Análise da rede social de um centro de atenção psicossocial álcool e drogas

Débora Schlotefeldt Siniak, Leandro Barbosa de Pinho, João Nunes Maidana Júnior, Marciele Barcelos Ávila, Vanessa Alvez Mora da Silva

Resumo


Objetivo: investigar a rede social de um Centro de Atenção Psicossocial para álcool e outras drogas (CAPS AD) a partir dos encaminhamentos e recebimentos de casos. Método: quantitativo, descritivo, realizado em um município do Estado do Rio Grande do Sul, Brasil. A coleta de dados ocorreu de agosto a dezembro de 2017, por meio de roda de conversa, aplicação de questionário em formato de Escala Likert e construção de sociogramas, analisadas pela Análise de Redes Sociais; participaram do estudo 13 profissionais. Resultados: havia 37 atores envolvidos de forma direta ou indireta no cuidado às pessoas que usam drogas. O CAPS AD e a Estratégia Saúde da Família são alguns dos principais serviços que encaminham e recebem demandas dessa população. Conclusão: são necessárias a descentralização da rede e conectividade entre os atores, e pensar em formas de atuação conjunta que propiciem a construção de um sistema integrado e cooperativo.


Palavras-chave


Saúde mental; Serviços de saúde mental; Assistência em Saúde; Rede social; Transtornos relacionados ao uso de substâncias

Referências


Ministério da Justiça e Cidadania (BR), Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas. Módulo 1: o uso de substâncias psicoativas no Brasil [Internet]. Brasília (DF): Ministério da Justiça e Cidadania; 2017 [acesso em 2020 out 30]. Disponível em: https://www.supera.org.br/@/material/mtd/pdf/SUP/SUP_Mod1.pdf

United Nations Office on Drugs and Crime (UNODC). World Drug Report 2018 [Internet]. New York: UNODC; 2018 [cited 2020 Oct 30]. Available from: https://www.unodc.org/wdr2018/

Mateus MD, organizador. Políticas de saúde mental: baseado no curso Políticas públicas de saúde mental, do CAPS Professor Luiz da Rocha Cerqueira [Internet]. São Paulo: Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo; 2013 [acesso em 2020 out 30]. Disponível em: https://www.researchgate.net/profile/Denise_Razzouk/publication/286916533_Economia_em_Saude_Mental_Mental_Health_Economics/links/566f303e08ae486986b701a2/Economia-em-Saude-Mental-Mental-Health-Economics.pdf

Camatta MW, Siniak DS, Schneider JF, Pinho LB, Eslabão AD, Ribeiro DB. Concepções de gestores de serviços de saúde sobre a rede de atenção psicossocial a usuários de crack. REME Rev Min Enferm [Internet]. 2020 [cited 2020 Oct 30];24:e-1293. Available from: https://www.reme.org.br/artigo/detalhes/1439

Eslabão AD, Coimbra VCC, Kantorski LP, Pinho LB, Santos EO. Mental health care network: the views of coordinators of the Family Health Strategy (FHS). Rev Gaúcha Enferm. 2017;38(1):e60973. doi: https://doi.org/10.1590/1983-1447.2017.01.60973

Costa PHA, Martins LF, Medeiros AX, Salgado JA, Silva WMD, Ronzani TM, et al. Referral and counter-referral system in the care network for drug users: contributions from social network analysis. Cad Saúde Coletiva. 2015;23(3):245-52. doi: https://doi.org/10.1590/1414-462X201500030129

Costa PHA, Mota DCB, Paiva FS, Ronzani TM. Desatando a trama das redes assistenciais sobre drogas: uma revisão narrativa da literatura. Ciênc Saúde Colet. 2015;20(2):395-406. doi: https://doi.org/10.1590/1413-81232015202.20682013

Milward HB, Provan KG. Measuring network structure. Public Administr. 2002;76(2):387-407. doi: https://doi.org/10.1111/1467-9299.00106

Costa PHA, Ronzani TM, Colugnati FAB. No meio do caminho tinha um CAPSAD: centralidade e lógica assistencial da rede de atenção aos usuários de drogas. Ciênc Saúde Colet. 2018;23(10):3233-45. doi: https://doi.org/10.1590/1413-812320182310.12572018

Dantas NF, Passos ICF. Apoio matricial em saúde mental no SUS de Belo Horizonte: perspectiva dos trabalhadores. Trab Educ Saúde. 2018;16(1):201-20. doi: 10.1590/1981-7746-sol00097

Silveira MAP, Farina MC. Análise de redes sociais como ferramenta que contribui para a melhoria das relações entre empresas participantes de um APL de eventos. Redes (St Cruz Sul) [Internet]; 2012 [acesso em 2020 out 30];17(1):33-54. Disponível em: https://online.unisc.br/seer/index.php/redes/article/view/2384

Sabot K, Wickremasinghe D, Blanchet K, Avan B, Schellenberg J. Use of social network analysis methods to study professional advice and performance among healthcare providers: a systematic review. Syst Rev. 2017;6(208). doi: https://doi.org/10.1186/s13643-017-0597-1

Pinho LB, Wetzel C, Schneider JF, Olschowsky A, Camatta MW, Kohlrausch ER, et al. Evaluation of intersectoral resources in the composition of care networks for crack users. Esc Anna Nery. 2017;21(4):e20170149. doi: https://doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2017-0149

Paula ML, Jorge MSB, Lima LL, Bezerra IC. Experiences of adolescent crack users and their relatives with psychosocial care and institucionalization. Ciênc Saúde Coletiva. 2017;22(8):2735-44. doi: https://doi.org/10.1590/1413-81232017228.22892015

Siniak DS, Pinho LB. Emotional support received by families state of the crack users. Rev Enferm UFPE Online [Internet]. 2015 [cited 2020 Oct 30];9(3):7656-63. Available from: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/10505

Claus MIS, Zerbetto SR, Gonçalves AMS, Galon T, Andrade LGZ, Oliveira FC. As forças familiares no contexto da dependência de substâncias psicoativas. Esc Anna Nery. 2018;22(4):e20180180. doi: https://doi.org/10.1590/2177-9465-EAN-2018-0180

Pinho LB, Wetzel C, Schneider JF, Olschowsky A, Camatta MW, Kohlrausch ER, et al. Assessment of components of crack users’ attention network. Rev Bras Enferm. 2020;73(1):e20170835. doi: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0835

Silva LM, Olschowsky A, Silva AB, Pavani FM, Wetzel C. Ações de intersetorialidade em saúde mental: uma revisão integrativa. Rev Pesq Cuid Fundam. 2019;11(3):763-70. doi: https://doi.org/10.9789/2175-5361.2019.v11i3.763-770

Lima MC, Gonçalves TR. Apoio matricial como estratégia de ordenação do cuidado em saúde mental. Trab Educ Saúde. 2020;18(1):e0023266. doi: https://doi.org/10.1590/1981-7746-sol00232

Campos DB, Bezerra IC, Jorge MSB. Produção do cuidado em saúde mental: práticas territoriais na rede psicossocial. Trab Educ Saúde. 2020;18(1):e0023167. doi: https://doi.org/10.1590/1981-7746-sol00231

Galhardi CC, Matsukura TS. O cotidiano de adolescentes em um Centro de Atenção Psicossocial de Álcool e outras Drogas: realidades e desafios. Cad Saúde Pública. 2018;34(3):e00150816. doi: https://doi.org/10.1590/0102-311x00150816

Romagnoli RC, Silva BC. A inserção do Conselho Tutelar na prática da intersetorialidade. Gerais (Univ Fed Juiz Fora). 2019;12(2). doi: http://dx.doi.org/10.36298/gerais2019120203

Costa PHA, Paiva FS. Revisão da literatura sobre as concepções dos profissionais de saúde sobre o uso de drogas no Brasil: modelo biomédico, naturalizações e moralismos. Physis. 2016;26(3):1009-31. doi: https://doi.org/10.1590/s0103-73312016000300015

Pettersen H, Landheim A, Skeie I, Biong S, Brodahl M, Oute J, et al. How social relationships influence substance use disorder recovery: a collaborative narrative study. Subst Abuse. 2019;9(13):1-8. doi: https://doi.org/10.1177/1178221819833379

Wenceslau LD, Ortega F. Mental health within primary health care and Global Mental Health: international perspectives and Brazilian context. Interface (Botucatu). 2015;19(55):1121-32. doi: https://doi.org/10.1590/1807-57622014.1152

Varela DSS, Sales IMM, Silva FMD, Monteiro CFS. Health network assisting users of alcohol, crack, and other drugs. Esc Anna Nery. 2015;20(2):296-302. doi: https://doi.org/10.5935/1414-8145.20160040




DOI: https://doi.org/10.5902/2179769248177

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este site está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.