Pessoas com deficiência no cenário rural: concepção dos Agentes Comunitários de Saúde

Daiane Zeni, Marta Cocco da Costa, Fabiana Aparecida Rockemback, Deborah Tainara Schenkel, Jaqueline Arboit, Fernanda Honnef

Resumo


Objetivo: descrever as concepções dos Agentes Comunitários de Saúde sobre as pessoas com deficiência Enfermeira, Doutora em Enfermagem, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)/Docente substituta do Departamento de Enfermagem, Santa Maria, RS, Brasil. E-mail: jaqueline.arboit@hotmail.com ORCID: https://orcid.org/0000-0002-6610-5900

que vivem em contexto rural. Método: pesquisa descritivo-exploratória de abordagem qualitativa, realizada em quatro municípios da região noroeste do Rio Grande do Sul, Brasil. Participaram treze Agentes Comunitários de Saúde. A coleta de dados ocorreu entre janeiro e fevereiro de 2018 por meio de entrevistas semiestruturadas, analisadas pela modalidade temática. Resultados: as concepções dos profissionais estão ancoradas especialmente nas palavras “dificuldade”, “atenção”, “cuidado”, “desprezo” e “acesso”. Ademais, desvelam o conhecimento insuficiente acerca das pessoas com deficiência residentes no cenário rural, ao desconhecerem os diferentes tipos de deficiências existentes ou apontarem condições que não se enquadram em sua conceituação. Conclusão: evidenciou-se a necessidade premente de instrumentalização destes profissionais de saúde sobre o tema, a fim de proporcionar uma atenção à saúde com base na integralidade e equidade.


Palavras-chave


Pessoas com deficiência; Áreas rurais; Agentes comunitários de saúde; Saúde da População Rural

Referências


Campos MF, Souza LAP, Mendes VLF. A rede de cuidados do Sistema Único de Saúde à saúde das pessoas com deficiência. Interface Comun Saúde Educ. 2015;19(52):207-10. doi: 10.1590/1807-57622014.0078

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política nacional de saúde da pessoa com deficiência [Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2010 [acesso em 2019 fev 20]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_pessoa_com_deficiencia.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Censo demográfico 2010: características gerais da população, religião e pessoas com deficiência [Internet]. Rio de Janeiro (RJ); 2010 [acesso em 2019 fev 19]. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/94/cd_2010_religiao_deficiencia.pdf

World Health Organization (WHO). WHO global disability action plan 2014-2021: better health for all people with disability [Internet]. Geneva: WHO; 2015 [cited 2019 Feb 22]. Available from: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/199544/9789241509619_eng.pdf;jsessionid=D408684546FB90724F74F3F2CB948394?sequence=1

Tonini H, Lopes MJM. Desenvolvimento, cuidado e vulnerabilidade: pessoas com deficiência em áreas rurais do RS. Rev Interdiscip [Internet]. 2017 [acesso em 2019 jun 14];10(3):110-24. Disponível em: https://revistainterdisciplinar.uninovafapi.edu.br/index.php/revinter/article/view/1318

Ursine BL, Pereira EL, Carneiro FF. Saúde da pessoa com deficiência que vive no campo: o que dizem os trabalhadores da Atenção Básica? Interface Comun Saúde Educ. 2018;22(64):109-20. doi: 10.1590/1807-57622016.0666

Vergunst R, Swartz L, Mji G, MacLachlan M, Mannan H. ‘You must carry your wheelchair’ – barriers to accessing healthcare in a South African rural area. Glob Health Action. 2015;8:1. doi: 10.3402/gha.v8.29003

Davidsson N, Södergård B. Access to healthcare among people with physical disabilities in rural Louisiana. Soc Work Public Health. 2016;31(3):188-95. doi: 10.1080/19371918.2015.1099496

Dassah E, Aldersey HM, McColl MA, Davison C. ‘When I don't have money to buy the drugs, I just manage.’ - Exploring the lived experience of persons with physical disabilities in accessing primary health care services in rural Ghana. Soc Sci Med. 2018;214:83-90. doi: 10.1016/j.socscimed.2018.08.023

Munthali AC, Swartz L, Mannan H, MacLachlan M, Chilimampunga C, Makupe C. This one will delay us”: barriers to accessing health care services among persons with disabilities in Malawi. Disabil Rehabil. 2017;41(6):683-90. doi: 10.1080/09638288.2017.1404148

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União: Edição 183, Seção 1, p. 68. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2017. Disponível em: http://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/19308123/do1-2017-09-22-portaria-n-2-436-de-21-de-setembro-de-2017-19308031. Acesso em: 14 jun. 2019.

McCollum R, Gomez W, Theobald S, Taegtmeyer M. How equitable are community health worker programmes and which programme features influence equity of community health worker services? A systematic review. BMC Public Health. 2016;16:419. doi: 10.1186/s12889-016-3043-8

Nunes CA, Aquino R, Medina MG, Vilasbôas ALQ, Pinto Júnior EP, Luz LA. Visitas domiciliares no Brasil: características da atividade basilar dos Agentes Comunitários de Saúde. Saúde Debate. 2018;42(N Esp 2):127-44. doi: 10.1590/0103-11042018s209

Barreto ICHC, Pessoa VM, Souza MFA, Nuto SAS, Freitas RWJF, Ribeiro KG, et al. Complexidade e potencialidade do trabalho dos Agentes Comunitários de Saúde no Brasil contemporâneo. Saúde Debate. 2018;42(N Esp 1):114-29. doi: 10.1590/0103-11042018s108

Secretaria Estadual de Saúde (Rio Grande do Sul), Grupo de Trabalho de Planejamento, Monitoramento e Avaliação. Plano Estadual de Saúde: 2016/2019 [Internet]. Porto Alegre (RS); 2016 [acesso em 2020 abr 20]. Disponível em: https://saude.rs.gov.br/upload/arquivos/201701/05153251-pes-2016-2019-sesrs.pdf

Kami MTM, Larocca LM, Chaves MMN, Lowen IMV, Souza VMP, Goto DYN. Working in the street clinic: use of IRAMUTEQ software on the support of qualitative research. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2016;20(3):e20160069. doi: 10.5935/1414-8145.20160069

Minayo MCS. Amostragem e saturação em pesquisa qualitativa: consensos e controvérsias. Rev Pesqui Qual [Internet]. 2017 [acesso em 2020 fev 09];5(7):1-12 Disponível em: https://editora.sepq.org.br/index.php/rpq/article/view/82/59

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14ª ed. São Paulo: Hucitec; 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2013. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html. Acesso em: 10 out. 2019.

Aoki M, Silva RM, Souto ACF, Oliver FC. Pessoas com deficiência e a construção de estratégias comunitárias para promover a participação no mundo do trabalho. Rev Bras Educ Espec. 2018;24(4): 517-34. doi: 10.1590/s1413-65382418000500004

Visagie S, Swartz L. “There is nothing wrong with me”: disability invisibility in a rural South African town. Disabil Rehabil. 2017;40(15):1799-807. doi: 10.1080/09638288.2017.1313909

Senjam SS, Singh A. Addressing the health needs of people with disabilities in India. Indian J Public Health. 2020;64(1):79-82. doi: 10.4103/ijph.IJPH_27_19

Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília (DF): UNESCO, Ministério da Saúde; 2002.

Vergunst R, Swartz L, Hem KG, Eide AH, Mannan H, MacLachlan M, et al. Access to health care for persons with disabilities in rural South Africa. BMC Health Serv Res. 2017;17:741. doi: 10.1186/s12913-017-2674-5

BRASIL. Decreto nº 6.949, de 25 de agosto de 2009. Promulga a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu protocolo facultativo, assinados em Nova York, em 30 de março de 2007. Brasília, DF: Presidência da República, 2009. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d6949.htm. Acesso em 14 jun. 2019.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a lei brasileira de inclusão da pessoa com deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília, DF: Presidência da República, 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm. Acesso em 14 jun. 2019.

Neves-Silva P, Prais FG, Silveira AM. The inclusion of disabled persons in the labor market in Belo Horizonte, Brazil: scenario and perspective. Ciênc Saúde Colet. 2015;20(8):2549-58. doi: 10.1590/1413-81232015208.17802014

Cometto G, Ford N, Pfaffman-Zambruni J, Akl EA, Lehmann U, McPake B, et al. Health policy and system support to optimize community health worker programmes: an abridged WHO guideline. Lancet Glob Health. 2018;6(12):e1397-404. doi: 10.1016/S2214-109X(18)30482-0

Braathen SH, Munthali A, Grut L. Explanatory models for disability: perspectives of health providers working in Malawi. Disabil Soc. 2015;30(9):1382-96. doi: 10.1080/09687599.2015.1099517

Lopes FRL, Monteiro KS, Figueiredo T, Wanderley TC, Pequeno TA, Lima S, et al. Reliability of information on people with disabilities gathered by community health workers in highly consanguineous communities of Northeastern Brazil. BMC Health Serv Res. 2017;17:317. doi: 10.1186/s12913-017-2267-3




DOI: https://doi.org/10.5902/2179769239660

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este site está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.