A indústria do resíduo: perfil das cooperativas de reciclagem e dos catadores de resíduos no estado do Rio de Janeiro

Rafael Alves Esteves

Resumo


A urbanização e o desenvolvimento da economia brasileira não tem sido suficientes para absorver e manter no mercado formal de trabalho uma parcela significativa da população. A crise social tem levado muitas pessoas a buscarem como forma de sobrevivência a catação de resíduos. Este trabalho busca traçar um perfil das cooperativas de reciclagem e dos catadores de resíduos à luz da sustentabilidade e do desenvolvimento sustentável. Subsidia uma reflexão sobre a importância destas organizações e de seus profissionais. A pesquisa mostra que a região Metropolitana é a que concentra maior número de cooperativas e de catadores no estado. No entanto, é a região Sul Fluminense em que os catadores conseguem maiores ganhos mensais. A maioria dos catadores são homens com idade de 25 a 45 anos e com o ensino fundamental incompleto. Reconhecem que contribuem para a problemática ambiental da sociedade e encontram na atividade de catar resíduos, uma forma de se reintegrarem na sociedade. Os resultados deste trabalho devem ser utilizados para desencadear reflexões, ampliar as discussões e mover ações de gestores públicos, visando melhorar as condições de trabalho destes profissionais, que são recursos humanos fundamentais para a gestão da sustentabilidade, minimizando os riscos à saúde e reduzir os prejuízos que os referidos materiais provocam para o meio ambiente.


Palavras-chave


Cooperativas de reciclagem; Catadores de resíduos; Gestão da sustentabilidade

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, M. Do lixo à cidadania: estratégias para a ação. Brasília, 2001.

BAQUERO, M.; CREMONENSE, D. Capital social: teoria e prática. Ijuí: Unijuí, 2006.

BARRETO, B. M. V. B. Telejornalismo e Meio Ambiente nas Bordas da Mata Atlântica: carências

e possibilidades em Itabuna, Bahia. Ilhéus-Bahia, Dissertação (mestrado em Desenvolvimento

Regional e Meio Ambiente), PRODEMA/Universidade Estadual de Santa Cruz, 2004.

BOSI, A. P. A Organização capitalista do trabalho “informal” O caso dos catadores de recicláveis.

Revista Brasileira de Ciências Sociais, 23(67), 101 – 191, 2008.

CAVALCANTE, V., DANTAS, M. Pesquisa qualitativa e pesquisa quantitativa. Ciências da

Informação em Revista. Recife, 2006.

CAVALCANTI, C.(org.) Desenvolvimento e Natureza: estudo para uma sociedade sustentável.

São Paulo: Cortez, 2003.

CEMPRE - Compromisso Empresarial para a Reciclagem. 2009. Relatório Geral. Disponível em

http://www.cempre.org.br/serv_duvidas.php. Acesso: 05 novembro 2012.

CHIKARMANE, Poornima. Integrating Waste Pickers into Municipal Solid Waste Management in

Pune, India. Políticas da WIEGO (Políticas Urbanas). No. 8. India, 2009.

FERREIRA, S. L., et al., Importância Ambiental do Trabalho dos Catadores de Materiais

Recicláveis em Goiânia Goiás Brasil. In: XXX Congreso Interamericano de Ingeniería Sanitaria y

Ambiental. Puntadel Este, Uruguay, 2006. Disponível em:

http://www.bvsde.paho.org/bvsaidis/uruguay30/BR05415_Rabelo.pdf. Acesso: 30 de agosto 2012.

FERREIRA, S.L. Os “catadores do lixo” na construção de uma nova cultura: a de separar o lixo e da

consciência ambiental. Maringá (PR) n. 07. Revista Urutágua - Revista Acadêmica Multidiciplinar.

FRAGA, A. B. O trabalho de quem vive do lixo: desigualdade social e suas dimensões simbólicas.

Polêmica. Rio de Janeiro, 2012.

FRANCO, M. A. R. Planejamento ambiental para a cidade sustentável. São Paulo, Annablume,

FUNDAÇÃO ALEXANDRE DE GUSMÃO – FUNAG. Instituto de Pesquisa de Relações

Internacionais do Governo Federal. As 15 maiores economias do mundo (2015). Disponível em:

http://www.funag.gov.br/ipri/index.php/equipe/47-informacoes/94-as-15-maiores-economias-domundo-em-pib-e-pib-ppp. Acesso em: 05 de maio de 2015.

GIL, Antônio C. Como elaborar projetos de pesquisa. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1998.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Projeção da população do Brasil. 2010.

Disponível em:

http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/noticia_impressao.php?id_noticia=1272. Acesso:

outubro 2012.

KICHENER. R. M., SAIDELLES. A. P. F., STUMM. E. P. M. Percepções e perfil dos catadores de

materiais recicláveis de uma cidade do RS. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento

Regional. v. 5, n. 3, p. 221-232, set-dez/2009, Taubaté, SP, Brasil.

LIMA, V. S.; CORDEIRO. J.S. Desafio do trabalho coletivo por cooperativa de catadores. Caso:

COOPERVIVA – Cooperativa de Trabalho dos Catadores de Material Reaproveitável de Rio Claro /

SP. In: III Colóquio Internacional de Epistemologia e Sociologia da Ciência da Administração, 2013,

Florianópolis.

MAGERA, M. Os empresários do lixo: um paradoxo da modernidade. Campinas: Átomo. 2003.

MARTINS, A. C., A Busca de proteção ao trabalho dos catadores de lixo recicláveis: análise da

experiência do Instituto lixo e Cidadania em Curitiba, PR. Dissertação (Mestrado) - Universidade

Federal de Ponta Grossa, Ponta Grossa, 2007.

MARTINS, C. H. B. Trabalhadores na reciclagem do lixo: dinâmicas econômicas, sócio-ambientais

e políticas na perspectiva do empreendedorismo. 2003. Tese de Doutorado (Sociologia). Programa de

Pós-Graduação em Sociologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2003, 211p.

MEDEIROS, L.F.R.; MACEDO, K.B. Catador de material reciclável: uma profissão para além da

sobrevivência?.Psicologia & Sociedade,18(2), 62-71, 2006.

MEDEIROS, L.F.R.; MACEDO, K.B. Profissão: catador de material reciclável, entre o viver e o

sobreviver. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, 3(2), 72-94, 2007.

MEIRELLES, D. R. S., GOMES, L. C. M. A Busca da Cidadania A Cooperativa de Catadores de

Materiais Recicláveis do Aterro Metropolitano de Jardim Gramacho, em Duque de Caxias – RJ.

Disponível em:

http://www.abep.nepo.unicamp.br/encontro2008/docsPDF/ABEP2008_1139.pdf. Acesso: 30

setembro 2012.

MIURA, P. C. O. Tornar-se catador: uma análise psicossocial. Dissertação (Mestrado) Pontifícia

Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2004.

NETO, A. L. G. C., et al., Consciência ambiental e os catadores de lixo do lixão da cidade do

Carpina–Pe. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, 19, 99-109, 2007.

OLIVEIRA, Maria M. Como fazer pesquisa qualitativa. Recife: Ed. Bagaço, 2005.

OLIVEIRA, N.M.S; et.al. Estudo Gravimétrico de Resíduos Vítreos domésticos do Lixão de

Campina Grande – PB. In: 51º Congresso Brasileiro de Cerâmica, 2007. Salvador – BA.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO (OCDE).

Relatório Territorial Brasil 2013. 2013. Disponível em: http://oglobo.globo.com/economia/brasil-temsegunda-pior-distribuicao-de-renda-em-ranking-da-ocde-7887116. Acesso em: 05 de maio de 2015.

PORTO, M. F. S. JUNCÁ, D. C. M., GONÇALVES, R. S., FILHOTE, M. I. F. Lixo, trabalho e saúde:

um estudo de caso com catadores em um aterro metropolitano no Rio de Janeiro, Brasil. Caderno

Saúde Pública, 20(6)1503-1514, 2004.

ROSADO, R. M. Por uma cartografia do lixo seco de Porto Alegre/RS/Brasil: Catadores,

complexidade e educação ambiental. In: V CongresoEuropeoCeisal de Latinoamericanistas, 2007,

Bruxelas.

SANTOS, J. G.; FERREIRA, C. E. V.; RAMALHO, A. M. C.; MACEDO, N. M. M. N. A importância

das cooperativas de reciclagem na gestão dos resíduos sólidos urbanos: um estudo em uma

cooperativa de Campina Grande – PB. In: XIV Seminário em Administração, 2011, São Paulo.

SILVA, E. R.; YAMAMURA, F. Y.; AGUIAR, L. V.; MONTENEGRO, M.; ALUISIO, U. Avaliação

das condições ambientais e de trabalho de uma cooperativa de catadores no Rio de Janeiro. In: V

Congresso Nacional de Excelência em Gestão, Anais... 2009, Niterói.

TEIXEIRA, M., MALHEIROS, T. M.M. Cooperativas de catadores de lixo – um processo de

inclusão social. Rio de Janeiro, 2010.

ZUCATTO, L. C.; ZEN, A. C.; BOLZAN, T. S. Cooperativa Popular de Catadores de Lixo Urbano e

o Desenvolvimento Sustentável de Pequenos Municípios: Um Estudo de Caso da CALIXO. In: X

Encontro Nacional de Gestão Empresarial e Meio Ambiente, 2008, Porto Alegre.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2236130817913

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.