O Estado brasileiro, a economia da Vale na Amazônia maranhense e a Rede Justiça nos Trilhos

José Arnaldo dos Santos Ribeiro Junior, Samarone Carvalho Marinho

Resumo


O objetivo deste texto é discutir a relação existente entre o Estado Brasileiro e a Economia da Vale tendo como universo empírico a Amazônia Maranhense, principal área de atuação da Rede Justiça nos Trilhos.  No primeiro momento, é investigado como a Vale foi desenvolvendo suas atividades baseando-se na política desenvolvimentista do Estado Brasileiro capitaneada pelo BNDES. Em seguida é apresentada e debatida a formação da referida Rede no espaço geográfico da Amazônia Maranhense. A escolha deste enfoque metodológico serve para a promoção de uma análise que permita a compreensão das lutas sociais e políticas que são travadas pela Rede Justiça nos Trilhos em diversas escalas geográficas.

 

Palavras-chave: Rede Justiça nos Trilhos; Amazônia Maranhense; BNDES; Estado Brasileiro; Vale.

 

DOI: 10.5902/223649947453


Texto completo:

PDF

Referências


ACSELRAD, Henri As práticas espaciais e o campo dos conflitos ambientais. In ACSELRAD, Henri (Org.). Conflitos ambientais no Brasil. Rio de Janeiro: Relume Dumará: Fundação Heinrich Böll, 2004. pp.13-35.

ALVES, Elio de Jesus Pantoja; SANT’ANA JÚNIOR, Horácio Antunes; MENDONÇA, Bartolomeu Rodrigues. Projetos de Desenvolvimento, Impactos Sócio-Ambientais e a Reserva Extrativista do Taim. In: Ciências Humanas em Revista. Universidade Federal do Maranhão, Centro de Ciências Humanas. São Luís, 2007. v. 5 Número Especial. Semestral. pp. 29-40.

BARBOSA, Sidinei Teixeira. Aplicação do método "fluxo de caixa descontado" para cálculo do valor econômico de empresas: uma análise a partir de dados da Companhia Vale do Rio Doce. Presidente Prudente / SP, 2002. 84 p. Monografia (Graduação). Faculdade de Ciências Econômicas e Administrativas de Presidente Prudente, Faculdades Integradas Antônio "Eufrásio de Toledo".

CARNEIRO, Marcelo Domingos Sampaio. A exploração mineral de Carajás: um balanço trinta anos depois. Não Vale. São Luís: Justiça nos trilhos, 2010. pp. 16-30.

CASTRO, Iná Elias de. O mito da necessidade: discurso e prática do regionalismo nordestino. São Paulo: Bertrand Brasil, 1992.

Federação Internacional dos Direitos Humanos (FIDH); Justiça Global; Justiça nos Trilhos. Brasil quanto valem os direitos humanos? Os impactos sobre os direitos humanos relacionados à indústria da mineração e da siderurgia em Açailândia. Disponível em www.justicanostrilhos.org. Acesso em 13 de maio de 2011. 104p.

GODEIRO, Nazareno (org.) Vale do Rio Doce. Nem tudo que reluz é ouro, da privatização à luta pela reestatização. São Paulo: Sundermann, 2007.

IBRADES, Bernard Lestienne; et al. A vale é nossa. 2ªed. São Paulo: Unisind, 2007.

LEITE LOPES, José Sérgio (Coord.). A “ambientalização” dos conflitos sociais; participação e controle público da poluição industrial. Rio de Janeiro: Relume Dumará: Núcleo de Antropologia Política/UFRJ, 2004.

LIMA, R. J. C. Movimentos sociais, desenvolvimento e capital social: a experiência do Reage São Luís. In SANT’ANA JÚNIOR, H. A. et alli. (Org.). Ecos dos conflitos socioambientais: a Resex de Tauá-Mirim. São Luís: Edufma, 2009. pp.225-252.

Organizações Integrantes do I Encontro Internacional dos Atingidos pela Vale. Dossiê dos impactos e violações da Vale no mundo. Disponível em CD. 2010.

PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter. Amazônia, amazônias. 2ªed. São Paulo: Contexto, 2005.

RIBEIRO JUNIOR, J. A. S; SANT‘ANA JÚNIOR, H. A. A política de desenvolvimento sustentável da Vale. Anais do XVI Encontro Nacional de Geógrafos - ENG, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 25 a 31 de julho de 2010.

RIBEIRO JUNIOR, José Arnaldo dos Santos. O discurso de responsabilidade socioambiental empregado pela Vale no período pós-privatização (1997-2010) em São Luís - MA. Monografia (graduação) - Universidade Federal do Maranhão, Curso de Geografia, 2011.132p.

SANT‘ANA JÚNIOR, Horácio Antunes de. Amazônia e Modernidade: leitura da invasão, ocupação e incorporação da Amazônia no mundo moderno. In: Tempos Históricos. Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Campus de Marechal Cândido Rondon. História.—v. 4 nº 1 (2002) – Cascavel: EDUNIOESTE, 2002. Anual. pp. 137-165.

SILVA, Sislene Costa da. Relatório sobre situação dos Territórios quilombolas Santa Rosa dos Pretos e Monge Belo. Disponível em www.justicanostrilhos.org. Acesso em 24 de maio de 2011.

ZAGALLO, José Guilherme Carvalho. A “privatização” da Vale. Não Vale. São Luís: Justiça nos trilhos, 2010. pp. 07-15.




DOI: https://doi.org/10.5902/223649947453

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Indexações e Bases Bibliográficas