Reflexões sobre o ateliê como lugar/espaço em processos de criação em Artes Visuais

Marta Lucia Cargnin Facco

Resumo


Resumo

Este artigo[1] tem por objetivo refletir sobre o ateliê como lugar/espaço em processos de criação em Artes Visuais, bem como sua relevância na construção intelectual, crítica e reflexiva do artista. Busca-se, assim, possibilidade de compreensão do que seria esse ateliê nas Artes Visuais, sua conceitualização, finalidade e espaço/tempo para a construção de um ser/estar artista em meio ao processo criativo. Nessa perspectiva, propõe-se transitar por ateliês de artistas, em especial, o ateliê de William Kentridge, onde se aponta para a presença dos objetos inseridos neste contexto, investigando a cadeira como possível impulsionadora nos processos cognitivos de criação. Como desdobramento para este estudo, pretende-se também investigar os conceitos de espaço e lugar, assim como a dialética entre a poética e a estética nos processos de criação, ancorando-se nos estudos de René Passeron (1997) e Luigi Pareyson (2001), que neste momento somente serão adotados para elucidar o início da pesquisa.

 

Enviado em: 28 de abril de 2017.

Aprovado em: 05 de maio de 2017.

 


Palavras-chave


ateliê, poiética, processo, artista.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1983734826890

 
 
 
DOI: Digital Object Identifier 10.5902/19837348

Qualis B1

Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 (CC BY 4.0).

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 (CC BY 4.0).

Acessos a partir de 17/09/2015