Perfil epidemiológico das fissuras labiopalatais de crianças atendidas em um centro de referência paranaense

Fabiana Gonçalves de Oliveira Azevedo Matos, Kelly Jackelini Jorge dos Santos, Mariângela Monteiro de Melo Baltazar, Carlos Alexandre Molena Fernandes, Aline Fernanda Junges Marques, Mateus Souza da Luz

Resumo


Objetivo: analisar o perfil epidemiológico das fissuras labiopalatais de crianças atendidas em um centro de atenção e pesquisa em anomalias craniofaciais. Método: estudo epidemiológico, documental, transversal, que avaliou 116 crianças, com idade de zero a até 12 anos incompletos, com fissura labial e/ou palatina atendidas em um centro de referência do oeste do Paraná de fevereiro de 2013 a fevereiro de 2017 Resultados: houve predominância de pacientes do sexo masculino (n=67; 57,8%), residentes em Cascavel (n=58; 50%), com mais que 5 anos no momento da primeira consulta (n=41; 35,3%). As fissuras mais frequentes eram de extensão completa (n=56; 50,9%), do tipo labiopalatina (n=50; 43,1%) e unilaterais à esquerda (n=35; 44,3%). Conclusões: os dados obtidos estão de acordo com os achados da literatura e evidenciam a necessidade de medidas que viabilizem o acesso precoce das crianças fissuradas ao referido serviço especializado.


Palavras-chave


Saúde da criança; Fenda labial; Fissura palatina; Epidemiologia; Perfil de saúde

Referências


Borges–Osório MR, Robinson WM. Genética humana. 3ª ed. Porto Alegre (RS): Artmed; 2013.

Spina V, Psillakis JM, Lapa FS, Ferreira MC. Classificação das fissuras lábio-palatais: sugestão de modificação. Rev Hosp Clin Fac Med Univ São Paulo. 1972;27(1):5-6.

Tanikawa D, Alonso N. Fissuras Labio Palatais. In: Gemperli R, Munhoz AM, Marques Neto AZ. Fundamentos da cirurgia plástica. Rio de Janeiro (RJ): Thieme; 2015. Cap. 12.

Silva DP, Dornelles S, Paniagua LM, Costa SS, Collares MVM. Aspectos patofisiológicos do esfíncter velofaríngeo nas fissuras palatinas. Arq Int Otorrinolaringol [Internet]. 2008 [acesso em 2018 set 10];12(3):426-35. Disponível em: http://www.arquivosdeorl.org.br/conteudo/pdfForl/551.pdf

Cunha ECM, Fontana R, Fontana T, Silva WR, Moreira QVP, Garcias GL, et al. Antropometria e fatores de risco em recém-nascidos com fendas faciais. Rev Bras Epidemiol [Internet]. 2004 [acesso em 2004 set 20];7:417-22. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbepid/v7n4/05.pdf

Coutinho AL, Lima MC, Kitamura MAP, Neto JF, Pereira RM. Perfil epidemiológico dos portadores de fissuras orofaciais atendidos em um Centro de Referência do Nordeste do Brasil. Rev Bras Saúde Mater Infant [Internet]. 2009 [acesso em 2018 out 10];9(2):149-56. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbsmi/v9n2/a04v9n2.pdf

Menezes LM, Rizzatto SMD, Azeredo FVDA. Characteristics and distribution of dental anomalies in a Brazilian cleft population. Rev Odonto Ciênc [Internet]. 2010 [acesso em 2018 set 15];25(2):137-41. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/roc/v25n2/06.pdf

Cymrot M, Sales FCD, Teixeira FAA, Teixeira Junior FAA, Teixeira GSB, Cunha Filho JF, et al. Prevalência dos tipos de fissura em pacientes com fissuras labiopalatinas atendidos em um Hospital Pediátrico do Nordeste brasileiro. Rev Bras Cir Plást [Internet]. 2010 [acesso em 2018 set 23];25(4):648-51. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1983-51752010000400015

Di Ninno CQMS, Fonseca LFN, Pimenta MVE, Vieira ZG, Fonseca JA, Miranda ICC, et al. Levantamento epidemiológico dos pacientes portadores de fissura de lábio e/ou palato de um centro especializado de Belo Horizonte. Rev CEFAC [Internet]. 2011 [acesso em 2018 out 20];13(6):1002-8. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-18462011005000046

Gardenal M, Bastos PRHO, Pontes ERJC, Bogo D. Prevalência das fissuras orofaciais diagnosticadas em um serviço de referência em casos residentes no estado de Mato Grosso do Sul. Arquivos Int Otorrinolaringol [Internet]. 2011 [acesso em 2018 out 23];15(2):133-41. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1809-48722011000200003

Figueirêdo CJR, Vasconcelos WKS, Maciel SSSV, Maciel WV, Gondim LAM, Tassitano RM. Prevalência de fissuras orais no Estado do Rio Grande do Norte, Brasil, entre 2000 e 2005. Rev Paul Pediatr [Internet]. 2011 [acesso em 2018 out 23];29(1):29-34. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-05822011000100005

Rebouças PD, Moreira MM, Chagas, MLB, Cunha Filho JF. Prevalência de fissuras labiopalatinas em um hospital de referência do nordeste do Brasil. Rev Bras Odontol [Internet]. 2014 [acesso em 2018 out 25];71(1):39-41. Disponível em: http://revista.aborj.org.br/index.php/rbo/article/viewFile/487/401

Xavier KM, Britto DBO, Di Ninno CQMS. Fissura palatina: prevalência regional no estado de Minas Gerais em centro especializado referencial. Rev Méd Minas Gerais [Internet]. 2015 [acesso em 2018 out 25];25(2):157-61. Disponível em: http://rmmg.org/exportar-pdf/1768/v25n2a03.pdf

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 126 SAS/MS, de 17 de setembro de 1993. Cria grupos e procedimentos para tratamento de lesões labiopalatais na tabela SIH/SUS e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília (DF); 21 set 1993. Seção 1, p. 12.

Ministério da Saúde (BR). Reduzindo as desigualdades e ampliando o acesso à assistência à saúde no Brasil 1998-2002. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2002.

Freitas MCA, Batista TS, Pereira MCG, Brandão MM, Marianetti LVS, Almeida PP. Estudo epidemiológico das fissuras labiopalatinas na Bahia. Rev Uningá [Internet]. 2018 [acesso em 2018 out 25];37(1):13-22. Disponível em: http://revista.uninga.br/index.php/uninga/article/view/1127

Amstalden-Mendes LG, Xavier AC, Antunes DK, Ferreira ACRG, Tonocchi R, Fett-conte AC, et al. Estudo multicêntrico da época do diagnóstico de fendas orais. J Pediatr (Rio J) [Internet]. 2011 [acesso em 2018 out 23];87(3):225-30. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0021-75572011000300008&script=sci_abstract&tlng=pt

Freitas JAS, Dalben GS, Santamaria JM, Freitas PZ. Informações atuais sobre a caracterização das fissuras orofaciais no Brasil. Braz Oral Res. 2004;18(2):128-33.

Loffredo LCM, Freitas JAS, Grigolli AAG. Prevalência de fissuras orais de 1975 a 1994. Rev Saúde Pública [Internet]. 2001 [acesso em 2018 out 25];35(6):571-5. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102001000600011

Magdalenic-Mestrovic M, Bagatin M. An epidemiological study of orofacial clefts in Croatia 1988-1998. J Craniomaxillofac Surg [Internet]. 2005 [acesso em 2018 set 23];33(2):85-90. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15804585

Loffredo LCM, Souza JMP, Yunes J, Freitas JAS, Spiri WC. Fissuras labiais: estudo caso-controle. Rev Saúde Pública [Internet]. 1994 [acesso em 2018 out 25];28(3):213-7. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-89101994000300009&script=sci_abstract&tlng=pt

Dutra LS, Ferreira AP. Associação entre malformações congênitas e a utilização de agrotóxicos em monoculturas no Paraná, Brasil. Saúde Debate [Internet]. 2017 [acesso em 2018 out 08];41(N Esp 2):241-53. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-11042017000600241&script=sci_abstract&tlng=pt

Beluci ML, Barros SP, Fontes CMB, Trettene A, Mondini CCSD. Nursing diagnoses and interventions in postoperative alveolar bone graft patients. Rev Enferm UERJ [Internet]. 2017 [acesso em 2020 fev 20];25:e19872. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/enfermagemuerj/article/view/19872/24272

Silva Filho OG, Freitas JAS, Okada T. Fissuras labiopalatais: diagnóstico e uma filosofia interdisciplinar de tratamento. In: Pinto VG. Saúde Bucal Coletiva. 4ª ed. São Paulo (SP): Santos; 2000. p. 480-527.

Melgaço CA, Di Ninno CQMS, Penna LM, Vale MPP. Aspecto ortodôntico/ortopédicos e fonoaudiológicos relacionados a pacientes portadores de fissuras labiopalatinas. J Bras Ortodon Ortop Facial [Internet]. 2002 [acesso em 2018 out 10];7(37):23-32. Disponível em: http://pesquisa.bvs.br/brasil/resource/pt/lil-317097




DOI: https://doi.org/10.5902/2179769238654

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este site está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.