Os resíduos sólidos hospitalares na cidade de Eirunepé - Amazonas

Charly Ferreira Menezes, Nágila dos santos Situba

Resumo


O gerenciamento dos resíduos sólidos hospitalares tornou-se, nos dias atuais, uma questão essencial para a saúde humana e para a preservação e conservação da natureza. Por este motivo, o acondicionamento, a coleta, o transporte, o tratamento e a disposição final são fases importantes, que possibilitam a promoção de saúde pública, bem-estar social e viabilidade econômica. Neste sentido, analisar o gerenciamento dos resíduos sólidos hospitalares na cidade de Eirunepé – Amazonas foi o objetivo deste estudo, que se apresenta como uma possibilidade de espacialização da temática socioambiental. A cidade em estudo localiza-se a sudoeste da capital do Estado do Amazonas, possui 34.840 habitantes e densidade demográfica de 2,04 hab./km2. O método utilizado para explicar a problemática foi o materialismo histórico e dialético, e a metodologia utilizada baseou-se em pesquisa documental e pesquisa de campo. Os resultados obtidos mostraram que, o Hospital Regional Vinicius Conrado não dispõe de um Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde (PGRSS); a cidade deposita todas as origens de resíduos sólidos em um lixão a céu aberto. Em relação ao saneamento básico, a cidade tem Estação de tratamento de Água, limpeza urbana, porém o esgoto da cidade não é tratado e vai diretamente para o rio Juruá.


Palavras-chave


Resíduos hospitalares; Lixão; Legislação; Eirunepé

Texto completo:

HTML PDF

Referências


ABRELPE. Panorama dos resíduos sólidos no Brasil. 2018/2019. Disponível em: http://abrelpe.org.br/download-panorama-2018-2019/. Acesso: 30/08/2019.

ABRELPE. Panorama dos resíduos sólidos no Brasil. 2015. Disponível em: http://abrelpe.org.br/download-panorama-2015/. Acesso: 30/08/2019.

ABRELPE. Panorama dos resíduos sólidos no Brasil. 2016. Disponível em: http://abrelpe.org.br/download-panorama-2016/. Acesso: 30/08/2019.

ABRELPE. Estimativas dos custos para viabilizar a universalização da destinação adequada de resíduos sólidos no Brasil. São Paulo, Junho de 2015. Disponível em: file:///C:/Users/Cleocivan/Desktop/Artigo%20Charly/estimativa_dos_custos.pdf. Acesso: 30/08/2019

BRASIL. Resolução ANVISA RDC No 306/2004. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/documents/33880/2568070/res0306_07_12_2004.pdf/95eac678-d441-4033-a5ab-f0276d56aaa6. Acesso: 08/09/2019.

BRASIL. Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei nº 12.305/2010). Disponível em: http:/www.planalto.gov.br/ccivil_03/ato 1to 2007-2010/lei/12305.htm. Acesso: 09/08/2018.

BRASIL. Resolução n 358, 29 de Abril de 2005. Disponível em: http://www.siam.mg.gov.br/sla/download.pdf?idNorma=5046. Acesso: 09/08/2019.

CALDERONI, Sabetai. Os bilhões Perdidos no Lixo. 4.ed. São Paulo: Humanitas Editora FFLCH/USP, 2003.

COUTINHO, R. S. S.; CARVALHO, A. M.. Discutir a relação: resíduos de serviço de saúde, impactos ambientais e ação educativa. Candombá Revista Virtual, v. 3, p. 81-14, 2007. Disponível em: http://www.mpdft.mp.br/saude/images/Meio_ambiente/Discutir_rela%C3%A7%C3%A3o.pdf. Acesso: 28/07/2019.

COSTA, Marcus A.G.. Poluição ambiental: herança para gerações futuras. Santa Maria: Orium, 2004.

GOMES, Paulo César da Costa. Geografia e modernidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996.

LEFEBVRE, Henri. A vida cotidiana no mundo moderno. São Paulo: Ática, 1991.

MENEZES, S. H. da C. Tratamento e disposição final de resíduos de medicamentos quimioterápicos e de rejeitos radioterápicos: Estudo comparativo entre a legislação internacional e a brasileira. Dissertação de Mestrado em Saúde Pública, Fiocruz, 2008.

SANTOS, Maria Cristina dos; TOPAN, Claúdia Saldanha de Oliveira; LIMA, Ellen Rabelo. Lixo: curiosidades e conceitos. Manaus: Editora da Universidade Federal do Amazonas, 2002.

SANTOS, Milton. Técnica, Espaço, Tempo: Globalização e Meio Técnicos-científico-informacional. 5 ed. – São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2013.

SANTOS, Milton. Pobreza Urbana. 3.ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2013.

SANTOS, Milton. Espaço e método. 5 ed. – São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2014.

SANTOS, Milton. Urbanização Brasileira. 5 ed. – São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2018.

SANTOS, Milton. Metamorfose do espaço habitado: fundamentos teóricos e metodológicos da geografia. 5 ed. – São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2014.

SANTOS, Milton. Da totalidade ao lugar. 1 ed. – São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2014.

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro: Record, 2008.

SANTOS, Milton. A natureza do Espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção. 4 ed. – São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2017.

SANTOS, Milton; SILVEIRA, Maria Laura. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. São Paulo, Editora Record, 2001.

SANTOS, Milton. O espaço dividido: Os dois circuitos da Economia urbana dos países subdesenvolvidos. 2 ed. – São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2018.

SCHOR, Tatiana; MORAES, A. O. O papel dos núcleos urbanos na manutenção da vida. In: Gustavo Viera Peixoto Cruz; Saulo Andrade. (Org.). Rio Negro, Manaus e as Mudanças no Clima. São Paulo: Instituto Sociambiental, 2008, v. , p. 47-52.

SCHOR, Tatiana. As cidades invisíveis da Amazônia Brasileira. Mercator (Fortaleza. Online), v. 12, p. 67-84, 2013.

SILVA, Alexandre D. ; OLIVEIRA, J. A. ; SCHOR, Tatiana. Entre rios, florestas e urubus: para onde vai o lixo das cidades na Amazônia?. In: IV Encontro da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Ambiente e Sociedade IV ENANPPAS, 2008, Brasília. Anais do IV Encontro da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Ambiente e Sociedade IV ENANPPAS, 2008.

RODRIGUES, A. M.. Produção e Consumo do e no Espaço - Problemática Ambiental Urbana. 1º. ed. São Paulo: Hucitec, 1998. 240 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2236130841134

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.