A interculturalidade da informação e a diplomacia: considerações sobre recursos hídricos

Felipe Vlaxio Lopes, Katia Viana Cavalcante

Resumo


O diálogo entre nações é um assunto delicado, assim como o tratamento da informação diplomática. A cooperação internacional entre políticas públicas então se torna complexa e essencial, cujos benefícios podem ser constatados a longo prazo. Este artigo tem o objetivo de compreender o manuseio da informação no contexto diplomático e suas influências na comunicação intercultural, delimitando o universo da pesquisa às políticas da água. A investigação trata também das questões éticas na gestão de bacias transnacionais, e aponta para as discussões sobre o uso da água doce e a administração dos recursos hídricos do planeta. Delineia também as possibilidades de conflitos transfronteiriços por causa dos bens hídricos compartilhados por duas ou mais nações. Discorre, outrossim, sobre as políticas externas e o exercício das atividades diplomáticas como estratégias nacionais para a prevenção de impasses interculturais e a promoção de um bem-estar global. As bibliografias consideradas não apenas discorrem sobre tais temas, mas também tratam dos fóruns internacionais entre os países que discutem a temática. Os resultados dizem respeito a uma interdisciplinaridade entre Informação, Diplomacia e Política. Espera-se, assim, contribuir para a visão acadêmica a fim de priorizar a referida pauta nas agendas governamentais e científicas.


Palavras-chave


Informação; Diplomacia; Política; Recursos hídricos

Texto completo:

PDF

Referências


Allan JA. The Middle East water question: hydropolitics and the global economy. Londres: I. B. Tauris

& Co. Ltd., 2002.

Almássy E. Inventory of transboundary groundwaters: working programme 1996/1999, v. 1.

Budapeste: Nações Unidas, 1999.

Brasil. Decreto Nº. 24.643, de 10 de julho de 1934. Código de Águas. Presidência da República

(Brasília). 1934 Jul 10. Available from: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d24643.htmBrundtland GH. Our common future. Oxford: Oxford University Press, 1987.

Coronato M; Imercio A. O Brasil pede água. Revista Época: Edição Verde, n. 825, São Paulo, 2014. São

Paulo: Globo, 2014.

Esteves JV. O contributo da gestão transfronteiriça dos recursos hídricos para a prevenção de conflitos

em África. Lisboa: Universidade de Lisboa, 2002. Available from:

http://pascal.iseg.utl.pt/~cesa/files/Doc_trabalho/14-JoaoVeigaEsteves.pdf

Freitas M; Castro Jr. WE. O ciclo hidrológico: Amazônia-homem-mundo. In: _______. Água:

dimensões e desafios. T&C Amazônia, n. 9, a. 4, Manaus, 2006. Manaus: FUCAPI, 2006.

HarmoniCop. Learning together to manage together: improving participation in water management.

Osnabrück: Druckhaus Bergman Osnabrück, 2002.

INPE. Taxas anuais PRODES. Brasília, DF: [s.n.], 2014. Available from:

http://www.obt.inpe.br/prodes/prodes_1988_2014.htm

Kliot N. Water resources and conflict in the Middle East. Londres: Routledge, 2005.

Nilsson S. Managing water according to river basins: information management, institutional

arrangements and strategic policy support with focus on the EU Water Framework Directive.

Estocolmo: KTH, 2006. Available from: http://kth.divaportal.org/smash/record.jsf?pid=diva2%3A11118&dswid=-1518

Oliveira AR. Conflitos transfronteiriços por recursos hídricos: tratados internacionais das bacias

Amazônica, do Congo e do Jordão. Revista Jus Navigandi, Teresina, n. 2722, a. 15, 14 dez. 2010.

Available from: http://jus.com.br/artigos/18026

Organização do Tratado de Cooperação Amazônica. Agenda estratégica de cooperação amazônica:

aprovada na X Reunião de Ministros de Relações Exteriores do TCA. Brasília, DF: [s.n.], 2010.

Available from: http://www.otca.org.br/portal/admin/_upload/apresentacao/AECA_prt.pdf

Pereira MRS; Rêgo PA. Gestão compartilhada de recursos hídricos em bacia transfronteiriça. Belo

Horizonte: Associação Brasileira do Ministério Público do Meio Ambiente, 2005. Available from:

http://webserver.mp.ac.gov.br/wpcontent/files/GESTO_COMPARTILHADA_DE_RECURSOS_HDRICOS_EM_BACIA_FRONTEIRIA.p

df

Raadgever GT; Mostert E; Kranz I; Interwies E; Timmerman JG. Assessing management regimes in

transboundary river basins: do they support adaptive management? Ecology and Science, v. 13, n. 1,

art. 14, 2008. Available from: http://www.ecologyandsociety.org/vol13/iss1/art14/

Saito CH; Steinke VA. Avaliação geoambiental do território brasileiro nas bacias hidrográficas

transfronteiriças. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, v. 6, n. 1, p. 189-221,

jan./abr., Taubaté-SP, 2010. Available from:

http://www.rbgdr.net/revista/index.php/rbgdr/article/viewArticle/267

Sant'anna FM. As fronteiras políticas na bacia amazônica e a cooperação para a utilização dos recursos

hídricos compartilhados. In: Anais do 12º Colóquio Internacional de Geocrítica, Bogotá, 2012. Bogotá:

Universitat de Barcelona, 2012. Available from: http://www.ub.edu/geocrit/coloquio2012/actas/05-FMello.pdf

Selborne L. A ética no uso da água doce: um levantamento. Brasília: UNESCO, 2001. (Série Meio

Ambiente, v. 3).

Sitarz D. (Ed.). Agenda 21: the Earth summit strategy to save our planet. Boulder, CO: EarthPress,

Stern SN. The economics of climate change: the Stern review. Cambridge: Cambridge University Press,

World Water Council. Constitution & by-laws: 2013-2015. Available from:

http://www.worldwatercouncil.org/fileadmin/world_water_council/documents/Constitution_ByLaws

_2013_2015.pdf




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2236130818118

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.