Management diversity and human resources policies and practices in high education institutions

Geneia Lucas dos Santos, Fabio Lisboa Gaspar, Maria Beatriz Rodrigues, Juciele Marta Baldissarelli

Abstract


This article investigates the perception of the workers in High Education Institutions (HEIs) in the State of Santa Catarina (SC), it is based on six Human Resources policies, under the perspective of generational diversity. The research’s nature was quantitative, based on description and survey. Data collection was carried out using the scale of the Human Resources Policies and Practices (EPPRH), validated in Brazil by Demo in 2008. A total of 409 workers from eleven HEIs participated in the study. Comparatively, results were very similar, with averages close in the items investigated, comparing the generations baby boomers, X, Y e Z. It can be sustained that in the HR policies and practices in HEIs all generations usually converge on the thinking and perceptions related to them. The interviewees showed indifference or unawareness about the policies that were studied, since their existence and/or effectiveness were not expressly perceived, it would be advisable for HEI to re-think their proposals, models of implementation and dissemination of these themes. Further research is suggested in view of differences in the belonging of HEI workers, intersectionalities of diversity, and qualitative understanding of responses.


Full Text:

PDF

References


Almeida, A., & Botelho, D. (2006). Construção de questionários. In: Botelho, D. & Zouain, D. Pesquisa quantitativa em administração. São Paulo: Atlas.

Armstrong, M. (2009). Armstrong’s handbook of human resource management practice. 11. ed. London: Kogan Page.

Bastos, A. (1997). A escolha e o comprometimento com a carreira: um estudo entre profissionais e estudantes de administração. Revista de Administração, São Paulo, v.32. n.3, pp. 28-39.

Bastos, A. (2002). Comprometimento com o trabalho: padrões em diferentes contextos organizacionais. Revista de Administração de empresas, 42 (2), pp. 31-41.

Beuren, I. (org.). (2010). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. 3.ed. São Paulo: Atlas.

Bulgarelli, R. (2008). Diverso Somos Todos: valorização, promoção e gestão da diversidade nas organizações. Cultura, São Paulo.

Cordeiro, T., Freitag, B., Fischer, A., & Albuquerque, L. (2011). A questão das gerações no campo da gestão de pessoas: tema emergente? Revista de Carreiras e Pessoas, v. 3, nº 2, pp. 2-18.

Cox, T. & Blake, S. (1991). Managing cultural diversity: implications for organizational competitiveness. Academy of Management Executive; v. 5, n. 3.

Cox, T. (1994). Cultural diversity in organizations: theory, research and practice. São Francisco: Berrett-Koehler Publishers.

Cox, T. (2008). An update on the relationship between workforce diversity and organizational performance. Synergy and Diversity. Berlin.

Cross, E.Y. (1992). Making the Invisible Visible Healthcare. Forum, v. 35, nº 1.

Dancey, C. & Reidy, J. (2013). Estatística sem matemática para psicologia. Porto Alegre: Penso.

Demo, G. (2008). Desenvolvimento e validação da Escala de percepção de políticas de gestão de pessoas (EPPGP). RAM. Revista de Administração Mackenzie, v. 9, nº 6, pp. 70-101.

Demo, G., Fogaça, N., Nunes, I., Edrei, L. & Francischeto, L. (2011). Políticas de gestão de pessoas no novo milênio: cenário dos estudos publicados nos periódicos da área de administração entre 2000 e 2010. RAM, v. 12, n. 5, pp. 15-42.

Demo, G., Neiva, E., Nunes, I. & Rozzett, K. (2014). Políticas e práticas de recursos humanos. In: Siqueira, M. (Org.). Novas medidas do comportamento organizacional: ferramenta de diagnóstico e de gestão. Porto Alegre: Artmed.

Dessler, G. (2002). Human Ressource Management. New Jersey: Prentice Hall.

Dutra, J. (2006). Gestão de pessoas: modelo, processos, tendências e perspectivas. São Paulo: Atlas.

Esteves, S. (2000). O Dragão e a borboleta - Sustentabilidade e responsabilidade social nos negócios. São Paulo, AMCE.

Fleury, M. T. (2000). Gerenciando a Diversidade Cultural: Experiências de Empresas Brasileiras. RAE – Revista de Administração de Empresas, v. 40, nº 3 pp. 18-25.

Fonseca, J. (2002). Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC.

França, A. C. (1996). Indicadores Empresariais de Qualidade de Vida no Trabalho: esforço empresarial e satisfação dos empregados no ambiente de manufaturas com certificado ISO 9000. Tese de Doutorado, USP. São Paulo.

Gil, A. C. (2007). Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas.

Guest, D., Hoque, K. (1994). Yes, personnel does make a difference. Personnel Management, v. 26, n. 11, pp. 40-43.

Hair, J., Black, W., Badin, B., Anderson, R., & Tatham, R. (2009). Análise multivariada de dados. Porto Alegre: Bookman.

Hanashiro, D., Torres, C, Ferdman, B., & D’Amario, E. (2011). Medindo inclusão no ambiente organizacional: uma visão “Emic” da Escala de Comportamento Inclusivo. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brazil, 35.

Kandola, R., & Fullerton, J. (1994). Diversity: more than just an empty slogan. Personnel Management; V. 26, nº 11.

Lawrence, B., & Tolbert, P. (2007). Organizational demography and Individual Carrers. Handbook of Carrer Studies of Cornell University ILR School.

Legge, K. (1995). Human resource management: rhetorics and realities. London: Macmillan.

Lima, T., Paiva, L. E., Aderaldo Neto, E., & Aquino, J. P. (2015). Percepção de sucesso na carreira: semelhanças e diferenças entre profissionais do setor público. Revista de Carreiras e Pessoas (ReCaPe), v. 5, n. 1, pp. 18-33.

Lopes, F. (1999). Teoria institucional e gestão universitária - uma análise do processo de avaliação institucional na UNIJUÍ. Revista Eletrônica de Administração, v.5, nº 4.

Malhotra, N. (2001). Pesquisa de marketing. 3.ed. Porto Alegre: Bookman.

Mannheim, K. (1993). “El problema de las generaciones”. Revista Española de Investigaciones Sociológicas, n. 62, pp. 193-242.

Mannix, E., & Nealle, M. (2006). What diferences make a difference? Psychological Science in Public Interest. October.

Mazur, B. (2010). Cultural diversity in organizational theory and practice. Journal of Intercultural Management. v.2, n.2, pp. 5-15.

Monção Neto, J. (2000). Atividades administrativas, serviços de apoio, produção acadêmica: um diálogo necessário na reformulação estrutural da universidade.

Nkomo, S., & Cox, T. (1998). Diversidade e identidade nas organizações. In: Clegg, S. et al. Handbook de Estudos Organizacionais. São Paulo: Atlas.

Oliveira, S., Piccinini, V., & Bitencourt, B. (2011). Juventudes, Gerações e Trabalho: (re)situando a discussão sobre a Geração Y no Brasil. Anais do Encontro de Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho, João Pessoa, PB, Brazil, 3.

Pereira, J., & Hanashiro, D. (2007). A Gestão da Diversidade: uma Questão de Valorização ou de Dissolução das Diferenças? Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brazil, 32.

Pochmann, M. (2012). Nova classe média? o trabalho na base da pirâmide social brasileira. São Paulo: Boitempo Editorial.

Podsiadlowski, A., Groschke, D., Kogler, M., Springer, C., & Zee, K. (2013). Managing a culturally diverse workforce: Diversity perspectives in organizations. International Journal of Intercultural Relations, 37, pp. 159-175.

Pouget, P. (2010). Intégrer et Manager la Génération Y. Paris: Editions Vuibert.

Presotti, L. (2011). Gerenciar a diversidade cultural nas organizações: caminhos para a inclusão. Dissertação de mestrado. Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brazil.

Sales, R. (2016). Políticas de diversidade nas organizações: breve histórico, modelos e reflexões. INTERCOM, São Paulo.

Sampaio, H. (1991). Evolução do ensino superior brasileiro. São Paulo, NUPES, Documento de Trabalho, v. 8, p. 91.

Silveira, V., & Maestro, A. (2013). Gestão Estratégica de pessoas e Desempenho organizacional: uma análise teórica. Revista Pretexto, v. 14, nº 1 pp. 71-87.

Siqueira, A, Sales, R., & Fischer, R. (2016). Diversidade nas organizações: uma análise sistemática da produção acadêmica da área de Administração. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração. Rio de Janeiro, RJ, Brazil, 40.

Triadis, H. (2003). Corporate strategies for managing diversity in the global workplace. Human Resource Management: Perspectives, context, functions and outcomes, pp. 112–145.

Triguero-Sánchez, R., Peña-Vinces, J., Sánchez-Apellániz, M., & Guillen, J. (2018). Como melhorar o desempenho da empresa por meio da diversidade de colaboradores e da cultura organizacional. Rev. Bras. Gest. Neg. São Paulo, v. 20, nº 3, pp. 378-400.

Ulrich, D., Halbrook, R., Meder, D., Stuchlik, M., & Thorpe, S. (1991). Employee and customer attachment: synergies for competitive advantage. Human Resource Planning, v. 14, nº 2, pp. 89-103.

Ulrich, E., Dutra, J., & Nakata, L. (2008). Percepção sobre carreiras inteligentes: diferenças entre as gerações Y, X e baby boomers. Anais do Encontro da Assoc. Nacional de Pós-Graduação em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brazil, 32.




DOI: https://doi.org/10.5902/1983465936172


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

  

   

       

 

------

Revista de Administração da UFSM. Brazilian Journal of Management

Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil, eISSN 1983-4659