A Ecologia Sonora na performance ritualística do Toré Tuxá

André L O P Souza, Alzeni de Freitas Tomáz, Juracy Marques dos Santos

Resumo


O presente trabalho em Ecologia Humana, reúne um acervo importante da ecologia sonora  ao  patrimônio cultural arqueomusicológico do Povo Tuxá de Rodelas. Através de mapas acústicos/sonoros, bases etnográficas e métodos de similitude na identificação da estrutura de representação da comunicação oral dos cânticos, foi exequível a identificação da relação histórico-cultural- arqueológico do povo Tuxá, com a chamada “tradição nordeste” (PESSIS, 2003), onde painéis revelam conteúdos de linguagens arcaicas complexas comprovando a presença do som musical e de materiais arqueológicos como flautas e apitos. A arte, comunicação e etnografia, registram as linguagens narrativas e vocais dos Tuxá, presentes em sua ecologia sonora, como mecanismos de conexão com os Encantos da Natureza. Com sentidos múltiplos, seus cânticos e invocações particulares possuem características próprias da identidade Tuxá.


Palavras-chave


Arquemusicologia; Performance Ritualística Indígena; Ecologia Sonora

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, A. et al. Histórias Tuxá. Salvador: Secretaria de Cultura, Fundo de Cultura, 2008.

BUCO, C. A. Arqueologia do Movimento: Visões Sonoras da Pré-história na Serra da Capivara, Piauí, Brasil. FUMDHAMentos, v. 9, p. 1347-1357, 2010.

CAMÊU, H. Introdução ao estudo da música indígena brasileira. Rio de Janeiro: Conselho Federal de Cultura, Departamento de Assuntos Culturais, 1977.

DANTAS, M. et al. Antes, História da Pré-História, Exposição “ANTES”, no CCBB em 2004, citação na sala da exposição, sobre tecnologia. CENTRO CULTURAL BANCO DO BRASIL. Rio de Janeiro: Editora Gráficos Burt e CCBB, 2004.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. v. 1. e 4. Rio de Janeiro: Editora 34, 2005.

EHRENREICH, P. Índios Botocudos do Espírito Santo no século XIX. Tradução Sara Baldus. BENTIVOGLIO, J. (Org.). Arquivo Público do Estado do Espírito Santo, Vitória (ES), 2014.

ETCHEVARNE, C.A. Sítios dunares do sub-médio São Francisco, Bahia, Brasil. Journal de la Société des Américanistes, N. S. Paris, t.78, n.71, p.57-71. 1992.

ETCHEVARNE, C. A ocupação humana do Nordeste Brasileiro antes da colonização portuguesa. Revista USP, São Paulo, n. 44, p.112-141, (Dossiê Antes de Cabral: Arqueologia Brasileira – I), 1999-2000.

GRUNEWALD, R.A. As Múltiplas Incertezas do Toré. In: GRUNEWALD, R. (org.). Toré: Regime encantado do Índio do Nordeste. Recife: Fundaj, Editora Massangana,. 2005. p. 330.

INGOLD, T. Estar vivo: ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição. Petrópolis: Vozes, 2015.

KASTRUP, V. O funcionamento da atenção no trabalho do cartógrafo. In: PASSOS, E. et al. Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2015. p. 32-51.

MARCHAND, P.; RATINAUD, P. L'analyse de similitude appliqueé aux corpus textueles: les primaires socialistes pour l'election présidentielle française. In: Actes ... 11 eme Journées internationales d'Analyse statistique des Données Textuelles. JADT 2012 (pp. 687-699). Liège, Belgique.. Disponível em: http://lexicometrica.univparis3.fr/jadt/jadt2012/Communications/Marchand,%20Pascal%20et%20al.%20%20L%27analyse%20de%20similitude%20appliquee%20aux%20corpus%20textuels.pd. Acesso em: 15 mar. 2018.

MARQUES, J. Cultura Material e Etnicidade dos Povos Indígenas do São Francisco Afetados por Barragens: Um Estudo de Caso dos Tuxás de Rodelas, Bahia, Brasil. Tese (Doutorado Cultura e Sociedade) – Universidade Federal da Bahia, Salvador: UFBA, 2008.

MENEZES BASTOS, R.J. Música nas Sociedades Indígenas das terras Baixas da América do Sul: Estado da Arte. Revista Maná, v. 13, n. 2, p. 293-316, 2007.

MENEZES, L. et al. O Som do Osso: Ecologia Musical dos Pífanos do Nordeste. Revista Ecologias Humanas, v.2, n. 2, 2016.

PESSIS, A.M. Imagens da pré-historia. Parque Nacional Serra da Capivara. FUMDHAM - Fundação Museus do Homem Americano. Petrobras. São Paulo, 2003.

PIQUERAS, L. H. Arqueomusicología: bases para el estudio de los artefactos sonoros préhistóricos. Universitat de Valencia, Itália, 2003.

SALOMAO, R.D.B. Tradição, práticas rituais e afirmação étnica entre os Tuxá de Rodelas. Cadernos do Leme, Campina Grande, v.3, n.1, p. 2-24. jan./jun. 2011.

SAMPAIO-SILVA, O. Tuxá: Índios do Nordeste. São Paulo: Ed Annablume, 1997.

SCHAFER, M. A afinação do mundo: uma exploração pioneira pela história e pelo atual estado do mais negligenciado aspecto do nosso ambiente: ambiente: paisagem sonora. Tradução Marisa Trench Fonterrada. 2.ed. São Paulo: Editora Unesp, 2011.

SEEGER, A. Por que cantam os Kĩsêdjê. Trad. Guilherme Werlang. São Paulo: Cosac Naify, 2015.

TUXA. Cantigas de Roda e Brincadeiras Cantadas. Infância: Uma Viagem ao tempo de nossos pais e avós. In: ALMEIDA, A. et al. Tuxá de Rodelas - Aldeia Mãe. 2015.

ZUMTHOR, P. Performance, Recepção, Leitura. Tradução Jerusa Pires Ferreira e Suely Fenerich. São Paulo: Ed Cosac Naify, 2014.

SITES CONSULTADOS https://pib.socioambiental.org/pt - Povos Indigenas do Brasil - PIB, Instituto Socioambiental.

https://terrasindigenas.org.br




DOI: https://doi.org/10.5902/1983734831984

 
 
 
DOI: Digital Object Identifier 10.5902/19837348

Qualis B1

Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 (CC BY 4.0).

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 (CC BY 4.0).

Acessos a partir de 17/09/2015

CopySpider - Software Anti-plagio