Multilateralismo necessário: uma análise da resposta norte-americana ao conflito civil na Síria como estratégia de rational cooperation

Amanda Martinazzo Bier

Resumo


A Síria é palco, desde o início de 2011, de um dosconflitos civis mais sangrentos da história recente.Impulsionada pelos levantes no Oriente Médio queficaram conhecidos como Primavera Árabe, a populaçãosíria pedia por melhores condições de vida e a ampliaçãodos direitos individuais, além do fim do regime de BasharAl Assad. Marcado pela violenta resposta do governo, omovimento na Síria logo ganhou a atenção da sociedadeinternacional. Reconhecido como grande vetor dos valoresocidentais, o governo americano, em consonância comuma estratégia internacional que enfatiza a diminuição doenvolvimento do país com questões do Oriente Médio, optou pelo multilateralismo como resposta aos eventos naSíria. Este trabalho analisa a opção do governo dosEstados Unidos pelo multilateralismo como estratégia depolítica externa do país para o conflito civil na Síria apartir do conceito de rational cooperation.

Palavras-chave


Cooperação Racional; Política Externa Norte-Americana; Síria.

Texto completo:

PDF

Referências


ACNUDH. Especial ONU Brasil – Síria. Disponível em:

. Acesso em: 12 jul. 2013.

ALJAZEERA. A possible U.S. attack on Syria: causes and

consequences. 15 set. 2013. Disponível em:

/201391511491236484.htm>. Acesso em: 12 nov. 2013.

FRIEDMAN, G. Strategy, ideology and the close of the

Syrian crisis. Stratfor, 17 set. 2013. Disponível em:

close-syrian-crisis>. Acesso em: 12 out. 2013.

GELVIN, J. L. The Arab uprisings: What everyone needs

to know. New York: Oxford University Press, 2012.

HAASS, R. N. Foreign Policy Begins at Home: The case

for putting America’s house in order. New York: Basic

Books, 2013. 195 p.

INDYK, M.; LIEBERTHAL, K.; O’HANLON, M. E.

Bending history: Barack Obama’s foreign policy.

Washington: The Brookings Institution, 2012.

KEOHANE, R. O. After Hegemony: Cooperation and

Discord in the World Political Economy. New Jersey:

Princeton University Press, 1984. 290 p.

KEOHANE, R. O.; NYE, J. S. Power and Interdependence.

Boston: Little, Brown and Company, 1977.

KIVIMAKI, T. Democracy, autocrats and U.S. policies in

the Middle East. Middle East Policy, Vol. 19, n. 1, pp. 64-

, spring, 2012. Disponível em:

2012.00523.x/full>. Acesso em: 19 set. 2013.

LANDLER, M.; THEE-BRENAN, M. Survey reveals scant

backing for Syria strike. The New York Times, 9 set. 2013.

Disponível em:

ast/poll-majority-of-americans-oppose-militarystrike.

html>. Acesso em: 10 out. 2013.

NASR, V. The Dispensable Nation: American Foreign

Policy in Retreat. New York: Random House, 2013. 300 p.

NYE, J. S. Cooperação e conflito nas relações

internacionais. Trad. Henrique Amat Rêgo Monteiro. São

Paulo: Editora Gente, 2009.

NYE, J. S. O futuro do poder.São Paulo: Benvirá, 2012. 333

p.

OBAMA, B. Speech on postponing the Congressional

vote on Syria strike. 11 set. 2013. Washington. D. C. Disponível em:

>. Acesso em: 23 nov. 2013.

RATNESAR, R. There is nothing foreign about foreign

policy. Bloomberg Businessweek, 24 out. 2012.

Disponível em:

/theres-nothing-foreign-about-foreign-policy>. Acesso

em: 22 nov. 2013.

SANGER, D. E. For Obama, an evolving doctrine on

foreign policy. The New York Times, 24 set. 2013.

Disponível em:

ast/obamas-evolving-doctrine.html?_r=0>. Acesso em: 22

out. 2013.

SEITENFUS, R. Relações Internacionais. Barueri: Manole,

SSRS of Media. American views on Syrian strike.

Disponível em:

ubjects/n/newyorktimes-pollwatch/

index.html?offset=10&s=newest>. Acesso em: 10

out. 2013.

STRATFOR. Syria: a comprehensive look at the options

for intervention. 27 ago. 2013. Disponível em:

. Acesso em: 30

set. 2013.

VILLA, R. A. Opinião pública, mídia e relações

internacionais. Revista de Sociologia Política. 2003.

WORLD BANK. GDP growth (annual %). Disponível em:

D.ZG?order=wbapi_data_value_2009%20wbapi_data_val

ue%20wbapi_data_value-first&sort=asc>. Acesso em: 23

set. 2013.




DOI: https://doi.org/10.5902/2357797513377

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



Twitter | Facebook