A VOLTA DO TERMO SURDOS-MUDOS: SOB UMA PERSPECTIVA CULTURAL E DE IDENTIDADE

Ana Regina e Souza CAMPELLO

Resumo


O presente artigo se trata da proposta e de repensar a volta do uso dos conceitos e sentidos da designação: “Surdo-Mudo”. Seu sentido e sua usurpação da última palavra “Mudo”, entretanto, foi bastante influenciado pelas visões positivista e estruturalista que influíram sobre o conceito, seu valor e sua cultura como instrumento de normalização (FOUCAULT, 2007). Em consequência, este instrumento prescreveu como “apagamento do sujeito” (FOUCAULT, 2007 apud SCHOLZE, 2006). Historicamente, a criação da denominação “Surdo-Mudo” como palavra composta, que surgiu durante a criação dos Direitos Civis no tempo do Imperador Justiniano. A designação Surdo-Mudo, para se referir aos sujeitos que não ouviam, bastavam as designações “Surdo” ou “Mudo”, em função do que se conhecia naquela época e se perpetuaram o uso de nome até o século XX. Usamos as abordagens de pesquisa na internet em caráter quantitativo quanto qualitativo. Segundo Batista (2012) estudos quantitativos utilizam-se basicamente das enquetes e questionários virtuais. Das pesquisas qualitativas, Flick (2009) cita a entrevista online, os grupos focais on-line, observação participante, cujo objetivo é aprofundar-se em cada um deles para apresentar a análise do resultado dos dados.


Palavras-chave


Surdo-Mudo; Língua de Sinais; Terminologia; Apagamento do Sujeito

Texto completo:

PDF

Referências


ARALDI, Inês. A Carapuça da Discórdia: uma análise dos discursos que emanam de um gesto presidencial. Artigo. Linguagem em (Dis)curso – LemD, Tubarão, v.5, n.2, p. 323-335, jan./jun. 2005.

(http://www3.unisul.br/paginas/ensino/pos/linguagem/0502/04.htm) datado de março de 2007.

BACELLAR, Arnaldo de Oliveira. A Surdo Mudez no Brasil. São Paulo. Faculdade de Medicina de São Paulo. 1925. Acervo do INES.

BATISTA, Micheline Dayse Gomes. Pesquisa na internet: considerações metodológicas. Encontro de Ciências Sociais do Norte Nordeste e Pré-Alas do Brasil. 15º. 2012. Teresina-PI. Anais 15º CISO PRÉ-ALAS DO BRASIL. Teresina-PI: UFPI, 2012. CD-ROM.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG. 2005 CARELLI, Mauro. Culturas Cruzadas; Intercâmbios culturais entre França e Brasil. São

Paulo: Papirus Editora. 1994

DERRIDA, Jacques. A Voz e o Fenômeno: Introdução ao problema do signo na fenomenologia de Husserl. Tradução: Lucy Magalhães. Jorge Zahar Editor: Rio de Janeiro. 1993.

DIDEROT, Denis. Carta sobre os Surdos-Mudos para uso dos que ouvem e falam. São Paulo: Nova Alexandria. 1993.

ECO, Umberto. A busca da língua perfeita. São Paulo: EDUSC. 2002

Fischer, Renate and Lane, Harlan (Eds). Looking Back: A Reader on the History of Deaf Communities and Their Sign Languages. Hamburg: Signum, 1993

FO, Jacobo, TOMAT, Sergio, MALUCELLI, Laura. O livro negro do cristianismo; dois mil anos de crimes em nome de Deus. Ediouro, Rio de Janeiro. 2005

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: história da violência nas prisões. Petrópolis, Vozes, 2007. 33 ed. p. 153.

FLICK, Uwe. A pesquisa qualitativa online: a utilização da Internet. In: ____.

Introdução a pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009. p. 238-253.

KUCHENBECKER, Klaus Ernesto. O trabalho com pessoas surdas numa congregação de ouvintes. 2006. 158 p. Dissertação de Mestrado (Teologia). IEPG, São Leopoldo, 2006.

LABORIT, Emmanuelle. O Voo da Gaivota. Circulo dos Livros: São Paulo, SP. 1994. LARROSA, Jorge Bondia & PÉREZ DE LARA, Nuria. Imagens do outro. Petrópolis, Vozes, 1998.

SCHOLZE, Lia. Narrativas de si: o olhar feminino nas histórias de trabalho. In: SOUZA, Elizeu Clementino de. Autobiografias, histórias de vida e formação: pesquisa e ensino. Porto Alegre: EDIPUCRS; Salvador: EDUNEB, 2006. http://www.entrelinhas.unisinos.br/index.php?e=4&s=9&a=24 datado de março de 2007.

PERLIN, Gládis. Identidades Surdas. In: SKLIAR, Carlos. A surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Medição, 1998.

PLATÃO Diálogos; Teeteto Crátilo. Belém: Editora Universitária UFPA. 2001. p.199, subtítulo 422 e – 423 b

QUADROS, R. M. de. Educação de surdos: a aquisição da linguagem. Artes Médicas. Porto Alegre. 1997.

SÁNCHEZ, Carlos. La increible y triste historia de la sordera. Ceprosord: Caracas.

SAUSSURE, Ferdinard de. Curso de linguística geral. São Paulo, Cultrix. 1977

SKLIAR, C. Atualidade da educação bilíngüe para surdos. Porto Alegre: Mediação, 1999.

SKLIAR, Carlos. Pedagogia (Improvável) da diferença e se o outro não estivesse aí. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 2003.

SILVA, Tomaz Tadeu da (2000). "A produção social da identidade e da diferença". In: Silva, T. T. (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, Vozes.

SOUZA, Lynn Mario T. Menezes. Language, Culture, Multimodality and Dialogic Emergence. Apostila. Seminário de Estudos Culturais. UFSC. 2007.

_______________________________. Cultura, língua e emergência dialógica. Revista Letras & Letras: Uberlândia, MG. v.26, n.2, p. 289-306. jul. / dez. 2010

THOMA, Adriana da Silva. Surdo: esse “outro” de que fala a mídia. In: SKLIAR, Carlos (Org.). A surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Mediação. 1998.




DOI: https://doi.org/10.5902/2179219442434

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN Versão Impressa: 1519-9894
ISSN Versão Digital: 2179-2194
DOI 10.5902/21792194
Endereço Eletrônico: www.ufsm.br/fragmentum

Fragmentum possui caráter público e gratuito, dessa forma, NÃO são cobrados custos ou taxas para submissão, processamento, publicação e leitura dos artigos.

Todo o conteúdo do periódico Fragmentum está licenciado com uma Licença Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

REDES SOCIAIS
Página da Revista no Facebook