As relações Rússia – América Latina arregimentando processos cooperativos ao âmbito da CEPAL

Larlecianne Piccolli

Resumo


O presente trabalho objetiva analisar a possibilidade de arregimentar parcerias de cooperação internacional da Rússia com países latino americanos ao âmbito da CEPAL, e até que ponto eles atendem as premissas valorativas da Comissão. Para tanto, busca-se responder se há possiblidade de associar os projetos oriundos do novo impulso de cooperação entre Rússia e os países latino-americano ao escopo cepalino. A hipótese preliminar guia desta pesquisa indica que a Rússia está apta a se apresentar enquanto importante parceira aos países latino-americanos e caribenhos seja em termos econômicos, mas também político-estratégico, e que tal relacionamento possa servir enquanto oportunidade para alavancar projetos de caráter de cooperação técnica internacional que deem suporte ao desenvolvimento, seja econômico, social e/ou ambiental aos países envolvidos. Para desenvolver a pesquisa ponderou-se a análise de três passos analíticos, sucessivos e complementares: i) análise da CEPAL e a estrutura do pensamento cepalino acerca do desenvolvimento econômicos dos países; ii) a visão da CEPAL sobre a cooperação técnica e internacional enquanto alavanca do desenvolvimento; iii) a Rússia enquanto parceira dos países latino-americanos e caribenhos, em perspectiva histórica e na atual conjuntura. Os estudos que vinculam os temas aqui tratados são poucos e instigam a produção de novos conhecimentos. Ver-se-á ao final da pesquisa que os interesses geopolíticos estratégicos russos à região devem ser melhor aproveitados enquanto novas oportunidades para o desenvolvimento da América Latina.


Palavras-chave


CEPAL; América Latina; Rússia; cooperação internacional; desenvolvimento.

Texto completo:

PDF

Referências


BACIGALUPO, Graciela Zubelzú. “As Relações Russo-Brasileiras no Pós-Guerra Fria”. In: Revista Brasileira de Política Internacional, v. 43, n. 2, 2000, pp. 59-86.

BARRAGY, Terrence J. The Diplomatic Penetrationof Imperial Russia into South America. Wisconsin, 1961.

BEM, Judite Sanson de. Estado e economia na América Latina: a construção do pensamento neo-estruturalista cepalino. Passo Fundo: Clio, 2003

__________. Estado e Economia na América Latina: a Construção do Pensamento Neo-Estruturalista Cepalino. Porto Alegre, 2005. Disponível em: http://www.ufrgs.br/ppge/pcientifica/2005_10.pdf. Acesso em: 20 de julho de 2016.

__________. Uma análise da construção do pensamento neoestruturalista cepalino: as contribuições da crise e do pensamento liberal à redefinição do papel do estado na América Latina. Tese de Doutorado. Porto Alegre: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUC/RS, 2001.

BIELSCHOWSKY, Ricardo. “Cincuenta años del pensamiento de la Cepal: una reseña”. In: BIELSCHOWSKY, Ricardo. Cincuenta años de pensamiento em la CEPAL: textos selecionados. Santiago: CEPAL, 1998. pp. 9-61.

BOERSNER, Demetrio. Relaciones Internacionales de America Latina: breve historia. Caracas: Nueva Sociedad, 1996.

BRESSER-PEREIRA, Luis Carlos. “Estratégia Nacional e Desenvolvimentismo”. In: Revista de Economia Política, v. 26, n. 2, abr./jun., 2006, pp. 203-230.

CEPAL, Comissão Econômica para América Latina e Caribe. A Cooperação Internacional no Novo Contexto Mundial: reflexões da América Latina e do Caribe. Brasília: CEPAL, 2010.

__________. Informe de las Actividades de Cooperación Técnica realizadas por el sistema de la CEPAL durante el biênio 2014-2015. Ciudad de México: CEPAL, 2016.

__________. Cooperación. 2016. Disponível em: http://www.cepal.org/es/cooperacion. Acesso em: março de 2016.

CERVO, Amado Luiz. Relações Internacionais da América Latina: velhos e novos paradigmas. São Paulo: Saraiva, 2007.

CORONEL, Daniel Arruda; FILIPPI, Eduardo Ernesto. “O Desenvolvimento Rural nas Óticas da CEPAL e do Banco Mundial. In: Anais. XLV Congresso da SOBER – Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural. Londrina, 22 a 25 de julho de 2007. Disponível em: http://www.sober.org.br/palestra/6/803.pdf. Acesso em: 10 de julho de 2016.

DAVYDOV, Vladímir. “Contexto y Contenido de la Cooperación Ruso-Latinoamericana. In: Iberoamérica, n. 1, 2016, pp. 5-35.

HAFFNER, Jaqueline Angélica Hernández. A CEPAL e a industrialização brasileira (1950- 1961). Porto Alegre: EDIPUCRS, 2002.

HALUANI, Makram. “Rusia en América Latina: variables, implicaciones y perspectivas de su presencia en el hemisfério occidental”. In: Revista Politeia, v. 36, n. 51, 2013, pp. 83-124.

MANKOFF, Jeffrey. Russian Foreign Policy: The Return of Great Power Politics. Maryland: Rowman& Littlefield Publishers Inc., 2009.

MANTEGA, Guido. A economia política brasileira. São Paulo: Vozes, 1985.

NERY, Tiago. A economia do desenvolvimento na América Latina: o pensamento da Cepal nos anos 1950 e 1990. Dissertação de mestrado. Rio de Janeiro: Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Instituto de Relações Internacionais, 2004.

PANIEV, Yuri. “RussiaTurning on Latin America”. In: Austral, v. 1, n. 1, jan/jun, 2012, pp. 69-87.

PESOV, Eduard. “Rusia aumenta su presencia militar em América Latina enrespuesta a la OTAN”. In: Russia Beyond the Headlines. 16 de abril. 2015. Disponível em: https://es.rbth.com/internacional/2015/04/16/rusia_aumenta_su_presencia_militar_en_america_latina_en_respues_49027. Acesso em: 05 de julho de 2016.

PREBISCH, Raúl. “Interpretação do Processo de Desenvolvimento Econômico”. In: Revista Brasileira de Economia. Rio de Janeiro, 1951, pp. 7-135.

QUENAN, Carlos. “Dinámicas económicas, inserción internacional y transformaciones sociales”. In: QUENAN, Carlos; VELUT, Sébastien. Los desafíos del desarrollo en América Latina: dinámicas socioeconómicas y políticas públicas. Paris: AFD, 2014, pp. 25-166.

ROSSTAT. External Trade of the Russian Federation with other countries. 2016. Disponível em: http://www.gks.ru/bgd/regl/b15_12/IssWWW.exe/stg/d02/27-06.htm. Acesso em: 20 de julho de 2016.

RUSSIA. The Foreign Policy Concept of The Russian Federation. 2000. Disponível em: http://www.russiaeurope.mid.ru/russiastrat2000.html. Acesso em: 20 de julho de 2016.

__________. The Foreign Policy Concept of The Russian Federation. 2008. Disponível em: http://archive.kremlin.ru/eng/text/docs/2008/07/204750.shtml. Acesso em: 20 de julho de 2016.

__________. The Foreign Policy Concept of the Russian Federation. Moscow, Feb. 2013. Disponível em: http://www.mid.ru/brp_4.nsf/0/76389FEC168189ED44257B2E0039B16D. Acesso em: 20 de julho de 2016.

SEGRILLO, Ângelo. O fim da URSS e a Nova Rússia: de Gorbachev ao pós Yelstin. Petrópolis: Vozes, 2000.

SHEVTSOVA, Lilia. Russia – Lost in Transition: The Yelstin and Putin Legacies. Washington: Carnegie Endowment for International Peace, 2007.

STEPANOV, Antón (dir.). “Canal de Nicaragua. Infográfico”. In: RiaNovosti. Moscou, 16 de abril. 2015. Disponível em: https://es.rbth.com/internacional/2015/04/16/rusia_aumenta_su_presencia_militar_en_america_latina_en_respues_49027. Acesso em: 05 de julho de 2016.

UN – United Nations. Resolution 64/222: Nairobi outcome document of the Highlevel United Nations Conferenceon South-South Cooperation. Nairobi, 2009.




DOI: https://doi.org/10.5902/2357797525057

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista InterAção



ISSN 2357-7975

Redes Sociais: Twitter | Facebook 

Universidade Federal de Santa Maria