007–2013. Rev. Pan-Amaz. Saúde, 2018; 9(2):21-30.

Secretaria Municipal de Saúde. Ministério da Saúde. Hanseníase. Caracterização da situação epidemiológica da hanseníase e diferenças por sexo, Brasil, 2012-2016. Boletim Epidemiológico, 2018;49(4).

Chaves EC, Costa SV, Flores RLR, Neves EOS. Índice de carência social e hanseníase no pará em 2013: análise espacial. Epidemiol. Serv. Saúde, 2017;26(4):807-816.

Ministério da Saúde. Estratégia Nacional para o enfrentamento da Hanseníase 2019-2022. 2019.

Organização Mundial da Saúde. Estratégia Global para Hanseníase 2016-2020: aceleração rumo a um mundo sem hanseníase. 2016.

Ribeiro MDA, Silva JCA, Oliveira SB. Estudo epidemiológico da Hanseníase no Brasil: reflexão sobre as metas de eliminação, 2018;42(7):1-7.

Costa AKAN, Pfrimer IAH, Menezes AMF, Nascimento LB, Carmo Filho JR. Aspectos clínicos e epidemiológicos da hanseníase. Rev. Enf. Recife, 2019;13(1):353-62.

Secretaria de Vigilância em Saúde. Ministério da Saúde. Situação epidemiológica da hanseníase no Brasil – análise de indicadores selecionados na última década e desafios para eliminação. Boletim Epidemiológico, 2013;44(3):1-12.

Sousa GS, Silva RLF, Xavier MB. Hanseníase e Atenção Primária à Saúde: uma avaliação de estrutura do programa. Saúde debate. Rio de janeiro, 2017;41(112):230-242.




DOI: https://doi.org/10.5902/2236583440028

Direitos autorais Saúde (Santa Maria)

______________________________________________________________

Peridiocidade: Fluxo Contínuo.


Qualis:


Interdisciplinar e Educação Física - B3

Ciências Ambientais, Enfermagem, Odontologia e Saúde Coletiva - B4

Medicina Veterinária - B5

Biotecnologia e Ciências Biológias II - C

  

 Licença Creative Commons 

Saúde (Santa Maria) ∴ revistasaude.ufsm@gmail.com

eISSN 2236-5834 ∴ DOI 10592/22365834

 

Acessos desde 08/08/2013.