Caracterização de depressões fechadas no vão do Paranã, a oeste da Serra Geral de Goiás

Fernanda Cristina Rodrigues de Souza, André Augusto Rodrigues Salgado, Thaís Aparecida Silva, Luis Felipe Soares Cherem

Resumo


Este trabalho apresenta as características das dolinas, uvalas e outras depressões fechadas presentes no Vão do Paranã, que está situado a oeste da Serra Geral de Goiás. Os procedimentos metodológicos utilizados incluem revisão bibliográfica, interpretação de imagens de satélites Sentinel 2, identificação e vetorização das depressões fechadas, caracterização morfológica e trabalho de campo. Os resultados demonstram que as dolinas e uvalas estão concentradas, predominantemente, na depressão do rio Paranã, enquanto as cavidades naturais subterrâneas estão localizadas principalmente nas escarpas da Serra Geral de Goiás. Verifica-se a ocorrência de padrão aleatório de dolinas e uvalas arredondadas, elípticas e irregulares. As dolinas e uvalas com menores áreas e perímetros estão localizadas principalmente no extremo sul da área de estudo e também ao norte, entre Iaciara e Nova Roma. Os maiores índices de área e volume estão nas feições situadas na porção central da depressão do Paranã. As geoformas estudadas desenvolvem-se diretamente em: i) coberturas detrito lateríticas ferruginosas, onde ocorrem calcários do subgrupo Paraopeba como litologia subjacente; ii) calcários do subgrupo Paraopeba indiviso e da Formação Sete Lagoas. Ratifica-se que os resultados obtidos sinalizam que todas essas feições originaram-se a partir de processos de dissolução.


Palavras-chave


dolinas, relevo Cárstico, geomorfologia, paranã

Texto completo:

PDF

Referências


AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS – ANA. Plano Estratégico de Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica dos Rios Tocantins e Araguaia: relatório síntese. Brasília: ANA; SPR, 2009. 256p.

BRASIL. MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA. Projeto RADAMBRASIL. Folha SD.23 – Brasília: geologia, geomorfologia, pedologia, vegetação e uso potencial da terra. v. 29. Rio de Janeiro: MME/ SG, 1982. 660p.

BRAUN, O. P. G. Contribuição à Geomorfologia do Brasil Central. Revista Brasileira de Geografia. p.3-39. 1970.

CVIJIC, J. Carste: uma monografia geográfica. 1895. Belo Horizonte: PUCMG. 2017. Tradução de Luiz Eduardo Panisset Travassos. Revisão de João Henrique Rettore Tottaro.

EUROPEAN SPACE AGENCY – ESA. Imagens de Satélites Sentinel 2. Resolução Espacial de 10m. Cenas de 19/07/2016. Dados disponíveis em: < http://sentinel-s2-l1c.s3-website.eu-central-1.amazonaws.com/> Acesso em: 10/10/2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Mapa de Unidades do Relevo do Brasil. Escala 1:5.000.000. 2º ed. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão/ IBGE: Rio de Janeiro. 2006.

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA – INMET. Normais Climáticas do Brasil 1961 - 1990. Brasília: INMET. 2009. Disponível em: < http://www.inmet.gov.br/portal/> Acesso em: 08/10/ 2016.

JENNINGS, J. N. Karst Geomorphology. Oxford: Basil Blackwel. 1985.

PEREIRA, M. C.; STÁVALE, Y. O.; SALGADO, A. A. R. Estudo da gênese das cavidades e depressões em minério de ferro - Quadrilátero Ferrífero/MG: serras do Rola Moça e do Gandarela. Revista Brasileira de Geomorfologia. v.13. n.3, p. 245-253, 2012.

PILÓ, L. B. Morfologia Cárstica e Materiais Constituintes: dinâmica e evolução da Depressão Poligonal Macacos – Baú – Carste de Lagoa Santa, MG. 1998. 283p. Tese (Doutorado em Geografia). Universidade Estadual de São Paulo: São Paulo.

PÔSSAS, I. B.; CHEREM, L. F. S. Diferenças Morfográficas do Exocarste da Borda Noroeste do Grupo Bambuí e suas Relações com a Morfodinâmica Regional do Vão do Paranã (GO): resultados preliminares. X SIMPÓSIO NACIONAL DE GEOMORFOLOGIA – SINAGEO. 2016. Maringá (PN). Anais... Maringá (PN): UBG. 2016.

SOUZA, J. D.; KOSIN, M.; HEINECK, C. A.; LACERDA FILHO, J. V.; TEIXEIRA, L. R.; VALENTE, C. R.; GUIMARÃES, J. T.; BENTO, R. V.; BORGES, V. P.; SANTOS, R. A.; LEITE, C. A.; NEVES, J. P.; OLIVEIRA, I. W. B.; CARVALHO, L. M.; PEREIRA, L. H. M.; PAES, V. J. C. Carta Geológica do Brasil ao Milionésimo. Folha SD.23 Brasília. Escala 1:1.000.000. In: SCHOBBENHAUS, C.; GONÇALVES, J. H.; SANTOS, J. O. S.; ABRAM, M. B.; LEÃO NETO, R.; MATOS, G. M. M.; VIDOTTI, R. M.; RAMOS, M. A. B.; JESUS, J. D. A. (eds). COMPANHIA DE PESQUISA E RECURSOS MINERAIS – CPRM. Carta Geológica do Brasil ao Milionésimo. Programa Geologia do Brasil. Brasília: CPRM. 2004.

WHITE, W. B. Geomorphology and Hydrology of Karst Terrains. Oxford: Oxford University Press, 1988. 464p.

WILLIAMS, P. W. Morphometric Analysis of Polygonal Karst in New Guinea. Geological Society of America Bulletin. n.3, p.761-796, 1972.

WILLIAMS, P. Dolines. In: GUNN, J. Encyclopedia of Caves and Karst Science. New York: Taylor and Francis Group, 2004. p. 628-641.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2236499429857

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Indexações e Bases Bibliográficas