Caracterização das impressões plantares em escolares: influência da idade e do indice de massa corporal

Patrícia Turra, Lidiane de Fátima Ilha Nichele, Andressa Hardt de Jesus, Ana Fátima Viero Badaró

Resumo


Objetivo: Caracterizar as impressões plantares de escolares conforme o tipo de pé, a idade e o índice de massa corporal (IMC). Método: Trata-se de estudo transversal, realizado com escolares frequentadores de uma Instituição Filantrópica. A amostra foi constituída de 56 escolares, 34 do sexo feminino e 22 do sexo masculino, com idade entre 5 a 12 anos. Foi aferida a massa corporal e a estatura para cálculo do IMC e realizada plantigrafia para obtenção da impressão plantar. A distribuição dos dados foi avaliada pelo teste de normalidade de Kolmogorov-Smirnov. O teste do Qui-quadrado foi utilizado para verificar associações entre variáveis categóricas. As correlações foram realizadas por meio do coeficiente de correlação de Pearson. Foi adotado um nível de significância de 5%. Resultados: A média de idade dos escolares foi de 8,70 ± 1,82 anos e do IMC foi 17,13 ± 2,83 kg/m2. Dentre os 56 participantes, 44,64% obtiveram classificação normal para o tipo de pé, seguidos de 41,08 % com pé plano e 14,28 % com pé cavo. Foi observada moderada e significativa correlação entre idade e o tipo de pé direito (r= -0,45; p=0,00) e pé esquerdo (r= -0,40, p= 0,01) e, também, entre estatura e tipo de pé direito (r= -0,45; p=0,00) e pé esquerdo (r= -0,38, p= 0,01). Conclusão: Os percentuais muito próximos entre o tipo de pé plano e de pé normal demonstram que a postura do pé está se modificando com a idade, conforme o padrão típico de crescimento. Entretanto, a ocorrência de pés cavos é o achado não esperado e que merece mais estudos.


Palavras-chave


Criança; Adolescente; Pé; Serviços de saúde do escolar

Texto completo:

PDF

Referências


Okamura K, Kanai S, Hasegawa M, et al. The effect of additional activation of the plantar intrinsic foot muscles on foot dynamics during gait. Foot. 2018;34:1–5.

Zuil-Escobar JC, Martínez-Cepa CB, Martín-Urrialde JA, et al. Medial Longitudinal Arch: Accuracy, Reliability and Correlation Between Navicular Drop Test and Footprint Parameters. J Manipulative Physiol Ther. 2018;41(8):672–679.

Uden H, Scharfbillig R, Causby R. The typically developing paediatric foot: How flat should it be? A systematic review. J Foot Ankle Res. 2017;10(1):1–17.

Banwell HA, Paris ME, Mackintosh S, et al. Paediatric flexible flat foot: How are we measuring it and are we getting it right? A systematic review. J Foot Ankle Res. 2018;11(1):1–13.

Chang CH, Chen YC, Yang WT, et al. Flatfoot diagnosis by a unique bimodal distribution of footprint index in children. PLoS One. 2014;9(12):1–11.

Rose KJ, Hiller CE, Mandarakas M, et al. Correlates of functional ankle instability in children and adolescents with Charcot-Marie-Tooth disease. J Foot Ankle Res; 2015;8(1):1–7.

Stolzman S, Irby MB, Callahan AB, et al. Pes planus and paediatric obesity: A systematic review of the literature. Clin Obes. 2015;5(2):52–59.

Chiao Yi L, Soares ALN, Areia M, et al. Influence of body mass index in balance and foot print in obese adults. Rev Bras Med Esporte. 2014;20(1):70–73.

Da Rocha ES, Bratz DTK, Gubert LC, et al. Obese children experience higher plantar pressure and lower foot sensitivity than non-obese. Clin Biomech. 2014;29(7):822–827.

Saldívar-Cerón HI, Garmendia Ramírez A, Antonio M, et al. Obesidad infantil: factor de riesgo para desarrollar pie plano. Bol Med Hosp Infant Mex. 2015;72(1):55–60.

Cavanagh P, Rodgers M. The arch index: a useful measure from footprints. J Biomech. 1987;20(3):547–551.

(WHO) WHO. Growth reference data for 5-19 years. http://www.who.int/growthref/who2007_bmi_for_age/en/index.html. 2007.

Hernandez AJ, Kimura LK, Laraya MHF, et al. Cálculo do índice do arco plantar de staheli e a prevalência de pés planos: estudo em 100 crianças entre 5 e 9 anos de idade. Acta Ortopédica Bras. 2007;15(2):68–71.

Sedwick P. Pearson’s correlation coefficient. Br Med J. 2012;345:1–2.

Vicente E, Longen WC, Machado AM, et al. Pé plano na infância: limites temporais entre o fisiológico e as disfunções locais e ascendentes. Rev Pediatr. 2016;16(3):15–20.

Ueki Y, Sakuma E, Wada I. Pathology and management of flexible flat foot in children. J Orthop Sci. 2019;24(1):9–13.

Martínez-Nova A, Gijón-Noguerón G, Alfageme-García P, et al. Foot posture development in children aged 5 to11 years: A three-year prospective study. Gait Posture. 2018;62:280–284.

Yin J, Zhao H, Zhuang G, et al. Flexible flatfoot of 6–13-year-old children: A cross-sectional study. J Orthop Sci. 2018;23(3):552–556.

Chen KC, Yeh CJ, Kuo JF, et al. Footprint analysis of flatfoot in preschool-aged children. Eur J Pediatr. 2011;170(5):611–617.




DOI: https://doi.org/10.5902/2236583432450

Direitos autorais 2019 Saúde (Santa Maria)

______________________________________________________________

Peridiocidade: Fluxo Contínuo.


Qualis:


Interdisciplinar e Educação Física - B3

Ciências Ambientais, Enfermagem, Odontologia e Saúde Coletiva - B4

Medicina Veterinária - B5

Biotecnologia e Ciências Biológias II - C

  

 Licença Creative Commons 

Saúde (Santa Maria) ∴ revistasaude.ufsm@gmail.com

eISSN 2236-5834 ∴ DOI 10592/22365834

 

Acessos desde 08/08/2013.