Sujeito e o mundo: a aplicação das geotecnologias no ensino de Geografia como perspectiva da integralidade

Isabel Cristina Bohn Vieira, Eduardo Augusto Werneck Ribeiro

Resumo


Este artigo apresenta uma proposta de uma sequência didática (SD) com o tema recursos hídricos, exercitando a aplicação de geotecnologias no ensino de geografia para a educação básica. A proposta descreve um modelo de roteiro Sujeito e o Mundo, configurando um arcabouço atrativo e didático para o desenvolvimento de projetos de ensino, sob a perspectiva colaborativa, participativa entre educandos e educadores. Esta aplicação propicia aos envolvidos a educação cientifica onde se trabalha fundamentação dos conceitos (a hipótese, o raciocínio metodológico e os testes que a hipótese gera) através de atividades didáticas práticas e tecnológicas na geografia, além de encorajá-los a propor soluções de problemas ambientais e sociais vigentes, em pleno exercício da cidadania. Esta proposta de construção do conhecimento pode contribuir no processo de ensino e aprendizagem na medida que o conteúdo teórico da disciplina é contextualizado, materializado e discutido pelo experimento. Com os resultados pode-se discutir a plausibilidade das provas que a teoria apresenta, reforçando a importância de se inter-relacionar conceitos, de se fazer uma boa pergunta e buscar respostas com métodos e recursos adequados, assim, propiciando o aprendizado de forma integral.


Palavras-chave


Ciência Geográfica; Geotecnologias; Integralidade; Roteiro

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Samantha Nunes de Oliveira. Concepções de educação integral e suas relações com equidade educacional, 2018.

AMBIENTE BRASIL. Indicador de impacto ambiental [S.I] [2020]. Disponível em: . Acesso em 06 abr. 2020.

BRASIL. Código Florestal, Lei n°12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 25 mai. 2012. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm>. Acesso em 22 abr. 2020.

BRASIL. Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA. Resolução Nº 001, de 23 de janeiro de 1986. CONAMA. Dispõe sobre critérios básicos e diretrizes gerais para a avaliação de impacto ambiental. Diário Oficial da União, DF, v. 17, n. 02, 1986. Disponível em: . Acesso em 20 abr. 2020.

BRASIL. Lei n.9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 21 dez. 1996. Disponível em: . Acesso em 16 abr. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Guia de Implementação dos Temas contemporâneos transversais na Base Nacional Comum Curricular: propostas de práticas de implementação. MEC, Brasília, DF, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/implementacao/guia_pratico_temas_contemporaneos.pdf. Acesso: 11 ago 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular - Terceira versão. Brasília, DF: MEC/SEB, 2017.Disponível em: Acesso em 16 jul. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica Diretoria de Currículos e Educação Integral. Brasília: MEC/ SEB, DICEI, 2013.

BRASIL. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL. Parâmetros Curriculares Nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. 1997.

BRASIL. Lei nº 13.005, 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional da Educação – PNE. Diário Oficial da União, Poder Legislativo, Brasília, DF. Disponível em: . Acesso em: 05 agosto 2020.

CASTRO, Jhon Linyk Silva et al. Mata ciliar: Importância e funcionamento. In: VIII Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental Campo Grande/MS. 2017.

FITZ, Paulo Roberto. Novas tecnologias e os caminhos da Ciência Geográfica. Diálogo Tecnologia, v. 6, p. 35-48, 2005.

FRANÇA, Juliana. (2019). Monitoramento participativo de rios urbanos por estudantes-cientistas. 10.17648/ufmg - monitoramento 2019.

GAMA, MARIA LUIZA SANTOS. Planejamento Educacional e Formação de Professores: práticas, sentidos e significados. Appris Editora e Livraria Eireli-ME, 2016.

GOOGLE EARTH. Download do Google Earth Pro para PC, Mac ou Linux. Disponível em: . Acesso em 02 de abr. 2020.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Revista e manuais técnicos. Disponível em: . Acesso em: 24 abr. 2020.

JONASSEN, David. O uso das novas tecnologias na educação à distância e a aprendizagem construtivista. Em Aberto, Brasília ano 16 nº 70 abr/jun 1996. p. 70-88.

JONASSEN, David. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. Tradução de Carlos Irineu da Costa. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1993.

KLAUMANN, Ana. (2017). O problema das inundações no Alto Vale do Itajaí: abordagem exploratória inspirada no debate sobre o desenvolvimento territorial rural.

LEVY, P. A conexão planetária: o mercado, o ciberespaço, a consciência. São Paulo: Editora 34, 2001.

MACEDO, Diego Rodrigues et al. Uso e ocupação do solo, sorteio de sítios amostrais, reconhecimento em campo e realização de amostragens. Condições Ecológicas em Bacias Hidrográficas de Empreendimentos Hidrelétricos Serie Peixe Vivo, v. 2, p. 47-68, 2014.

MICHAELIS, Dicionário. Impacto. Disponível em: < https://michaelis.uol.com.br/>. Acesso em 26 abr. 2020, v. 13, 2017.

PORTO, Monica FA; PORTO, Rubem La Laina. Gestão de bacias hidrográficas. Estudos avançados, v. 22, n. 63, p. 43-60, 2008.

ROSA, Roberto. Geotecnologias na geografia aplicada. Revista do Departamento de Geografia, v. 16, p. 81-90, 2005.

SANTOS, L. A. C. et al. Conflitos de Uso e Cobertura do Solo para o Período de 1985 a 2017 na Bacia Hidrográfica do Rio Caldas-GO. Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science, v. 8, n. 2, p. 189-211, 2019.

SILVA, MS da; LEMOS, SS de; MORAES, AB de. Uso de geotecnologias para delimitação de Áreas de Preservação Permanente e análise das áreas de conflito de uso e ocupação do solo na zona urbana do município de Mãe do Rio–PA. Acesso em 22 maio 2020, v. 1, 2018.

SOUZA, F. F de. Bacias Hidrográficas. UFSCar aprender, São Carlos, SP, 2010. Disponível em: . Acesso em 26, abr. 2020.

USGS. Sciense for a changing world. Earth Explorer. Disponível em: < https://earthexplorer.usgs.gov/>. Acesso em 16 abr. 2020.

VENZKE, Tiago Schuch Lemos. Estudo das matas ciliares da bacia hidrográfica do Pelotas, Pelotas, RS, Brasil. Geografia Ensino & Pesquisa, v. 22, p. 29, 2018.

VIEIRA, Isabel. Mapeamento da área de preservação permanente na margem norte do rio Itajaí-Açu em área urbana consolidada. Metodologias e Aprendizado, v. 1, p. 26-29, 2019.

VYGOTSKY, L.S. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. Tradução de Maria da Penha Villalobos. São Paulo: Ed. da USP, 1988.

WENDT, Cristiano Eduardo; DALBOSCO, Claudio Almir. Iluminismo pedagógico e educação natural em Jean-Jacques Rousseau. Educação (UFSM), v. 37, n. 2, p. 229-240, 2012.

WITTER, Geraldina Porto. Importância das sociedades/associações científicas: desenvolvimento da ciência e formação do profissional-pesquisador. Boletim de Psicologia, v. 57, n. 126, p. 1-14, 2007.




DOI: https://doi.org/10.5902/2236499454517

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Indexações e Bases Bibliográficas