Educação em saúde e pesquisa-ação: instrumentos de cuidado de enfermagem na saúde mental

Tatiana Brusamarello, Mariluci Alves Maftum, Maria de Fátima Mantovani, Camila Bonfim de Alcantara

Resumo


Objetivos: identificar necessidades de ações educativas em saúde mental com familiares e pessoas com transtorno mental de um projeto de extensão universitária; desenvolver ações de educação em saúde mental e avaliar as ações desenvolvidas. Método: Pesquisa-ação realizada em Curitiba, no Projeto de Extensão “O cuidado à saúde de pessoas com sofrimento mental e familiares”. Participaram seis pessoas com transtorno mental e sete familiares. A coleta de dados ocorreu mediante entrevista e seis seminários educativos. Resultados: A família e a pessoa com transtorno mental precisam receber orientações e suporte para que possam reorganizar seus papéis diante da realidade de conviver com transtorno mental. Conclusão: Evidenciou-se que a metodologia da pesquisa-ação vem ao encontro da perspectiva de atuação do enfermeiro no modelo psicossocial de atenção em saúde mental ao oportunizar a educação em saúde com vistas ao cuidado conscientizador.

Palavras-chave


Metodologia; Pesquisa; Enfermagem; Educação em Saúde; Saúde Mental

Texto completo:

PDF

Referências


Hermida PMV, Marçal CCB, Ebsen ES, Heidemman ITSB, Meirelles BHS. Educação em saúde nas

práticas do subsistema profissional de saúde. Rev baiana enferm. 2016;30(2):1-12.

Falkenberg MB, Mendes TPL, Moraes EP, Souza EM. Educação em saúde e educação na saúde:

conceitos e implicações para a saúde coletiva. Ciênc saúde coletiva. 2014;19(3):847-852.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Especializada

e Temática. Centros de Atenção Psicossocial e Unidades de Acolhimento como lugares de atenção psicossocial nos

territórios: orientações para elaboração de projetos de construção, reforma e ampliação de CAPS e de UA. Brasília, 2015.

Nóbrega MPSS, Silva GBF, Sena ACR. Funcionamento da Rede de Atenção Psicossocial-RAPS no

município de São Paulo, Brasil: perspectivas para o cuidado em Saúde Mental. 5º Congresso Ibero-Americano em

Investigação Qualitativa (CIAIQ2016). 2016;2:41-49.

Pereira MM, Penha TP, Vaz EMC, Collet N, Reichert APS. Concepções e práticas dos profissionais da

estratégia saúde da família sobre educação em saúde. Texto & contexto enferm. 2014;23(1):167-175.

Nasi C, Tocantins FR, Camatta MW, Schneider JF. Actions of workers in a psychosocial care center: a

social phenomenological perspective. Online braz J nurs. 2015;14(4):481-488.

Freire, PRN. Educação e Mudança. Paz e Terra. 34th Ed. São Paulo; 2011.

Maftum MA et al. O cuidado à saúde de familiares e pessoas com sofrimento mental 2008/2009. Curitiba:

UFPR/PROEC, 2009. Relatório técnico.

Oliveira RG, Bueno SMV. Processos educativos transformadores no contexto da saúde: uma proposta

metodológica para pesquisa-ação. 5º Congresso Ibero-Americano em Investigação Qualitativa (CIAIQ2016). 2016;2:674-

Thiollent M. Metodologia da pesquisa-ação. 18. ed. São Paulo: Cortez; 2013.

Freire P. Educação como prática de liberdade. 14 ed. São Paulo: Paz e Terra; 2011.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14. ed. São Paulo: Hucitec;

Takashima GMK. O desafio da política de atendimento à família: da vida às leis, uma questão de política.

In: kaloustian SM. (org). Família brasileira, a base de tudo. Brasília: Cortez, 1998. p. 77-42

Sarti C A. Famílias enredadas. In: Acosta AR, Vitale MAF. (org). Famílias, redes, laços e políticas públicas.

a. ed. Cortez editora, 2008.

Moraski TR, Hildebrandt L M. A experiência da agudização dos sintomas psicóticos: percepção de

familiares. Scientia Medica, Porto Alegre, 2005;15,4,213-219.

Penna CMM. Uma questão conceitual. In: Elsen I. et al. Marcos para a prática de enfermagem com

famílias. Florianópolis: Editora da UFSC, 1994. p.79-91.

Constantinidis TC, Andrade AN. Demanda e oferta no encontro entre profissionais de saúde mental e

familiares de pessoas com sofrimento psíquico. Ciênc saúde coletiva. 2015;20(2):333-342.

Vicente JB, Higarashi IH, Furtado MCC. Transtorno mental na infância: configurações familiares e suas

relações sociais. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2015;19(1):107-114.

Tabeleão VP, Tomasi E, Quevedo LA. Burden on relatives of people with psychic disorder: levels and

associated factors. Archives of Clinical Psychiatry. 2014;41(3):63-66.

Kebbe LM, Rôse LBR, Fiorati RC, Carretta RYD. Cuidando do familiar com transtorno mental: desafios

percebidos pelos cuidadores sobre as tarefas de cuidar. Saúde debate. 2014;38(102):494-505.

Campana MC, Soares MH. Familiares de pessoas com esquizofrenia: sentimentos e atitudes frente ao

comportamento agressivo. Cogitare enferm [Internet]. 2015 [cited 2017 Jan 24];20(2):338-344. Available from: http://

dx.doi.org/10.5380/ce.v20i2.40374.

Soares MH, Ceciliano DTD. Stress and satisfaction of family members and independent living skills of

psychiatric outpatients. Archives of Clinical Psychiatry. 2014;41(6):138-141.

Duarte MLC, Thomas J, Olschowsky A. O cuidado em saúde mental na internação psiquiátrica: percepção

dos familiares. Cogitare enferm. 2014;19(1):129-135.

Skunderg-Klettthagen H, Wangensteen S, Hall-Lord M, Hedelin B. Experiences of the psychiatric specialist

health services – the perspective of relatives of inpatients with severe depression. J Nurs Educ Pract. 2015;5(2):117-123.

Colleti M, Martins CB, Tanios BS, Rocha THR. A Reforma Psiquiátrica e o papel da família no

restabelecimento de um sujeito psicótico. Rev SPAGESP. 2014;15(1):123:135.

Brasil. Ministério da Saúde. Saúde Mental em Dados – 12, Ano 10, nº12. Informativo eletrônico. Brasília:

Outubro de 2015.

Kamkhagi D, Costa ACO, Kusminsky S, Supino D, Diniz BS, Gattaz WF, Forlenza OV. Benefits of

psychodynamic group therapy on depression, burden and quality of life of family caregivers to Alzheimer’s disease

patients. Archives of Clinical Psychiatry. 2015; 42 (6): 157-160.

Oliveira SRG, Wendhausen ALP. (Re)significando a educação em saúde: dificuldades e possibilidades

da Estratégia Saúde da Família. Trab educ saúde. 2014;12(1):129-147.

Malvezzi CD, Gerhardinger HC, Santos LFP, Toledo VP, Garcia APRF. Adherence to treatment by the

staff of a mental health servisse: an exploratory study. Online Brazilian journal of nursing. 2016;15(2):177-187.

Coelho MMF, Miranda KCL. Educação para emancipação dos sujeitos: reflexões sobra a prática educativa

de enfermeiros. Rev enferm Cent.-Oeste Min. 2015;5(2):1714-1721.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2236583427664

Direitos autorais 2018 Saúde (Santa Maria)

Acessos desde 08/08/2013.

   

 

Saúde (Santa Maria) ∴ revistasaude.ufsm@gmail.com

ISSN 0103-4499 ∴ eISSN 2236-5834 ∴ DOI 10592/22365834

Licença Creative Commons