Edições de literatura indígena no Brasil: visibilidades e opacidades

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/2763938X63504

Palavras-chave:

Edições indígenas, Literatura indígena, Livro, Livro indígena

Resumo

Este estudo analisa a leitura de duas edições de autoria indígena, editadas e publicadas no Brasil. O objetivo foi observar se essas edições seriam percebidas como sendo edições indígenas e se teriam alguma visibilidade, questões sobre o gênero, a autoria e a produção desses livros. Dois grupos de dez alunos cada receberam edições indígenas diferentes para manusear, observar os paratextos e registrar por escrito as suas percepções sobre essas edições. Os resultados demonstraram que os livros não foram percebidos como edições indígenas na sua materialidade. Também não foram percebidas a existência da autoria indígena e da literatura indígena[1]. Neste estudo, o livro indígena foi definido com base em Almeida (2004) e Almeida (2009), e os aspectos referentes à visibilidade mediada embasados em Thompson (2008) e Thompson (2013).

Biografia do Autor

Marta Aparecida Pereira da Rocha Costa, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG

Mestra em Estudos de Linguagens pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais - CEFET-MG (2012), com vinculação na Linha de pesquisa II - Processos Discursivos e Tecnologias; especialista em Revisão de Textos pelo Instituto de Educação Continuada da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais - PUC Minas (2007); graduada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pelo Centro Universitário de Belo Horizonte - UNI-BH (1984). Integra os grupos de pesquisa do CNPq: Letramentos, Processos discursivos e Tecnologias, desde 2010, e Escritas profissionais e Processos de edição, desde 2011.

Referências

ALMEIDA, Maria Inês. Desocidentada: Experiência literária em terra indígena. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.

ALMEIDA, Maria Inês. Na captura da Voz: as edições da narrativa oral no Brasil. Belo Horizonte: Editora Autêntica; FALE/UFMG, 2004.

BRASIL. Lei n. 11.645, de 10 de março de 2008. Torna obrigatório o estudo da história e cultura afro-brasileira e indígena nos estabelecimentos de ensino fundamental e de ensino médio. Brasília, 2008. Legislação Federal.

KRESS, Gunther; LEEUWEN, Theo Van. Reading Images. The Grammar of Visual Design. London: Routledge, 1996.

LITERATERRAS, Núcleo transdisciplinar de pesquisa em tradução, edição e publicação de textos de autoria indígena. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2016. Disponível em: https://issuu.com/literaterras/docs/livro_encontro_traducoes. Acesso em: 10 nov. 2016.

PIZARRO, Ana. Amazônia: As Vozes do Rio. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2012.

POTIGUARA, Eliane. Divulgação de obra impressa em rede social. Disponível em: http://www.elianepotiguara.org.br. Acesso em: 10 nov. 2016.

RIBEIRO, Maristela Maria. Grafismo Indígena. Trabalho de Conclusão de Curso (Habilitação em Artes Visuais) – Departamento de Artes Visuais, Universidade de Brasília, Brasília, 2012.

ROCHA-COSTA. Marta Aparecida Pereira da. Microtipografia: uma abordagem sobre a recepção de um texto em três diferentes formas de inscrição. Diálogo das Letras, Vol. 4, n.º 2, 2015. Disponível em: http://periodicos.uern.br/index.php/dialogodasletras/article/view/1786. Acesso em: 8 dez. 2020.

SARAU DAS POÉTICAS INDÍGENAS, 1, 2016, São Paulo. Casa das Rosas.

THOMPSON, John Brookshire. Mercadores de Cultura: o mercado editorial no século XXI. Tradução Alzira Allegro. São Paulo: Editora Unesp, 2013.

THOMPSON, John Brookshire. A Nova Visibilidade. Tradução de Andrea Limberto. Disponível em: www.revistas.usp.br/matrizes/article/download/38190/40930. Acesso em: 19 set. 2016.

XACRIABÁ, Indios. Encontros Traduções; coordenação: Maria Inês Almeida. Belo Horizonte: Editora FALE/UFMG, 2009.

XACRIABÁ, Povo. Com os mais velhos. Belo Horizonte: Editora FALE/UFMG, 2005.

Publicado

2021-07-23

Como Citar

Rocha Costa, M. A. P. da. (2021). Edições de literatura indígena no Brasil: visibilidades e opacidades. Gutenberg - Revista De Produção Editorial, 1(1), 76–97. https://doi.org/10.5902/2763938X63504