A natureza como campo de jogo: a cartografia presente em um mapa de orientação

José Nilton Silva Vargas

Resumo


O Desporto Orientação é a arte de navegar entre terras desconhecidas, proporcionando atividade física e contato com a natureza. Bússola e mapa são equipamentos importantes nesse jogo. A navegação pode ser realizada com uso da maioria dos tipos de cartas. Entretanto, a competição de Orientação requer uma carta específica que possibilite aos competidores executarem uma pista com rapidez, escolhendo as melhores rotas. Para atender as necessidades do atleta, é importante que a carta ofereça as informações com clareza e exatidão. O advento da Cartografia Digital gerou diferentes alternativas para a construção de cartas. Os benefícios deste tipo de evolução se fizeram notar também na arte de confeccionar Cartas de Orientação, popularizando esse tipo de atividade. Vários são os documentos cartográficos existentes que podem servir para auxiliar na confecção de uma carta de Orientação, como por exemplo, plantas cadastrais, fotografias aéreas e cartas topográficas. Estes e outros documentos de representação do terreno são necessários para produção de Cartas de Orientação. As competições de Orientação são realizadas junto à natureza, onde for possível disponibilizar uma infraestrutura adequada para realização da competição, seguindo as regras do desporto, as quais são ditadas em nível mundial pela Federação Internacional de Orientação (IOF). O presente trabalho propõe apresentar a cartografia presente na elaboração e utilização de um mapa de Orientação. A metodologia consistiu em revisão de literatura de BALTAZAR (1999), BOGA (1997), FERREIRA (2002), FERREIRA (2004), McNEILL, et al. (2006), PASINI (2004) e PAZ (2003), como base para uma análise da importância desse desporto para o ensino constituindo uma ferramenta para o professor e auxiliando o aluno na interpretação de mapas, o que, ao mesmo tempo, desenvolve o corpo e a mente do educando e o sensibiliza para os cuidados com o meio ambiente. A Orientação era somente utilizada nos treinamentos militares; hoje o desporto sai do ambiente exclusivamente militar e chega às escolas em todos os níveis e clubes. Como resultados, percebemos que o desporto orientação, na vida moderna, é essencial para desenvolver as capacidades e inteligências múltiplas, desempenhando um papel tão importante como aprender a ler, escrever e contar, tendo ainda, como ação pedagógica, um forte componente lúdico junto à natureza.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, R. A. A Cartografia tátil no ensino da Geografia: teoria e prática. In: Almeida, R. D. (Org). Cartografia Escolar. São Paulo: Contexto, p. 119-144, 2007.

ALMEIDA, R. D. Uma proposta metodológica para a compreensão de mapas geográficos. In:ALMEIDA, R. D (Org). Cartografia Escolar. São Paulo: Ed. Contexto, p. 145-171, 2007.

ALMEIDA, R. D. Do desenho ao mapa: iniciação cartográfica na escola. São Paulo: Contexto, 2001. 115 p.

ALMEIDA, R. D. Uma proposta metodológica para o ensino de mapas geográficos. 1994. 289 f. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1994.

ALMEIDA, R. D.; PASSINI, E. Y. O espaço geográfico: ensino e representação. 1. ed. São Paulo: Contexto, 1989.

BALTAZAR, J. Documento de apoio para acções de formação de praticante de Orientação. Lisboa: Federação Portuguesa de Orientação (FPO), 1999.

BOGA, S. Orienteering: the sport of navigation with map & compass. Mechanicsburg: First, 1997. 200 p.

JOLY, F. A cartografia. Trad. Tânia Pellegrini. 5. ed. Campinas: Papirus, 2003.

CARVALHO, D. de. Metodologia do Ensino Geográfico. Introdução aos Estudos de Geografia Moderna. Petrópolis: Vozes, 1925.

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE ORIENTAÇÃO, Regras Gerais de Orientação Pedestre. ed. 2016. Santa Maria, RS: [s.n.], 2008. Disponível em: http.www.cbo.org.br . Acesso em: 10 mar. 2016.

COSTA, V. L. M. Esportes de aventura e risco na montanha. Um mergulho no imaginário. São Paulo: Ed. Manole Ltda. 2000.

DE MELLO, L. A. C. Desporto Orientação: ferramenta pedagógica para a educação. [Dissertação – Mestrado em Educação, Universidade Vale do Rio Verde – UNINCOR, 2004]. Três Corações, MG: UNINCOR, 2004.

ENCINAS, V. G.; SANZ, J. L.; TORRES, P. P. Z. Orientación. Madrid, Espanha : Ministerio de Educacion y Ciencia, 1996.

EXÉRCITO, ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Manual de Orientação. 1998.

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ORIENTAÇÃO (FPO), Portugal: FPO. Apresenta informações especializadas em Desporto de Orientação. Disponível em: www.fpo.pt. Acesso em: junho/2016.

FEDERATION, INTERNATIONAL ORIENTEERING. Especificação Internacional para cartas de Orientação. Escócia, 2000.

FEDERATION, INTERNATIONAL ORIENTEERING. Especificação Internacional para Mapas de Orientação – Sprint. Finlândia, 2007.

FERREIRA, A. A. M. Perfil dermatoglífico, somatotípico e das qualidades físicas de atletas brasileiros de corrida de orientação de alto rendimento. 2004. 168 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Motricidade Humana), Universidade Castelo Branco, Rio de Janeiro, 2004.

FERREIRA, R. Trail – orienteering: um desporto para todos. Porto: Federação Portuguesa de Orientação, 2002. 16 p.

FERNANDES, A. J. S.; FERREIRA, R. M. F. Opção de desporto, natureza e lazer: orientação na escola. Vila Real: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, 1999. 48 p.

INTERNATIONAL ORIENTEERING FERDERATION (IOF). Suêcia: IOF, 2016. Apresenta informações especializadas em Desporto de Orientação. Disponível em: www.orienteering.org. Acesso em: junho/2016.

LACOSTE, Yves. Geografia: isso serve, em primeiro lugar, para fazer a guerra. 1986.

McNEILL, C et al. Teaching Orienteering. United States: Human Kinetics, 2006, p. 153.

OLIVEIRA, CÊURIO DE. Dicionário cartográfico. 4. ed. Rio de Janeiro, IBGE, 1993.

Orientação o Desporto da Floresta. http://desportodafloresta.weebly.com/mapas-de-orientaccedilatildeo.html. acesso em 25 de junho de 2016.

PASINI, C. G. D. Corrida de Orientação: esporte e ferramenta pedagógica. Minas Gerais: Excelsior Editora, 2004.

PAZ, P. I. Corrida de orientação: promovendo o desporto no Brasil. 2003. Monografia apresentada para bacharelado em Comunicação Social, Universidade Federal de Fluminense, 2003.

SLAMA, C.C. Manual of Photogrammetry. 4. ed. Falls Church, Virginia, American Society of Photogrammetry, 1980.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2236499423090

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexações e Bases Bibliográficas