Boas práticas de assistência ao parto e nascimento: percepções de enfermeiras da atenção básica

Luana Fietz da Silva Raznievski, Fernanda Almeida Fettermann, Andriele Berger da Rosa, Juliana Silveira Bordignon, Hilda Maria Barbosa de Freitas, Daiany saldanha da silveira Donaduzzi

Resumo


Objetivo: identificar as percepções de enfermeiras da Atenção Básica sobre as boas práticas de assistência ao parto e nascimento na perspectiva das Práticas Baseadas em Evidências. Método: estudo descritivo, exploratório, qualitativo, realizado em abril e maio de 2018, com 20 enfermeiras de uma cidade localizada na região central do Estado do Rio Grande do Sul/Brasil. Utilizou-se entrevista semiestruturada e questionário de levantamento de dados sociodemográficos e a Análise de Conteúdo. Resultados: as enfermeiras percebem o pré-natal como um momento para orientar as gestantes para que tenham autonomia e empoderamento, porém, os profissionais não receberam qualificação para as orientações relacionadas às boas práticas de assistência ao parto e nascimento. Conclusão: o processo de trabalho das enfermeiras deve ser apoiado por uma educação permanente que considere a prática assistencial sustentada por evidências científicas.


Palavras-chave


Atenção Básica; Enfermagem; Saúde da Mulher;

Referências


Andrade RD, Santos JS, Maia MAC, Mello DF. Fatores relacionados à saúde da mulher no puerpério e repercussões na saúde da criança. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2015;19(1):181-6. doi: https://doi.org/10.5935/1414-8145.20150025

Melo GP, Andreto LM, Araújo VMG, Holanda VR. Elaboração e validação do protocolo assistencial de enfermagem para sala de pré-parto, parto e pós-parto. Rev Eletrônica Enferm. 2016;18:e1204. doi: https://doi.org/10.5216/ree.v18.40589

Sodré TM, Merighi MAB, Bonadio IC. Escolha informada no parto: um pensar para o cuidado centrado nas necessidades da mulher. Cienc Cuid Saude. 2012;11:115-20. doi: 10.4025/cienccuidsaude.v10i5.17062

Apolinário D, Rabelo M, Woff LDG, Souza SRRK, Leal GCG. Práticas na atenção ao parto e nascimento sob a perspectiva das puérperas. Rev Rene (Online). 2016;17(1)20-8. doi: 10.15253/2175-6783.2016000100004

Pimenta CAM, Pastana ICASS, Sichieri K, Solha RKT, Souza W. Guia para construção de protocolos assistenciais de enfermagem. São Paulo: COREN-SP; 2015.

Pedraza DF. Assistência ao pré-natal, parto e pós-parto no município de Campina Grande, Paraíba. Cad Saúde Colet (Rio J). 2016;24(4):460-7. doi: 10.1590/1414-462X201600040092

Oliveira PS, Couto TM, Gomes NP, Campos LM, Lima KTRS, Barral FE. Boas práticas no processo de parto: concepções de enfermeiras obstétricas. Rev Bras Enferm. 2019;72(2):475-83. doi: 10.1590/0034-7167-2018-0477

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 13ª ed. São Paulo: Hucitec; 2013.

Hoelz JC, Bataglia W. O uso de vinhetas em estudos qualitativos: análise da aplicação em uma pesquisa da área de Administração. Atas CIAIQ2015. 2015;3:64-9.

Gil AC. métodos e técnicas de pesquisa social. 6ª ed. São Paulo: Atlas; 2012.

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Divulga as diretrizes e normas regulamentadoras das pesquisas e testes em seres humanos. Diário Oficial da União: Seção 1, Brasília, DF, n. 112, p. 59, 13 jun. 2013.

Dorneles TC, Oliveira IC, Weiller TH, Silveira ML, Kuinchtner GC. O residente multiprofissional na construção da planificação da atenção primária à saúde: relato de experiência. Tempus (Brasília). 2016;10(4):319-29. doi: http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v11i1.2329

Danski MTR, Oliveira GLR, Pedrolo E, Lind J, Johann DA. Importância da prática baseada em evidências nos processos de trabalho do enfermeiro. Ciência Cuid Saude. 2017;16(2). doi: https://doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v16i2.36304

Ministério da Saúde (BR). Diretrizes nacionais de assistência ao parto normal. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2017.

Ribeiro JF, Luz VL, Sousa AS, Silva GLL, Feitosa VC, Sousa MFA. Contribuição do pré-natal para o parto normal na concepção do enfermeiro da estratégia saúde da família. Rev Interdiscip [Internet]. 2016 [acesso em 2020 abr 17];9(1):161-70. Disponível em: https://revistainterdisciplinar.uninovafapi.edu.br/index.php/revinter/article/view/521

Quental LLC, Nascimento LCCC, Leal LC, Davim RMB, Cunha ICBC. Práticas educativas com gestantes na atenção primária à saúde. Rer Enferm UFPE On Line. 2017;11(12):5370-81. doi: 10.5205/1981-8963-v11i12a23138p5370-5381-2017

Viellas EF, Domingues RMSM, Dias MAB, Gama SGN, Theme Filha MM, Costa JV, et al. Assistência pré-natal no Brasil. Cad Saúde Pública. 2014; 30 Supl 1:S85-S100. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00126013

Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na Enfermagem. Texto & Contexto Enferm. 2008;17(4):758-64. doi: https://doi.org/10.1590/S0104-07072008000400018

Silva TC, Bisognin P, Prates LA, Bortoli CFC, Oliveira G, Ressel LB. Práticas de atenção ao parto e nascimento: uma revisão integrativa. Rev Enferm Cent Oeste Min. 2017;7:e1294. doi: 10.19175/recom.v7i0.1294

Andrade PON, Silva JQP, Diniz CMM, Caminha MFC. Fatores associados à violência obstétrica na assistência ao parto vaginal em uma maternidade de alta complexidade em Recife, Pernambuco. Rev Bras Saúde Mater Infant (Online). 2016;16(1):29-37. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1806-93042016000100004

Ministério da Saúde (BR). Diretrizes nacionais de assistência ao parto normal: versão resumida. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2017.

Conselho Federal de Enfermagem (BR). Parecer de relator vistas nº 338/2016. Brasília (DF): COFEN;2016.

Gonçalves MF, Teixeira EMB, Silva MAS, Corsi NM, Ferrari RAP, Pelloso SM, et al. Pré-natal: preparo para o parto na atenção primária à saúde no sul do Brasil. Rev Gaúch Enferm. 2018;38(3):1-8. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2017.03.2016-0063

Lansky S, Friche AAL, Silva AAM, Campos D, Bittencourt SDA, Carvalho ML, Frias PG, et al. Pesquisa nascer no Brasil: perfil da mortalidade neonatal e avaliação da assistência à gestante e ao recém-nascido. Cad Saúde Pública (Online). 2014;30:192-207. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00133213




DOI: https://doi.org/10.5902/2179769238887

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este site está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.