PROGRAMA DE INTRODUÇÃO À LINGUAGEM CARTOGRÁFICA TÁTIL: COMO FAZER A LEITURA DE UM MAPA TÁTIL?

Fabiana Giehl, Juliane Aparecida de Paula Perez Campos

Resumo


RESUMO: A presente pesquisa objetiva avaliar a eficácia de um Programa de Introdução à Linguagem Cartográfica Tátil para um aluno com cegueira em idade pré-escolar, por meio da adaptação e aplicação deste programa. Trata-se de uma pesquisa descritiva com um enfoque qualitativo, delineada por Estudo de Caso. Para a coleta de dados, utilizaram-se os seguintes instrumentos: avaliação pedagógica, diário de campo e o Programa de Introdução à Linguagem cartográfica tátil. Os dados foram submetidos à análise categorial temática. A aplicação do programa indicou que o participante da pesquisa demanda recursos e estratégias diferenciadas para a realização das atividades propostas; que para a introdução da linguagem cartográfica foram necessários processos pedagógicos lúdicos e, que com materiais pedagógicos táteis de baixo custo de fácil manuseio é possível aprimorar os materiais que fazem parte do programa adaptando-o para alunos com distintas idades.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, R.A.; CARMO W. R.; SENA C. C. R. G.; Técnicas Inclusivas de Ensino de Geografia. In VENTURI, L. A. B (org.). Geografia: práticas de campo, laboratório e sala de aula. São Paulo: Sarandi, 2011.

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: Ministério da Educação – Secretaria de Educação Especial, 2008.

BRASIL. Decreto nº 6.571, de 17 de setembro de 2008. Dispõe sobre o atendimento educacional especializado. Diário Oficial da União, Brasília, 18 set. 2008.

CARMO, W. R. do. Cartografia Tátil Escolar: experiências com a construção de materiais didáticos e com a formação continuada de professores. São Paulo. Dissertação (Mestrado em Geografia Física): DG, FFLCH, Universidade de São Paulo, 2009.

CUSTÓDIO, G. A. O Processo de elaboração de conceitos geográficos em alunos com deficiência visual. Dissertação (Mestrado em Geografia) Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2013.

FREITAS, M. I. C. Cartografia Tátil e formação continuada de professores do ensino fundamental: contribuições para a escola inclusiva. In: FREITAS, M. I. C e VENTORINI, S. E. Cartografia Tátil: orientação e mobilidade às pessoas com deficiência Visual. Jundiaí, Paco Editorial: 2011.

HARRES, J. S. Brincar é coisa séria. In HORN, C. I; HARRES, J. da S; POTHIN, P. Atividades Lúdicas para crianças na faixa etária de 0 a 10 anos: Uma proposta com materiais de baixo custo. Lajeado: UNIVATES, 2003.

LÜDKE, M. e ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

NEGRINE, A. Aprendizagem e desenvolvimento infantil: Simbolismo e Jogo. Porto Alegre: PRODIL, 1994.

OLIVEIRA, L. Estudo metodológico e cognitivo do mapa. São Paulo: IGEOG-USP, 1978.

PASSINI, E. Y. Alfabetização Cartográfica e a aprendizagem de Geografia. 1. Ed. São Paulo: Cortez, 2012.

SAMPIERI, COLLADO, LUCIO. Metodologia de pesquisa. 5. ed. Porto Alegre: Penso, 2013.

SENA, C. C. R. G. Cartografia tátil no ensino de Geografia: uma proposta metodológica de desenvolvimento e associação de recursos didáticos adaptados a pessoas com deficiência visual. Tese de Doutorado. Departamento de Geografia, FFLCH – USP. São Paulo, 2008.

VASCONCELLOS, R. A Cartografia Tátil e o Deficiente Visual: uma avaliação das etapas de produção e uso do mapa. Tese de Doutorado vols 1 e 2. Departamento de Geografia. FFLCHUSP. São Paulo. 1993.

VYGOTSKY, L. S. Obras escogidas: fundamentos de Defectologia. Tomo V. Trad. Julio Guilhermo Blanck. Madrid: Visor Dist. S. A., 1997.

YIN, R. K. Estudo de Caso: planejamento e métodos. Tradução de Daniel Zrassi. 3ª ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.




DOI: https://doi.org/10.5902/2236499420958

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Indexações e Bases Bibliográficas