Agroecologia, agricultoras sustentáveis e metodologia mesmis na região central do RS

Mauricio Machado Sena, Nayara Pasqualotto, Marielen Kaufmann

Resumo


Este trabalho investiga a contribuição dos agricultores familiares em transição Agroecológica, na Região do Território Central do Rio Grande do Sul, para a Agroecologia e Sustentabilidade. Foi elaborado a partir da metodologia Marco para la Evaluación de Sistemas de Manejo de Recursos Naturales incorporando Indicadores de Sustentabilidad, ou MESMIS,  utilizando-se de documentos, entrevistas e fotografias recolhidos entre abril de 2015 e junho de 2016, em oito (08) agroecossistemas em transição agroecológica. A partir desse grupo, questionamos como as concepções a respeito da Agroecologia contribuem para a manutenção da sustentabilidade. Apontamos, por fim, a importância das metodologias participativas, e do protagonismo dos agricultores familiares, na produção de projetos de desenvolvimento sustentável, pesquisas e trabalhos científicos relevantes que valorizem as experiências de construção e intercâmbio desses saberes e conhecimentos.

Palavras-chave


Sustentabilidade; Agroecologia; Metodologias Participativas; MESMIS

Texto completo:

PDF (English)

Referências


ALTIERI, M. Agroecologia: bases científicas para uma agricultura sustentável. ed. Expressão Popular: São Paulo, 2012.

CAPORAL, F. R.; COSTABEBER, J. A. Agroecologia: alguns conceitos e princípios. Brasília: MDA/SAF/DATER-IICA, 2004

CAPORAL, F.R.; COSTABEBER, J. A; G. PAULUS. Agroecologia: matriz disciplinar ou novo paradigma para desenvolvimento rural sustentável. Florianópolis: III Congresso Brasileiro de Agroecologia. 2005.

CHAMBERS, R. Participatory Rural Appraisals: past, present and future. Forests, Trees and People Newsletter.Roma: FAO, n. 15/16, p. 4-9, fev. 1992.

Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. Nosso futuro comum. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1991.

COSTABEBER, J. A.; Acción Colectiva y Procesos de Transición Agroecológica en Rio Grande do Sul, Brasil. 1998. 422f. Tese (Doutorado) - Escuela Técnica Superior de Ingenieros Agrónomos y de Montes, Universidad de Córdoba, Córdoba, 1998.

FREIRE, P. Extensão ou Comunicação?. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977

GLIESSMAN, S. R. et. al. Agroecología: promoviendo una transición hacia la sostenibilidad. Ecosistemas. Espanha. v. 16, n. 1, p. 13-23. 2007.

GLIESSMAN, S. R.Agroecologia: Processos ecológicos em Agricultura Sustentável. Porto Alegre: UFRGS, 2000.

HABERMAS, J. Teoría de la acción comunicativa. Madrid: Taurus, 1987.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Agropecuário – 2006. Brasil, 2006.

IBGE Cidades. Municípios do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul: Disponível em: Acessado em: 11/04/2017.

LEFF, E. Discursos Sustentáveis. São Paulo: Cortez. 2010.

MASERA, O.; ASTIER, M.; LOPEZ-RIDAURA, S. Sustentabilidad y manejo de recursos naturales: el marco de evaluación MESMIS. México: GIRA. 1999.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano. Estocolmo. 1972

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. Rio de Janeiro. 1992.

PASQUALOTTO, N. Avaliação da Sustentabilidade em Agroecossistemas Hortícolas, com Base de Produção na Agroecologia e na Agricultura Familiar, na Microrregião de Pato Branco – PR. 2013. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Regional), Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Pato Branco 2013.

SEVILLA GUZMAN, E. A perspectiva sociológica em Agroecologia: uma sistematização de seus métodos e técnicas. Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável, Porto Alegre, v.3, n.1, jan/mar, 2002

VERONA, L, A. A real sustentabilidade dos modelos de produção da agricultura Indicadores de sustentabilidade na agricultura.Associação Brasileira de Horticultura, v. 28, n. 2, julho, 2010




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2236130828853

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.